Amor que serena termina...

| 11 julho 2017 | |


Assim como Pedro Juan Gutierrez, concordo que a beleza do peso-leveza do amor se encontra na euforia de um peito arfando perante a pessoa amada. Na palpitação e estremecer que o contato com a pele de quem amamos nos proporciona... O amor não escolhe em que porta bate e por muitas vezes temos que aproveitar aquilo que nos pode ser oferecido...

Amores serenos e tranquilos findam. Os tempestuosos podem acabar fisicamente mas deixam marcas indeléveis. É na tragédia que mora a beleza, pois é a partir do risco do fim que acabamos valorizando mais cada minuto junto a pessoa amada...

Para mim, amores tranquilos não tem graça, não possuem o poder de arrepiar os ossos ante a presença de nossa metade-ímpar. Ímpar no sentido de avulsa, que pode se encaixar hoje e amanhã ir se encaixar em outras paragens... porque não pertencemos a ninguém além de nós mesmos...

Como Gutierrez, quem sabe é meu carma amar atormentadamente, com sofreguidão, na urgência de que o depois pode não chegar? Viver intensamente cada momento como sendo o último, valorizar o que nos é dado, eternizar o inevitável que é o efêmero da existência... 

Ainda não tenho 62 anos como meu querido escritor cubano tinha ao dar essa entrevista... Mas sigo caminhando, aos trancos e tropeços dos meus 31 amando apaixonadamente o amor, a vida... enquanto ela ainda me resta... num bolero contínuo...



8 Comentários:

Morgana Brunner Says:
18 julho, 2017

Ah que postagem maravilhoso Maria, realmente foi bastante envolvente e tocante para mim, entrevistado me deixou afoita querendo saber mais e mais sobre sua trajetória.
Beijinhos

Michele Lopez Says:
19 julho, 2017

Olá,
Gostei muito de saber um pouco mais sobre o autor e sua trajetória.
Texto cativante e agradável. Também não vejo graça em amores tranquilos, afinal não temos a emoção ou expectativa de um arrepiar de pele ou palpitar do coração.

LEITURA DESCONTROLADA

Paac Rodrigues Says:
21 julho, 2017

que lindo Val <3 arrasou!

Lorena Caribé Says:
22 julho, 2017

Olá! Que legal essa postagem, diferente e traz mais informações. Ótimo você compartilhar, bjo

Ju Says:
23 julho, 2017

Como ele, também não lembro de ter tido o tal amor sereno não... Mas sei lá, vejo pessoas que o encontram e, que pelo menos aparentemente, são felizes com ele. Acho que deve ser mais fácil de lidar.

Débora Costa Says:
25 julho, 2017

Uau, fiquei impressionada com a profundidade da publicação. Eu não conhecia esse autor, mas fiquei bastante interessada no trabalho dele.

Blog Ensaiando Says:
26 julho, 2017

Amor tranquilo não dá. Tem que ser louco, corrido, escorrido e gamado. Amor, ao meu ver, quando é de verdade, tem que ser grude e entendimento. Intenso. Sempre intenso, senão é só faísca. Beijos e sucesso, amei o post!

Carolina Gama

Lê Lendo Lido Says:
01 agosto, 2017

Morri com esse post! Fou profundo demais por meu coração! Que lindo! Quero dar control C + control V e copiar isso na minha testa! hahahahaha
Quero mais coisas desse homem!! hauhaus
Bjus
Intenso, vivo de amores intenso!

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...