Quote: Amor líquido sobre a fragilidade dos laços humanos [Zygmunt Bauman]

| 22 abril 2017 | |


“Será que os habitantes de nosso líquido mundo moderno... preocupados com uma coisa e falando de outra? Eles garantem que seu desejo, paixão, objetivo ou sonho é “relacionar-se”. Mas será que na verdade não estão preocupados principalmente em evitar que suas relações acabem congeladas e coaguladas? Estão mesmo procurando relacionamentos duradouros, como dizem, ou seu maior desejo é que eles sejam leves e frouxos, de tal modo que, como as riquezas de Richard Baxter, que “cairiam sobre os ombros como um manto leve”, possam “ser postos de lado a qualquer momento”? Afinal, que tipo de conselho eles querem de verdade: como estabelecer um relacionamento ou – só por precaução – como rompê-lo sem dor e com a consciência limpa? Não há uma resposta fácil a essa pergunta, embora ela precise ser respondida e vá continuar sendo feita, à medida que os habitantes do líquido mundo moderno seguirem sofrendo sob o peso esmagador da mais ambivalente entre as muitas tarefas com que se defrontam no dia-a-dia."


Resultado de imagem para despedida

[De “Amor Líquido Sobre a fragilidade dos laços humanos” Zygmunt Bauman]

7 Comentários:

Mila Cris Says:
22 abril, 2017

Na verdade parece que todos buscam nesse mundo líquido realmente é por experiência que o faça superar novas relações transitórias, onde até o que é "proibido" torna-se livre alterando as barreiras da realidade, da marca da desesperança, da potência dos preconceitos, do amor eterno. Bom texto, gostei.

Faby Souza Says:
22 abril, 2017

Olá Val, tudo bem?
Mas um super post no seu blog hein? Parabéns. Que triste realidade essa não é? Amor liquido em um mundo liquido. Já estamos perdendo a pouca fé que tinhamos nas pessoas e na sua capacidade de amar. Lamentável.

Parabéns pelo layout do blog. Amei

Aline Furtado Says:
23 abril, 2017

Olá!
Gostei muito do quote. É daqueles que nos faz pensar.
Isso é uma das coisas que sempre me questiono nesse mundo líquido de relacionamentos descartáveis em que vivemos.
Beijos.

Gleyse Vieira Says:
23 abril, 2017

Oi Val, poxa, estudei muito Bauman na faculdade e adorei esse quote. Com certeza toda a obra nos remete a essas reflexões.
Ahhh e o layout novo do blog está incrível. Amei!!! Bjs

Lilian Farias Says:
24 abril, 2017

Menina, esse cara é simplesmente formidável, ele está em meu material de trabalho este ano junto com Byung. Eu gostei de sua postagem, a escolha certeira e sugestiva do trecho.

Fabrica dos Convites Says:
24 abril, 2017

Concordo que a resposta não é fácil de ser dada, e que seu questionamento será sem fim. Belo trecho este que você escolheu.
Bjs, Rose

Livros da Beta Says:
25 abril, 2017

Nossa, que intenso!! Os relacionamentos de hoje estão, cada vez mais, dissolvendo-se com mais facilidade... dando a impressão de que nada mais é real. Que no mundo atual, apesar dos pesares, não nos fuja pela mão a capacidade de amar!

bjs
www.livrosdabeta.blogspot.com.br

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...