Contextualização e Problematização nas obras clássicas da Literatura

| 06 abril 2017 | |
Por vezes me deparo com resenhas de livros clássicos em que volta e meia o leitor se depara com questões  racistas/homofóbicas/machistas e acabam se incomodando por encontrarem tais conteúdos na leitura... Mas é necessário fazer através de tais leituras, aparentemente descompromissadas, uma análise sobre estes fatores...

Tomando como exemplo algumas obras como As aventuras de Huckleberry Finn, de  Mark Twain, os títulos de Monteiro Lobato, os conceitos de supremacia racial em H. P. Lovecraft, podemos encontrar várias passagens de cunho preconceituoso - seja com indivíduos isolados ou grupos deles - devido a cor, condição social ou misoginia.

Outro ponto curioso que necessito ressaltar é que a cultura do país onde a história se passa e onde o autor[a] viveu podem vir a  influenciar na escrita... Alguns anos atrás vi num texto da faculdade que dizia que as obras refletem muito de quem escreve, de onde se passa a trama e de que país o texto tem origem... Posições políticas, questões sociais, ideologias são retratadas nas entrelinhas, quando não -são o foco principal das obras...

Sim, é revoltante encontrar frases que possam ter cunho racista, afinal estamos em pleno Século XXI e ler isso num clássico realmente é incômodo. E deve chocar, indignar. Esse é o ponto. Na época em que foram escritos, era algo considerado normal. Normal, não falei correto. Normal devido a que? Como tais pessoas eram tratadas na sociedade? Como eram os espaços públicos e privados aos quais eram submetidos? Encontrar o cerne destas questões na literatura pode ser uma analogia interessante para um professor de História trabalhar determinados conceitos em sala de aula, por exemplo. Usando a literatura de maneira eficaz e prazerosa, instigante, indo além do conceito de leituras obrigatórias que fazem adolescentes travarem com a leitura de clássicos...


Algumas pessoas defendem a ideia de modificar tais obras a fim de se ocultar tais trechos, mas acredito que isso seria uma decisão extrema e que iria prejudicar a construção da trama, bem como ignorar o fato de que tais temas precisam ser discutidos... Pense na 'restauração' da imagem abaixo. Ela pode ilustrar bem o que quero dizer... Faz-se necessário usar de bom senso e sabedoria para trabalhar os contextos de maneira que se  faça compreender e argumentar...


'Ah, mas descrições de racismo nos livros podem magoar algum leitor e talz'... Deixar de falar não é o melhor caminho. É preciso problematizar e se você souber usar a obra para desconstruir tais ideias, tanto melhor... 

Ruim seria se tal tipo de leitura não deixasse o leitor desconfortável. Tem que se incomodar mesmo. Frisando: O ponto é esse.




8 Comentários:

Maria Cecilia Says:
09 abril, 2017

Oii Maria Valéria!
Adorei o seu post, realmente me deparo muito com as questões citadas. Não sou muito de ler livros clássicos, apesar de eu nunca ter dado alguma chance. Gostei, gostei muito do seu ponto de vista, parabéns.
Abraços;**
http://FebredeLivro

Michele Lopez Says:
10 abril, 2017

Olá,
Adorei a postagem!
A meu ver, não deve ser feita tais mudanças nos clássicos pois creio ser uma forma de retratar a sociedade na época e até mesmo a cultura. Fazer isso seria apagar as raízes do autor por mais que sejam de cunho preconceituoso e desrespeitoso.

LEITURA DESCONTROLADA

Faby Souza Says:
11 abril, 2017

Olá, tudo bem?
Nossa que post incrivel, parabéns!
Acredito que as obras precisam sim ser mostradas como realmente são.
Se mostram problemas polemicos melhor.
Vivemos em uma sociedade onde tudo é banal o preconceito, a discriminação, a falta de respeito. Deve-se sim chamar a atenção para esses e tantos outros temas e deixar claro que não isso não é normal, isso precisa ser mudado.

Mia Sodré Says:
11 abril, 2017

Eu vivo dizendo isso: a gente deve criticar, sim, mas tentar compreender o conceito da época. Se fosse um autor atual cheio de racismo e misoginia, eu o criticamente muito arduamente. Mas, no contexto histórico em que ele está inserido, no caso de um clássico, se faz necessário ver o todo e entender que aquilo é errado, sim, mas que PRA ÉPOCA era o comum, o normal e aceitável. E que a obra não perde seu valor por conta disso. Afinal, muitos livros atuais também terão coisas inaceitáveis para os leitores futuros.

Muito válida a tua reflexão.

Catharina M. Says:
17 abril, 2017

Oie
muito legal seu post e o texto, gostei do tema abordado pois com certeza a problematização nas obras literaria é necessária, é uma ótima ideia até de promover debates

beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Blog Ensaiando Says:
17 abril, 2017

Se tem algo de bacana e de interessante nos clássicos é justamente isso: a possibilidade de pensar e de trazer para as obras atuais um conceito novo, pautado em reações e sentimentos-opiniões mais verdadeiras. Post muito legal! Acho que vou indicá-lo no Ensaiando. Beijos!

Carolina Gama

Cila - Leitora Voraz Says:
18 abril, 2017

Oi Maria, sua linda, tudo bem?
Eu sou da opinião de que não podemos alterar nenhuma obra já escrita. Pelo menos na minha escola, nós tínhamos uma linha do tempo, explicando cada contexto histórico, os representantes de cada movimento e exatamente o que você faliu, estudávamos o autor, para entender o que ele estava passando quando escreveu sua obra. Gostei muito do seu post.
beijinhos.
cila.
http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

Paac Rodrigues Says:
21 abril, 2017

O difícil é realmente isso, desconstruir =/

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...