12 Meses de Poe [Poema] - Sozinho

| 13 abril 2017 | |
"Não fui, na infância, como os outros
e nunca vi como outros viam.
Minhas paixões eu não podia
tirar de fonte igual à deles;
e era outra a origem da tristeza,
e era outro o canto, que acordava
o coração para a alegria.
Tudo o que amei, amei sozinho.
Assim, na minha infância, na alba
da tormentosa vida, ergueu-se,
no bem, no mal, de cada abismo,
a encadear-me, o meu mistério.
Veio dos rios, veio da fonte,
da rubra escarpa da montanha,
do sol, que todo me envolvia
em outonais clarões dourados;
e dos relâmpagos vermelhos
que o céu inteiro incendiavam;
e do trovão, da tempestade,
daquela nuvem que se alterava,
só, no amplo azul do céu puríssimo,
como um demônio, ante meus olhos."


10 Comentários:

Fabrica dos Convites Says:
16 abril, 2017

Oi Maria, que lindo este poema. Consegui sentir a solidão da infância, assim como de onde ele tirou sua força para viver, mesmo estando sozinho.
Bjs

Livros da Beta Says:
17 abril, 2017

Maria, que poema lindo!! Porém me deixou triste, com o coração apertado. A estranheza do diferente é algo que fascina e assusta... Poe... sempre Poe...s2

bjs
www.livrosdabeta.blogspot.com.br

Thayenne Carter Says:
18 abril, 2017

Olá,

Nunca li nada do autor, até tinha uma certa curiosidade, pois falam super bem dele, porém nenhuma obra de fato me chamou a atenção. "Tudo o que amei, amei sozinho." achei essa frase muito impactante e não sei porque, mas me identifiquei um pouco com ela.

Grazi Moraes Says:
18 abril, 2017

Oie ainda não tinha lido nada do autor até o momento, mas achei bem intenso esse texto, vou até procurar mais alguma coisa dele pra ler.

Sophia Merkauth Says:
19 abril, 2017

Ual! Que profundo! De Poe, conhecia os contos somente, mas amei conhecer os poemas e não tenho palavras para descrever, a não ser para dizer que ele é excepcional! Adorei o post!

carool santos. Says:
19 abril, 2017

Olá, tudo bem? QUe poema do Poe. Não conhecia, até porque não sou muito de ler poemas, mas gostei da profundidade que ele traz. E claro a reflexão que tem por trás.
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com.br

Gabrielly Marques Says:
22 abril, 2017

Oii Val, tudo bem? Eu li alguns contos do Poe (acho que foram 10) e gostei muito de alguns, e naaada de outros. Dos poemas dele esse é o primeiro que leio e gostei, mas não fui fisgada! Quem sabe outro funcione melhor... vou pesquisar.

Beijos!! Ah, seu blog está lindo demais!

Ju Says:
22 abril, 2017

Ai fico até triste de dizer isso mas tenho algum defeito de fábrica que não me permite sentir poemas do jeito que devem ser sentidos. :( Li três vezes, mas o texto não me disse nada, infelizmente. Mas Poe tem tantos admiradores, não duvido que seja muito bom.

Ludimila Silva Says:
22 abril, 2017

Oi!!

Muito bonito o poema. Gostei

Livros & Café Says:
23 abril, 2017

Oi.

Conheci o Poe através de um trabalho que tive que fazer na faculdade, e depois disso me interessei muito pelos contos dele. Mas ainda não consegui ler outros contos. Sempre aparece alguma outra coisa para ler e vou empurrando para depois os livros do autor.

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...