12 Meses de Poe - Eleonora

| 25 março 2017 | |







Eleonora é mais um conto lido por mim por causa do Desafio 12 Meses de Poe. Já tinha lido uns anos atrás, mas é sempre bom revisitar tais histórias...

Publicada em 1842, conta a história de dois primos, seguindo a narrativa do personagem que - mais uma vez, a alcunha é desconhecida do leitor - em que ele descreve o local onde vive com a jovem e a mãe dela, sua tia. E passam-se 15 anos vivendo ali, até que a paixão aflora de ambos os lados...

Porém, o destino se revela cruel quando percebe-se que Eleonora está doente e seus dias de formosura na Terra estão prestes a ser encurtados... Ela não teme a hora final, e o rapaz faz uma jura de amor, prometendo jamais envolver-se com alguém enquanto vivo... 

Algum tempo depois, o narrador resolve ir embora do Vale onde passou a infância, e chega numa estranha cidade... Lá, conhece uma mulher chamada Ermengarda e a promessa que tinha feito a sua prima está prestes a ser quebrada...

Eleonora é um conto que pode ser considerado 'feliz' e tem um quê de autobiográfico... Muitos consideram que Eleonora do conto seria sua prima e esposa, Virgínia, que após cinco anos enferma acabou falecendo...Talvez nesse ínterim, Poe nutrisse algum sentimento por outra mulher...

É possível encontrar certa poética mesclada aos tons de morbidez ao longo da história. Lirismo e toques sobrenaturais dão mais suspense à narrativa... Eleonora é um conto que traduz bem as promessas feitas na adolescência... efêmeras como o vento, embora quando feitas possam se mostrar eternas... 





5 Comentários:

Priscila Soares Says:
27 março, 2017

Olá! Nunca li nada do Poe, mas tenho visto tanta divulgação e elogios que, apesar de não fazer muito meu estilo de leitura, tenho curiosidade de ler alguma coisa dele. Esse conto em especial me chamou a atenção. Mesmo que pareça triste, já que o amor da adolescência do protagonista morre tão jovem, fiquei curiosa para saber o que acontece na história.
Beijos!

Gleyse Vieira Says:
29 março, 2017

Oi Val, eu gosto muito desse conto, acho a história muito criativa e dramática, sei lá. Fazia tempo que havia lido, e foi bom recordar por aqui. Bjs

Faby Souza Says:
29 março, 2017

Olá Val, tudo bem?
Eu amo o Poe e suas obras mesmo que as vezes elas me assustem um pouco. Li vários contos do Poe mas infelizmente esse não estava entre eles. Amei a sua resenha e por issi vou ler sim. Parabéns pelo projeto. É lindo

Lilian Farias Says:
30 março, 2017

Eu acredito que nos contos de Poe, mesmo os felizes, haverá morbidez, serão sombrios, eu gosto desse conto, mas não sabia que era autobiográfico.

Carolinavga Says:
30 março, 2017

Oi Val.
Ótima resenha.
A história do conto parece ser boa e esse ainda não tive oportunidade de conferir, mas fiquei curiosa e vou procurar encaixar a leitura dele na minha tbr.

Beijos
http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...