Minha inserção na poesia grega contemporânea: 60 poemas, de Konstantinos Kaváfis

| 16 dezembro 2016 | |
O que conheço da literatura grega são algumas peças de teatro, tragédias e comédias, bem como obras de alguns pensadores/filósofos clássicos da Antiguidade... Recentemente, adentrei o universo da poesia grega escrita por Konstantinos Kaváfis, poeta nascido em 1863. O livro 60 poemas, selecionados e traduzidos por Trajano Vieira, foi uma bela surpresa digna de algumas horas de contemplação numa linda edição bilíngue publicada pelo Ateliê Editorial...

Kaváfis nos apresenta personagens 'outsiders', marginais que se encontram deslocados no lugar-comum. Surge em primeiro plano a busca pelas suas identidades, já que permanecem perdidos num mar de multiculturalidade. Sua poesia tem um quê de fantasmagórica e exótico - esse último simbolizado em seus personagens. Os cenários evocam o período clássico, ainda que em momento tardio. As figuras aqui esquecidas não passam de assombros de seu tempo, que nos visitam cobrando sua devida importância na história. 

Trata-se de um movimento cíclico de 'vir a tona e esquecimento', amparados por tons melancólicos durante suas tentativas de conseguir um 'lugar ao sol'. Entre alguns deles, nos deparamos com um perfumista morto antes de realizar seu sonho, um rapaz ambicioso da efígie da moeda, um efebo astuto que desdenha a derrota sofrida na corrida de carruagens, entre outros...

Um fator peculiar presente em todos os protagonistas da poesia de Kaváfis é a indiferença que demonstram ao falharem em seus objetivos. Tal desdem deve provir de traços aristocratas decadentes que as figuras - sem forçar - demonstram ter, mesmo diante da morte. São munidos ainda de cinismo, enfado, sensualismo e melancolia, compondo um retrato fascinante na construção de suas personalidades...

"A mesmice mensal do mês.
Presumir o porvir não requer talento:
o torpor engravida a véspera,
E, vazio de amanhã, amanhece."
Tediário

"Não me retive. Abri-me inteiro e fui.
À voluptuosidade, real às vezes,
concretizada Às vezes em meu cérebro,
fui, no luzidio pleno de uma noite.
Goles de vinho encorpados,como sói ser
com quem desteme o prazeroso."
Fui.

11 Comentários:

Dayhara Martins Says:
19 dezembro, 2016

Eu não conhecia o autor e fiquei encantada, é muito sentimento em poucas linhas e uma subjetividade surreal, é fantástica essa identificação imediata, com certeza vou procurar saber mais sobre ele e seus outros poemas.

Jessica Santos Says:
20 dezembro, 2016

Oi Maria,
Muito legal a sua iniciativa de ler algo tão fora do convencional atualmente. Infelizmente não me sinto a vontade para ler poesias, por isso vou deixar a dica passar. Gosto bastante de mitologia grega e queria poder ler mais sobre o assunto.
Beijos
Blog Relicário de Papel

Entre Livros e Amores Says:
21 dezembro, 2016

Olá ♥

Que bacana esse post, não tenho conhecimento nenhum nessa area Grega. E algo meio distante daquilo que eu tenho costume de ler, mas é sempre bom conhecermos coisas novas e dar chances, até mesmo para sair um pouco da nossa zona de conforto. Fiquei interessada no livro♥
beijos

Bruna Costabeber Says:
21 dezembro, 2016

Olá!
Adoro ler coisas que me afastam da minha zona de conforto. E poesias me afastam, pois é algo que não tenho o costume de ler.
Gostei muito das poesias que você apresentou e acho que a obra é muito interessante. Vou anotar a dica para mim e indicar para uma amiga viciada em poesia.
Beijos,
Um Oceano de Histórias

Fabrica dos Convites Says:
23 dezembro, 2016

Não tenho lido muito poemas ultimamente por falta de oportunidade. Não conheço o autor ainda, mas este me pareceu bom, vale a pena a dar uma chance.
Bjs

Raquel Cavasini Says:
23 dezembro, 2016

Olá Maria, eu sempre gostei da cultura graga, desde sempre sou fascinada por mitologia, mas não conheço muito de poesia, adorei o post falando sobre a obra de Kaváfis. Ótima dica!

Abraços

Giovana Soares Says:
26 dezembro, 2016

Oii, tudo bem?
Eu confesso que não sei quase nada de poesia, e as poucas coisas que li eram de escritores nacionais, mas achei bem legal esse post que fez, me deixou bem curiosa a respeito do livro, com certeza irei adquiri-lo.

Amanda Mello Says:
26 dezembro, 2016

Olá! ^^
Conheço muito pouco da poesia grega e para ser sincera faz muito tempo que não leio poesia... Acredito que seja sempre bom voltar a ler gêneros que não lemos mais e que esse seja uma ótima pedida para a minha pessoa. Obrigada pela dica! :)

Grazi Moraes Says:
27 dezembro, 2016

Olá amore
Pra quem curte é uma temática e tanta, mas pra mim nesse momento é algo que não rola amore, se é que me entende.
Parabéns pelo post e pela maneira que coloca seu ponto de vista!
Beijokas!
www.facesdeumacapa.com.br

Catharina M. Says:
28 dezembro, 2016

Oie
uau que post hein haha parabéns pois imagino que é bem complicado esse gênero, leio super pouco mas gostaria de ler mais, parabéns mesmo

beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Kétrin Galvagni Says:
02 janeiro, 2017

Oi, tudo bem?
Infelizmente o livro não chamou minha atenção, talvez por ser poemas e eu não gosto muito do gênero, mas fico feliz em ver que você gostou. Acredito que para quem gosta, é uma boa pedida!

Beijos

http://www.oteoremadaleitura.com/

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...