Morte e Vida Severina, uma das obras mais ilustres da Poesia pernambucana...

| 15 novembro 2016 | |



"O meu nome é Severino,
não tenho outro de pia.
Como há muitos Severinos,
que é santo de romaria,
deram então de me chamar
Severino de Maria;
como há muitos Severinos
com mães chamadas Maria,
fiquei sendo o da Maria
do finado Zacarias."




Eis que dessa maneira dá-se início a saga de Severino, um retirante que vai narrar a trajetória de sua labuta pela terra pernambucana na poesia de João Cabral de Melo Neto, na obra intitulada Morte e Vida Severina, escrita em 1956 e publicada recentemente numa edição especial para comemorar 60 anos da primeira edição, pelo Selo Alfaguara da Editora Companhia das Letras...

Severino é o símbolo de tantos Severinos filhos de Marias e Zacarias, que desde cedo sentem os rigores de viver numa terra inóspita, de perambular em meio a terra seca lutando por um pedaço de pão. Severino retirante narra a vida  difícil, de gente humilde que cruza seu caminho e que espera a morte chegar mais cedo, por falta de oportunidades na vida...

"Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina: [...]
a de tentar despertar
terra sempre mais extinta,
a de querer arrancar
algum roçado da cinza."

Da caatinga do Sertão ao rio Capibaribe que deságua no litoral, Severino passa por vários lugares, e se depara quase sempre com o assombro da morte, reclamando os seus de volta ao pó da Terra... Ela ronda os que tem fome e sede, mas principalmente, aqueles que lutam pra defender seu pedaço de terra rachada...

" - Dize que levas somente
coisas de não:
fome, sede, privação."

A obra contem  uma crítica social profunda à situação do homem do nordeste, que sofre por  perder seu lugar de origem para a modernidade das usinas, para o latifundiário ambicioso e para o sol escaldante que torna difícil a lavoura vingar...  No período da ditadura militar, a obra chegou a ser proibida, bem como a peça que havia sido adaptada. Na poesia de João Cabral, havia um grito lamentoso de que o país não estava às mil maravilhas, como os militares faziam o mundo acreditar... 

Morte e Vida Severina certamente é uma das obras mais ricas da cultura pernambucana, que deve ser lida por todos. Uma história atemporal, que - escrita há tantos anos - não deixa de soar contemporânea aos tempos em que vivemos... Uma obra-prima. Morte e Vida. Vida Severina...


12 Comentários:

Cláudio Says:
16 novembro, 2016

Uma das minhas obras preferidas de um dos meus poetas preferidos.Também adorei "O cão sem plumas"...Bela resenha,Val!

Thaísa Tavares Says:
17 novembro, 2016

Oie Maria tudo bem? Definitivamente não faz meu tipo de leitura, masss de qualquer forma valeu a dica. Você tem um gosto ótimo!

Danielle Rodrigues Casquet de Melo Says:
17 novembro, 2016

Valeira, recordar é viver, fiz um trabalho sobre esse livro em literatura, e me marcou por que foi onde tirei a nota mais baixa acredita. Tive que ler esse livro de novo para fazer um novo trabalho onde tínhamos que definir esse livro. Show! Bjkas

Alice Aguiar Says:
17 novembro, 2016

oi ^^
eu adoro obras que com criticas sociais, mas não sou muito fã de poesia. na verdade as vezes até me irrito lendo, não importa quão bom seja kkk não é muito meu estilo
mas, achei bem legal.

Francine Porfirio Says:
17 novembro, 2016

Eis um clássico que preciso colocar na minha enorme lista de livros ainda não lidos, mas que não posso deixar de conhecer antes de morrer (rs). Adorei sua resenha, pois revelou a importância social desse enredo tão marcante. Quem nunca leu tal famosa poesia? É preciso enriquecer nosso ponto de vista lendo a obra completa sobre Morte e Vida Severina.

Beijos!
www.myqueenside.com.br

Michele Lopez Says:
18 novembro, 2016

Olá,
Tive o prazer de ler a obra a muito tempo atrás antes de prestar vestibular e concordo que não deixa de ser contemporânea retratando a realidade de muitos ainda.
Não sou muito fã de poesia, mas com certeza é uma obra que todos devem ler.

https://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

Gustavo Mendes Says:
18 novembro, 2016

Oi!
Gostei da ideia de um livro com a cultura pernambucana. Até fiquei com vontade de ler.

Beijos
http://www.mundoinvertido.com/

Tatiana Castro Says:
18 novembro, 2016

Oi, Maria!
Infelizmente esses é um dos clássicos da nossa literatura que os leitores se afastam por ser "livro de vestibular", o que é uma pena. Exatamente por ser um clássico que cada vez está mais atual. Parece que o Brasil ainda não saiu da época descrita pelo poeta.

Beijos!
Gatita&Cia.

Débora Costa Says:
21 novembro, 2016

Eu achei o livro interessante, mas não é um clássico que me atrai muito. Não que eu não vá ler. Só não é minha leitura para o momento.

http://laoliphant.com.br/

Garotos Perdidos Says:
21 novembro, 2016

Oi Maria,
Uma obra prima da nossa literatura que infelizmente muitos não leem por preconceito. Acham que é um livro chato e de difícil leitura. Não é!
Lí há bastante tempo e talvez releia com este relançamento.
Beijos,
André, do Garotos Perdidos

Gabriel Lucas Says:
24 novembro, 2016

Ainda não conhecia a obra, mas achei interessante o conteúdo, fiquei curioso para ler.

bruna lombardi Says:
25 novembro, 2016

Oie,
Se eu visse na biblioteca da escola, de primeira já ia rejeitar a leitura, mas agora que sei do que se trata, até daria uma chance. Confesso que não me senti totalmente interessada pela obra, mas parece ser muito informativo e informação nunca é demais.

Beijos
Bru, Cantinho da Bruna

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...