Noite na Taverna

| 17 setembro 2016 | |

Nascido em 12 de setembro de 1831, Manuel Antônio Álvares de Azevedo teve uma vida precoce, falecendo com vinte e um anos incompletos. Sua obra foi publicada postumamente e é sobre uma delas que venho trazer a vocês hoje... Trata-se do livro Noite Na Taverna.

Dividido em sete partes, a obra já no início nos faz adentrar numa taverna, cenário onde são contadas as loucuras bizarras de alguns homens embriagados pelo vinho, reunidos numa mesa: Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann. Suas histórias, embora separadas mostram-se ligadas de alguma maneira... Isso fica em evidência nos dois últimos contos da narrativa...

Alguns elementos visíveis nas histórias contadas por esses jovens são a melancolia, morte, morbidez  e sexualidade inflamada, bem como amores proibidos ou 'mau vistos'... A bizarrice envolve temas como canibalismo, incesto e até necrofilia, contadas em detalhes e com uma linguagem poética e surreal, típicas da fase romântica da literatura do século XIX, além de sutis influências dos escritos de Lord Byron e Alfred de Musset... Idealização e subjetivismo permeiam o cenário...

Num universo boêmio, o pessimismo dá vida aos personagens e suas aventuras mórbidas... Numa delas, o encontro com uma mulher em Roma. Um ano depois, após uma orgia e bebedeira Selfieri caminha pelas ruas escuras, encontrando uma mulher que sofre de catalepsia. Ele a carrega até sua casa mas ela acaba morrendo. Ele diz a seus companheiros na taverna que sepultou a  mulher embaixo de sua cama... Bertram conta sobre a espanhola que o pôs em perdição. Ela mantém um caso com ele e num ato insano, põe fim a vida de duas pessoas. Logo se vê enredado em outro acontecimento funesto, em que precisa comer cadáveres para não morrer de fome no mar, após um naufrágio... 

Gennaro fala sobre duas mulheres da mesma família que fizeram parte de sua vida. A morte mais uma vez brinda os ouvintes com o desfecho dessa aventura... Claudius Hermann, em sua obsessão, trancafia uma senhora duquesa, jurando amá-la. Mas o destino tem outros planos para ambos... Por fim, Johann narra sua aventura, um duelo, uma carta com um endereço, uma tórrida relação sexual e uma tragédia [dupla] em família...

O 'mal do século' é caracterizado pela devassidão vivenciada pelos personagens de Noite na Taverna. São homens bêbados e sem pudores. Suas tragédias são envoltas em luxúria e cadáveres. A linguagem é brutal, mas não mais chocante que os temas abordados no livro. Sem sombra de dúvidas, uma das obras mais marcantes da literatura clássica brasileira, e que dão fortes indícios da vida breve porém conturbada do autor, que faleceu devido a complicações de uma cirurgia após uma queda de cavalo, decorrente do tratamento contra a tuberculose que habitava em seus pulmões...

Noite na Taverna trata-se do macabro e melancólico reunidos numa só obra. Perturbador, com o destaque que poucos conseguiram no gênero...

9 Comentários:

Lilian Farias Says:
18 setembro, 2016

Eu amo alvares de Azevedo, li muito de seus textos no ensino médio, lia e relia numa felicidade. Sua postagem me fez rememorar coisas boas. Já li Noite Na Taverna, há muito tempo e não recordava. Cacete, quantas lembranças maravilhosas estão me vindo agora <3

Morgana Brunner Says:
21 setembro, 2016

Oiii Maria, tudo bem?
Primeira resenha que leio deste livro e fiquei encantada, ele está entre os que serão obrigatórios a ler para a aula e com toda certeza irei amar ja <3
Beijinhos

Marcia Lopes Says:
21 setembro, 2016






OLá, li esse livro na escola pra fazer prove, mas gostei muito. Além de tudo que citou a Tuberculose também asssombrava, pois aina não havia cura, morria-se dela.
Amei sua resenha.
Bjs

Aline Furtado Says:
21 setembro, 2016

Olá!
Apesar de ter ouvido falar muito da obra, ainda não li, mas tenho muita curiosidade.
Acredito que seja uma obra densa e chocante pelos temas e pela forma como são abordados.
Ótima resenha!
Beijos.

Li
literalizandosonhos.blogspot.com.br

Karine Fernandes Says:
23 setembro, 2016

Confesso que não sou de clássicos, li muito no ensino médio porém para trabalhos da escola nao por querer. Mas gostei bastante da sua resenha, gostei de como elaborou tudo. Parabéns.

Beijos.

Gislaine Oliveira Says:
23 setembro, 2016

Olá, tudo bem?
Nunca li nada do autor, não que eu lembre pelo menos.
Fiquei em dúvidas se leria esse livro ou não.
Ele chamou minha atenção, mas ao mesmo tempo me causou repulsa. Mas acho que vou adicionar ele na lista de possíveis leituras.
E o autor teve uma vida curta mesmo ;(
Beijooos
http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

Catharina M. Says:
23 setembro, 2016

Oie
muito legal parece ser o livro, eu gosto desse tipo de gênero então adorei a dica, quem sabe uma hora eu arrisque

Beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Rodrigo Costa Says:
24 setembro, 2016

Sinceramente não conhecia a obra e confesso que achei bastante interessante. Temas não convencionais tratados numa época tão "conservadora". Ótima resenha.
Abraços;

http://estantelivrainos.blogspot.com.br

Roberta Gouvêa Says:
25 setembro, 2016

Oi, Val. Td bem?
Ainda não conhecia a obra e confesso que fiquei bem interessada até ver que tem canibalismo, incesto e necrofilia nela. Não sou uma pessoa que lida bem com esse tipo de enredo :( Beijos <3

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...