As Letras do Amor, de Paula Ottoni

| 04 setembro 2016 | |

Eis que trago a vocês as impressões que tive do livro As letras do Amor, da autora Paula Ottoni, e que foi lançado recentemente pelo selo Novas Páginas da editora parceira Novo Conceito. Como podem ver pela bela capa, trata-se de um romance ambientado em Roma, capital Italiana... Não sou muito dada ao gênero mas a ambientação certamente contribuiu para que eu solicitasse o livro, e por ser tão curto [apenas 224 páginas], pensei que seria uma leitura leve e interessante...

Leve até foi, mas infelizmente não passou disso. Logo nos primeiros capítulos percebi que a escrita de Paula me incomodava em alguns momentos... O enredo soou previsível demais, e mesmo sendo um livro de literatura juvenil, acredito que ficou aquém dessa proposta... Acredito até que o gênero juvenil já foi mais caprichado, em meus tempos de juventude... O livro parece uma metralhadora de clichês, amontoados em situações forçosas e com uma escrita que beira o simplório. Não tenho nada contra triângulos amorosos, até gosto deles, mas quando bem explorados, o que - a meu ver - não se aplicou aqui. 

O enredo trata de uma garota chamada Bianca, que por ter nacionalidade italiana se muda com o então namorado para viver seis meses em Roma, no apartamento de um amigo de Miguel, Enzo. O namoro ia bem, mas conviver com alguém que - devido ao negócio que seu pai rico lhe incumbiu de administrar na cidade, a fim de tomar seu próprio negócio quando voltasse ao Brasil - não lhe dava atenção, Bianca se sentiu deslocada. Mesmo nas tentativas de sair e socializar com os amigos dos dois, ela ainda não se sentia a vontade no relacionamento, além de certas investidas que Miguel dava nela, a fim de que chegassem logo aos 'finalmentes' na relação. Mesmo quando eles consumaram o ato, Miguel quase nunca dispendia tempo para a namorada e logo ela começa a arrumar empregos temporários a fim de não depender unicamente dele, e Enzo lhe dava todo o suporte que Miguel não dava... Por ai se premedita o que vai ocorrer...

Não é algo que aconteça imediatamente mas Bianca se segura em suas convenções para não abalar o relacionamento com Miguel, nem que a amizade de ambos se desmanche por causa dela... E ao longo da narrativa [na primeira pessoa de Bianca], acompanhamos o conflito da protagonista em reprimir seus sentimentos com relação a Enzo, e percebemos que o rapaz vivencia o mesmo conflito... O cenário romantiza os passeios e os momentos de ambos tentando fugir de seus sentimentos, e o clichê povoa esses capítulos... 

Alguns pontos me irritaram, soando como reprodução de elementos conservadores, como "honra de conceder a virgindade" e "ela é bonita, mas carrega na maquiagem", não ajudam a desconstruir certos [pre]conceitos sobre a liberdade sexual da mulher. Ainda mais pelo fato da protagonista ser maior de idade. É tudo demais romantizado, como histórias de princesas esperando o homem perfeito [na história sendo representados pela  figura de Enzo, que chega a ser tão perfeito que dá nos nervos. Não existem homens sem defeitos.]... 

A história ruma para um desfecho previsível e que não me causou emoção alguma. Temos a presença de alguns personagens secundários, como a amiga brasileira de Bianca, Mari, e Catherine, uma francesa que ela conhece num curso de italiano e vira sua companhia feminina durante a estadia em Roma, bem como a família de Enzo, seus amigos de banda [sim, ele toca numa banda...], amigos de Miguel e a família de Bianca que passava por um período difícil, mas que ao fim do livro ficam todos bem e felizes... 

Com relação a diagramação, a editora fez um grande trabalho. O que me agradou bastante no início dos capítulos foram seleções de música numa playlist, em que a maioria das escolhas são de meu gosto, embora um outra eu não escute... As folhas são amareladas e não atrapalham a leitura, e os capítulos são curtos, não tornando a leitura cansativa... Pra mim, não funcionou, mas para quem não tem problema com clichês e contos de fada modernos com final feliz, vai agradar em cheio...

6 Comentários:

thaila oliveira Says:
04 setembro, 2016

a capa é bem romântica e pelo visto toda a proposta é... eu gosto desses enredos, mas realmente não sei se leria por agora
http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

Morgana Brunner Says:
05 setembro, 2016

Oiii Val, cmo vai?
Eu to bem louquinha para realizar a leitura desse livro referente a sinopse que me atraiu, fiquei triste em saber que a escrita da autora não lhe agradou muito, mas mesmo assim quero ler.
Beijinhos

Yohana Sanfer Says:
05 setembro, 2016

Olá! Gostei das suas observações quanto à desconstrução de padrões. Em geral, acredito que cada leitor sinta o livro de uma forma diferente e há aqueles que ficam felizes com histórias românticas. Comemoro pela literatura nacional, que cresce a cada ano! ;)
Bjs

Gabriela Cerqueira Says:
06 setembro, 2016

Olá, tinha ficado interessada no livro quando ele saiu nos lançamentos da editora por envolve letras no nome,já que faço letras achei fofinho KKK, mas pelo visto ele é o tipo de livro que eu não gosto, clichê + triângulo amoroso são as coisas que mais odeio em livros, e ainda mais sobre o fato do livro ter uma carga machista me fez perder a vontade de fazer a leitura,

Livros & Tal Says:
07 setembro, 2016

Oie!!
A capa desse livro é fantástica, pena que não tenha gostado muito para você por causa da escrita da autora. Eu tenho uma certa dificuldade em ler livros mais juvenis, e essa história no momento não me chamou a atenção.

beijos
Mayara
Livros & Tal

Dayane Reis Says:
09 setembro, 2016

Olá;. Não conhecia o livro. A capa é bem bonita. O livro não me atraiu muito, eu adoro romance, e por mais que seja um romance clichê tem que ser bem construído. E pela sua resenha, que gostei bastante, apresenta que o livro não foi muito legal e isso só me fez ter mais desinteresse pelo livro. Beijos'

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...