Destino: Poesia

| 14 agosto 2016 | |
Ao receber a visita do carteiro me trazendo alguns títulos da Editora Record, não resisti a beleza do livro Destino: Poesia e devorei seu conteúdo pelas duas horas seguintes, em que - compenetrada -  me entreguei a sua apreciação... 

Organizado por Italo Moriconi, trata-se de uma coletânea de grandes poemas dos grandes nomes da poesia marginal - ou Geração Mimiógrafo - que produziu um grande tesouro na década de 1970 para a literatura nacional... Em meio a censura da ditadura militar, esses versos serviam, muitas vezes, como resistência ao movimento cultural do país naqueles anos de chumbo... 


Ana Cristina César, Cacaso, Paulo Leminski, Torquato Neto e Waly Salomão ilustram as 160 páginas de Destino: Poesia com o melhor de suas obras. Os anos 70 foram tempos de contracultura e comportamento transgressor, por vezes chamado marginal. As convenções sociais e instituições religiosas eram afrontadas por jovens 'a frente de seu tempo'. Poetas que surgiram nesse período, confeccionavam seus livros de forma artesanal e vendiam de porta em porta, nos teatros, bares e ruas. Onde os encontros e interações sociais ocorriam. Os cinco poetas reunidos nesse livro estão mortos, dois deles tiraram a própria vida, no auge de suas produções literárias. Viveram e queimaram intensamente: um sonho utópico e afrontador por meio de suas composições estético-literárias. 

Torquato Neto foi um anjo maldito suicida que marcou a década de 1970. Ana Cristina - ou Ana C. para os mais íntimos de sua obra - se joga do apartamento em que morava com os pais no início da década de 80. Morto o corpo, sua poesia vive. E serve de influência/referência para poetas mulheres de nossa geração... Salomão foi o último da lista a falecer. Paulo Leminski nos deixou em 1989. Antônio Carlos, o Cacaso - partiu dois anos antes do curitibano Leminski. Mas seus versos foram imortalizados, e nos chegam em fragmentos por meio dessa antologia publicada pela José Olympio Editora. 

A poesia lírica de Ana C. et all compilada aqui é capaz de encantar o leitor habituado aos versos e também aos iniciantes. Basta ter sensibilidade ao toque invisível das palavras tão intensamente entremeadas, cadenciadas e viscerais. Acidez, ironia e desencanto se mesclam nas linhas escritas. Um paraíso de versos que venceram o tempo...

"A poesia não - telegráfica - ocasional -
me deixe sola - solta -
à mercê do impossível -
- do real."Ana C.

"Minha pátria é minha infância:
Por isso vivo no exílio."
Cacaso.

"morreu o periquito
a gaiola vazia
esconde um grito."
Leminski.

"eu sou como eu sou
pronome
pessoal intransferível
do homem que iniciei
na medida do impossível."
Torquato Neto.

"Entra mar adentro
Deixa o marulho das ondas lhe envolver
Até apagar o blá-blá-blá humano.
Maré que puxa com força, hoje. É a luz cheia, talvez..
As retinas correm a cadeia de montanhas que circunda a praia."
Waly Salomão.


19 Comentários:

Danielle Rodrigues Casquet de Melo Says:
15 agosto, 2016

Valéria, que livro mais lindo eu amo poesia, mas passei batido nesse livro, mas sua resenha deu para ter uma noção de como os autores tem um modo particular, o meu preferido foi "Minha pátria é minha infância:
Por isso vivo no exílio."
Cacaso. que citou no quote acima. Bjkas

Karine Fernandes Says:
15 agosto, 2016

Nossa você gostou mesmo do livro heim, duas horas?!
Infelizmente não e um tipo de leitura que eu gostei e me atraia, mas irei indicar a uma amiga que gosta muito.

Beijos

Isabela Castro Says:
15 agosto, 2016

Poesia não me atrai muito, até gosto de apreciá-la de vez em quando, mas não me vejo lendo um livro inteiro em duas horas. De qualquer forma, gostei dos quotes que você escolheu.
Beijos,
Sigolendo.com.br

Gleyse Vieira Says:
15 agosto, 2016

Oi Val, que legal esse livro reunindo poesias sobre um período tão obscuro, o qual poderíamos pensar que não seria um terreno fértil para esse gênero literário. Já imagino as abordagens dos escritores... Leminski... adoro!!!!! Bjs

Kris Oliveira - Conversas de Alcova Says:
16 agosto, 2016

Oi Val, esse eu não conhecia e fiquei maravilhada.
Quero muito poder fazer a leitura, parece ser encantadora e gratificante, além da forte carga humana presente na obra.
Já foi pros desejados.
Beijos

Marijleite Says:
17 agosto, 2016

Olá, é uma obra super interessante especialmente pela época em que foi escrita; ainda não li nada de nenhum dos autores, mas sei o quanto um deles (Leminski) é admirado.

Suzzy Chiu Says:
17 agosto, 2016

Olá, tudo bem?
Eu nao lembro de ter lido sobre a obr, mas vejo que nao é mto do meu gosto literario.
Entretanto, gostei de conhecer e a capa está linda, chama bem a atenção.
Beijos!

Livros e Sushi • Facebook InstagramTwitter

Morgana Brunner Says:
17 agosto, 2016

Oiii Val, como vai?
Eu pouco conheço deste livro que tu trouxeste e até então confesso que me interessei só pelo título, sou louca por poesias e confesso que esse cairia super bem no momento que estou passando, fico feliz que tenha gostado e quero muito ter a oportunidade de ler.
Beijinhos

Leituras Compartilhadas Says:
17 agosto, 2016

Somente poetas de peso, já estou apaixonada por esse livro. Gosto muito da poesia marginal, e Paulo Leminski e Ana Cristina Cesar são os meus queridinhos. Quero esse livro para ontem.

Tatiana

Michele Lopez Says:
18 agosto, 2016

Olá,
Não gosto muito de ler poesia, talvez por não conseguir alcançar a profundidade das palavras escritas.
Mas sempre sou meio curiosa com coisas relacionadas à ditadura, em como eles conseguiam burlar as regras e fazerem seus protestos.
Talvez vou procurar para ler.

http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

Ana Gabriela Says:
18 agosto, 2016

Parece um livro lindo, mas acabei não o pedindo na news. Apesar de amar poesia vou deixar esse pra depois.
www.belapsicose.com

carool santos. Says:
18 agosto, 2016

Que bacana essa capa. Realmente chama a atenção! Pena que é sobre poesias e eu ainda tenho um "pé" atrás com esse tipo de literatura. Confesso que não me sinto ainda preparada. Deixo para depois <3
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com

Catharina M. Says:
18 agosto, 2016

Oiiie
Que interessante e diferente parece ser o livro, fiquei bem curiosa e espero poder conhecer melhor qualquer dia, muito boa a dica

Beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Gabriel Ribeiro Says:
18 agosto, 2016

Oii,
Eu raramente raramente leio algum livro de poesia, mas estou até vendo que os próximos assuntos da aula de literatura vai ser poesia, já vou falar para minha professora desse livro.

Abraços!
http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

Déborah Says:
18 agosto, 2016

Valéria, conhecia esses autores na época da faculdade e gostei muito do tipo de poesia que eles criaram.
Não sabia da existência desse livro, fiquei bem curiosa para lê-lo.

Lê Lendo Lido Says:
18 agosto, 2016

Oiii
Poesia marginal, que legal!
Não leio muitos poemas, apesar de gostar do Leminski.
parece ser um ótimo livro para quem gosta do gênero!
Bjus

Debyh Says:
27 agosto, 2016

Olá,
Não entendo quase nada de poesia, mas pelos trechos que você separou gostei muito da de Cacaso.

http://euinsisto.com.br

Paac Rodrigues Says:
27 agosto, 2016

eai mulher o/
eu não conhecia a obra, conheço por nome alguns dos autores mas nunca li nada deles

Kris Oliveira - Conversas de Alcova Says:
27 agosto, 2016

Oi Val,
Essa obra eu não conhecia, mas só essa capa instiga a leitura, pois é linda

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...