Gon desce o rio - Masashi Tanaka

| 15 junho 2016 | |
Gon desce o rio é um mangá de autoria de Masashi Tanaka e uma de suas principais características - além de um dinossauro filhote como protagonista - é o fato do quadrinho não possuir balões de fala. A princípio, você pode se perguntar como uma história se mantém sem diálogos, mas a resposta está na incrível expressividade encontrada nos personagens desenhados. Quem curte o universo dos quadrinhos japoneses sabe o quão impactantes são os olhos nesse estilo de desenho, muitas vezes tornando desnecessários qualquer fala para compreensão da trama...



Dividido em quatro capítulos, Gon se encontra com vários animais na floresta, ao descer a correnteza de um rio, ser quase devorado por piranhas ou até mesmo 'passear' no lombo de botos cor-de-rosa. Apesar de simpático, o pequeno dinossauro pode manter um olhar feroz a fim de espantar seus opositores, e é dessa forma que ele defende filhotes de várias espécies contra os ataques de um lobo - que na verdade só queria mesmo alimentar os seus...

É impressionante o trabalho gráfico de Gon, as ilustrações são um show visual e explicam bem o porquê dos balões de fala serem dispensáveis nesse tipo de história. Alguns podem achar mais fácil e rápida uma leitura visual, mas acredito que pelo fato de as imagens contarem a história, é necessária maior atenção por parte do leitor para deleitar-se com as nuances em tons de cinza que compõem a obra...


O mangaká Musashi recebeu o prêmio Eisner pela série Gon nas categorias de melhor publicação para público jovem e obras de humor, é considerado um grande artista em seu meio e é detentor dos prêmios Osamu Tezuka em 1998 e Tetsuya Chiba em 1985. Os cenários que ambientam o cotidiano de Gon não se prendem a um local em específico, nem a épocas.  É possível encontrar o pequeno dino na selva africana ou na floresta amazônica. 

Em suma, é uma 'leitura' divertida e graciosa, ideal para curar ressacas literárias ou para encantar aqueles que tem apreço por natureza e seus animais... Aos mangakás, uma excelente aquisição para se ter na estante...

12 Comentários:

Morgana Brunner Says:
15 junho, 2016

Oiii Maria, tudo bem?
Eu me surpreendi diante dessa obra que tu trouxe dessa vez, achei um encanto em cada desenho e leria com toda certeza.
Beijinhos

Priscilla Beatriz Says:
16 junho, 2016

Oi Maria!
Nunca tinha ouvido falar desse mangá... e adorei conhecer!
Como gosto de animais e estou me aventurando no mundo dos mangás achei que foi uma dica bem relevante para o MEU momento rsrsrsrs. Adorei os traços de Masashi e com certeza vou procurar para ler... bjos

http://thehouseofstorie.blogspot.com.br

Danielle Rodrigues Says:
16 junho, 2016

Olá Valéria tudo bem, quando eu era mais nova eu lia muitos mangás, esse ainda não conhecia, e o que mais me chamou atenção foi o fato de não ter baloes de fala, e mesmo assim ele conseguir expressar a história. O poder que os desenhos tem de transmitir é incrível. Bjkas

Fabrica dos Convites Says:
16 junho, 2016

Não conhecia, mas também sou meio por hora do meio mangás. Achei a leitura uma graça, e deve mesmo curar ressacas e ajudar a passar o tempo com qualidade.
Bjs!

Leticia Golz Says:
17 junho, 2016

Oi, Maria
Realmente, pelas fotos, as ilustrações parecem estar maravilhosas.
Eu ainda nao conhecia o livro, mas apesar de gostar de quadrinhos, não curto muito mangás. Mas gostei da dica, quem sabe ainda me animo.

Milla Alkimim Says:
17 junho, 2016

Oi Maria Valéria!
Achei lindo o traço desse mangá e bem diferente o fato de não ter balões de fala, apesar disso, não é meu tipo preferido de leitura, então dessa vez dispenso a dica.
Bjos

http://paraisodasideas.blogspot.com.br/

Catrine Vieira Says:
18 junho, 2016

OOi :)

Não conhecia o livro, mas também não me interesso muito. Não curto mangás! :(
Para quem aprecia deve ser um boa.

Beijoos
http://estantemineira.blogspot.com.br/

Aline Coelho Says:
18 junho, 2016

Não conhecia esse livro porque não tenho o hábito de ler quadrinhos, HQs nem nada do estilo mas pelo que você escreveu percebi que seria uma experiência interessante. Esse recurso sem diálogos mas ilustrações bem expressivas onde o leitor precisa ficar atento para acompanhar a história desenvolvida pelas imagens me deixou curiosa. Penso que cada um tirará sua interpretação de acordo com seus conhecimentos e experiências, concordas!!???
Parabéns pela leitura e valeu pela dica.

Leituras, vida e paixões!!!

Gleyse Vieira Says:
18 junho, 2016

Oi Val, que bom que você inseriu imagens do mangá, pois realmente fiquei pensando como se daria a história sem falas. Vejo que os desenhos são bem expressivos mesmo e tenho certeza que é uma experiência nova e enriquecedora. Bjs

Leituras Compartilhadas Says:
19 junho, 2016

Achei fantástica a ideia de uma história que pode ser contada por ilustrações, somente com a expressividade dos personagens. Eu não conheço muito sobre mangás, mas já tem algum tempo que ando querendo ler os do meu sobrinho para saber um pouco mais sobre o gênero. o seu post me deixou com muita vontade de conhecer este mangá. Anotado.

Tatiana

Suzzy Chiu - Livros e Sushi Says:
21 junho, 2016

Oioi! Tudo bem?
Adoro um mangá e anime e nao conhecia esse do dinossauro.
Achei mtoooo interessante nao ter falas e tudo é falado pela expressao e pelo contexto.
Fiquei curiosa.
Otima resenha.
Beijos

Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

Raquel Cavasini Says:
22 junho, 2016

Oi Maria, não conhecia esse mangá e já fiquei curiosa. A capa me lembrou 'Em busca do vale encantado', ai que nostalgia...kkkkk

Abraços

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...