Caçando Che...

| 28 junho 2016 | |
Cá estou eu para falar de impressões acerca de alguma leitura, e a bola da vez é para o livro Caçando Che, escrito pelos jornalistas Mitch Weiss e Kevin Maurer. O livro é resultado de pesquisas e entrevistas feitas pelos dois autores sobre um dos eventos históricos mais controversos da história da América Latina contemporânea: a captura e assassinato de Ernesto 'Che' Guevara, bandido comunista para uns, herói revolucionário para outros, mas que independente de que lado você esteja, há de reconhecer que seu nome ascendeu na cultura pop...



Publicado recentemente pela Editora Record, Caçando Che é dividido em três partes. Na primeira delas a abordagem é maior sobre o processo de preparação dos militares - Rangers - responsáveis pela captura do guerrilheiro Che, que se refugiava em algum lugar perdido e desolado da Bolívia. Traz também uma lista de personagens - de ambos os lados - que tiveram participação importante no evento, bem como um mapa do país, marcando as principais cidades envolvidas no processo... 

Vários soldados foram pegos numa emboscada às margens de um rio, e o grupo de captores era formado por guerrilheiros do grupo de Che. Conhecemos um pouco do presidente boliviano, Barrientos, que via na figura de Che um inimigo que poderia colocar em xeque seu governo no país, que se encontrava em crise política... Após descobrirem pistas que forneciam o paradeiro do fugitivo, os militares americanos entram na empreitada, a fim de prenderem o anti-imperialista que já havia causado transtornos anteriormente na politica americana...

Entra em cena Gary Prado, responsável pelo treinamento do grupo intitulado Rangers, que seria responsável por capturar Che e seu bando... A luta americana era pela suposição de que o comunismo iria invadir toda a América do Sul a partir das fronteiras bolivianas, por isso apoiaram o presidente Barrientos para eliminar aquele 'mal' [algo não muito diferente do discurso americano de intervir em vários conflitos de países no Oriente Médio, por exemplo]. Alguns aliados a ideologia de Che são presos, e ai entramos na segunda parte, que dá um enfoque maior aos treinamentos dos soldados americanos aliados aos militares da Bolívia. 

Enquanto eles treinavam de um lado, o grupo de Che se dividia e passaram longas semanas sobrevivendo em território inóspito, volta e meia entrando em conflito com os caçadores e ocasionando corpos tombando crivados de balas... 

O presidente é a figura ambiciosa e sem escrúpulos, e que me rendeu doses de irritação ao longo da leitura... Tendo sido responsável por um massacre na véspera de São João, onde seus soldados abriram fogo contra mineiros que haviam protestado pedindo reajuste salarial. Não demonstrou remorsos pelo ato e ainda atribuiu a culpa aos próprios mineiros, que haviam - segundo ele - 'provocado' os soldados. 

Apesar dos recursos insuficientes e de preparo precoce, ele ainda apressava os Rangers para começarem a caçada, a fim de aumentar os índices de sua popularidade perante a nação descontente. Ele queria a cabeça de Che Guevara para salvar a sua própria... A parte final aborda a partir do momento em que Che é preso e levado a La Higuera. Os superiores são avisados por mensagem e logo começam os boatos de que o guerrilheiro já está morto, que foi capturado vivo mas morreu devido aos ferimentos, e o tempo se escoa para Che, mesmo tendo Rodriguez [que era da CIA] - incumbido de caçar Che junto com Prado tentando apelar por sua vida, pois durante o confinamento de Guevara, e durante as poucas conversas com o prisioneiro, ele acabou sentindo respeito pela figura que estava a sua frente, sem temer a morte que lhe era certa a qualquer momento... 

Provavelmente -  são conjecturas minhas - Félix Rodriguez conheceu um pouco do homem por trás da figura de Che e até o admirou por tudo aquilo. Anos depois, apesar da relutância em conceder a entrevista para falar novamente sobre o caso, ele fala sobre o personagem histórico com respeito ao comandante boliviano. Nos trechos finais, os autores discorrem sobre as noticias acerca da morte de Che Guevara, sobre o paradeiro de seu corpo, encontrado anos depois numa vala comum e anônima, sobre a fama de seu nome na Bolívia atual, do apoio e homenagem de Fidel Castro em Cuba, a seu amigo. Há também algumas fotografias de Che morto, e de alguns participantes de sua prisão... Traz alguns dados bibliográficos usados na elaboração do livro e conjecturas acerca da fama com moldes de capital que Che hoje inspira...

Em suma, é uma leitura para curiosos sobre o personagem histórico, não deixa clara a ideologia política dos autores, como a princípio tive a impressão que fosse e se compromete a registrar de maneira imparcial - acredito - os depoimentos das pessoas envolvidas no processo...

13 Comentários:

Karine Fernandes Says:
29 junho, 2016

E uma pena que esse tipo de leitura não me encha os olhos, pois esse livro parece ser ótimo.
Gostei muito de ver suas opiniões sobre o livro, posso não gostar mas quem sabe eu de uma chance não é?

Beijos.

Morgana Brunner Says:
29 junho, 2016

Oiii Maria, tudo bem
Fiquei completamente louca para realizar a leitura dessa obra, acho fantastica ainda mais por possuir toda uma história. Dica anotada!
Beijinhos

Cristina Deutsch Says:
29 junho, 2016

Oi, como vai?

Não conhecia o livro e confesso que não me desperta interesse, talvez pelo fato de eu já ter lido muito a respeito de Ernesto Guevara e Fidel castro, e como não simpatizo com nenhum dos dois, não consigo me ver lendo esse livro.

http://www.cristinadeutsch.org/
Saudações literárias.
Beijos no ♥

Nuccia De Cicco Says:
29 junho, 2016

Oi!
Achei a história bem interessante. O fato de ter uma boa base em pesquisa e de não ter uma ideologia política pré-definida, sem tendências, até me fez gostar mais do livro (quando há essa tendência política, a impressão que tenho é que o autor fica te empurrando a crer ou a aceitar o que ele diz/escreve). Dica anotada! ;)

Suzzy Chiu - Livros e Sushi Says:
29 junho, 2016

Oioi! Tudo bem?
Gosto mto de historias e fiquei tentada a pegar o livro Caçando Che.
Mas preferi deixar pra depois e bom que li aqui do que se trata.
Parece ser uma leitura interessante, bom pra saber mais da historia de uma figura tao popularizada e até mesmo entre os jovens que nao sabem nem quem foi Che.
Vou tentar ler ainda esse ano.
Beijos

Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

Danielle Rodrigues Says:
30 junho, 2016

Olá Valéria já falei uma vez pra ti que adoro os livros que vc lê e que foge um pouco da minha zona de conforto, mas esse livro especialmente não é o tipo de leitura que gosto, nunca me interessei na verdade. A resenha tá ótima, mas o livro vou deixar passar. Bjs

Cássia Maffei Says:
01 julho, 2016

Oi! Eu vi esse livro, mas acabei não lendo sobre o que era e tinha uma ideia bem errada. Parece super legal e é o tipo de leitura que importa muito pra ampliar nossos conhecimentos. Muito bom isso de ser neutra a opinião do autor! Vou deixar anotado aqui.

Bjs, Cass | www.livroseoutrascoisas.com.br

Mia Sodré Says:
01 julho, 2016

Bah, fiquei com vontade de ler esse livro! Não sou uma grande conhecedora do Che, mas estou trabalhando nisso. Na verdade, no quesito grandes figuras históricas, acabei me concentrando mais em Alexandre, o Grande e algumas rainhas europeias, mas já quero esse livro pra mim!

;*

Jéssica Melo Says:
01 julho, 2016

Olá, apesar de não estar lendo muito livros de reportagens esse me chamou a atenção pela figura e acontecimentos narrados e sem duvida me deixou curiosa *-* Vou anotar a dica e espero lê-lo.

Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

Larissa Fernandes Says:
03 julho, 2016

Olá, tudo bem?
Não sou muito ligada neste tipo de leitura, mas imagino como foi para estes dois jornalistas fazerem a pesquisa para adquirir a melhor informação para escrever este livro. Acho que eles entraram de cabeça na história para este livro.
Gostei muito da sua resenha!
Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

Seguindo o Coelho Branco Says:
03 julho, 2016

oi ^^
pow não gosto muito desse estilo de livro, mas uma vez ou outra dou uma lida pra saber um pouco mais sobre alguns assuntos.
isso de ser imparcial é ótimo pq geralmente quando vc lê algo sempre tem alguém tentando te empurrar goela abaixo alguma coisa pra te obrigar a gostar ou não de determinado assunto. Seguindo o Coelho Branco

Liziane Goulart Says:
08 julho, 2016

Oi!!
Eu sempre fui apaixonada por documentários, sou super curiosa em saber como as coisas aconteceram e tal e de uns tempos pra cá ando me interessando mais por leituras assim, esse livro está na minha lista de desejados.
Acredito que é uma leitura bastante envolvente e marcante.
Beijão!

Cila - Leitora Voraz Says:
14 julho, 2016

OI maria, sua linda, tudo bem?
Assim que lançou no cinema, faz muito tempo, Diários de Motocicleta, eu fui ver. Fala da de uma parte da vida dele, em que era jovem e em que ela ganha a consciência do outro, do próximo. É um filme lindíssimo, que nos inspira e saímos de lá admirando aquele jovem, que tinha uma família com condições financeiras e poderia ter tido um futuro bem diferente do que ele escolheu. Não sabia desse livro, mas com certeza quero ler. Sua resenha ficou ótima.
beijinhos.
cila.
http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...