Robert Mapplethorpe, 'o trabalho mais lindo de todos', segundo Patti Smith...

| 02 maio 2016 | |
É difícil para mim revisitar as páginas de um livro que me marcou profundamente. E volta e meia sinto saudade de algumas dores e devaneios e me transporto para terrenos já percorridos, mas em raros casos, eles me permitem sensações novas... 



Só garotos é uma dessas obras. Conta a trajetória de vida de Patti Smith, como criança, adolescente, artista, mulher apaixonada pela poesia e por ídolos de carne e osso, que em meio a tantas adversidades conseguiu brilhar no mundo artístico. Mas - ouso afirmar - ela não conseguiu isso sozinha... E em sua autobiografia, publicada pela Editora Companhia das Letras, ela nos conta sobre uma pessoa especial, uma 'estrelinha azul', da qual só lhe restou "um cacho de seu cabelo, um punhado de suas cinzas, uma caixa com suas cartas, um pandeiro de pele de cabra. E nas dobras do desbotado lenço roxo um colar, com duas placas roxas escritas em árabe, enfileirando suas conta prateadas e pretas que me deu o menino que amava Michelangelo."

Nos primeiros anos de sua infância em Chicago, Patti já almejava algo maior em sua vida. Não se contentaria com um emprego de fábrica e sua paixão por livros e o ímpeto de se rebelar contra as convenções religiosas e sociais fizeram com que ela saísse de sua cidade rumo à Nova York. Sozinha, apenas com uma passagem de ida na mão e poucos pertences, ela queria ganhar dinheiro com sua arte, seus poemas e desenhos. Mas lá chegando, as dificuldades a recepcionaram... 

Quando consegue um emprego de caixa numa lojinha, depois de ter passado fome e dormido ao relento, surge numa situação inusitada aquele que viria a ser seu salvador, um garoto de cabelos cacheados, pele clara e olhos verdes e sonhadores; esse garoto era Robert Mapplethorpe



Uma lealdade mútua nasceu entre ambos e ao longo de vários anos eles dividiram quartos, apartamentos, colchões velhos e moedinhas para o metrô... Viviam se presenteando com coisas simples, reaproveitadas do lixo, compradas em brechós e lojinhas de penhores e souvenires. Escreviam, pintavam, desenhavam, fotografavam... Conheceram artistas underground nas calçadas e clubes novaiorquinos, tais como Andy Warhol, Candy Darling, Janis Joplin, Jimi Hendrix e Jim Carrol. Viram amigos se picarem, se suicidarem, irem embora para não mais voltar... 

Um incentivava o trabalho do outro, e mesmo nos momentos de aperto, em que o que ganhavam mal dava para o aluguel, eles nunca perderam a esperança em dias melhores, nem a cumplicidade que os unia, como se fossem um só... 



Moraram por um tempo no Hotel Chelsea, ponto de encontro de várias personalidades do meio artístico dos anos 60 e 70. Nesse período, Robert já dava indícios de sua homossexualidade. E novos caminhos foram surgindo entre os dois, novos personagens vieram para mudar o rumo da relação, e embora eles tenham se afastado fisicamente, o amor foi mantido...


"Os dois haviam se entregado a outras pessoas. Hesitamos e perdemos todo mundo, mas encontramos um ao outro novamente. Queríamos, ao que parecia, o que já tínhamos antes, um amante amigo para criar junto, lado a lado. Ser leal, mas livre..." 

Foi na época em que tomaram rumos diferentes que Patti montou sua banda, e a capa de seu primeiro CD foi tirada por Robert. O disco é considerado um dos cem melhores álbuns da indústria musical, e um precursor do movimento punk. Segundo Patti, "Até hoje quando olho para essa foto, nunca me vejo. Vejo nós dois." 


Já debilitado por causa da AIDS, Robert se despede da vida, enquanto Patti teve que permanecer com a lembrança de sua morte [Isso não é spoiler, tem na própria contra-capa do livro]. O livro é um verdadeiro mergulho nas memórias de Patti Smith, contando sobre seu envolvimento com Mapplethorpe, numa trajetória cheia de lirismo e poesia pungente... E pela segunda vez, findar este livro me fez chorar. Virei a última página com aquela velha e conhecida secura no peito e o 'engolir em seco' na garganta...

"Patti, será que a arte nos entendeu?" [...] "Patti", disse ele, "estou morrendo. É muito doloroso."
Meu amor por ele não podia salvá-lo. Seu amor pela vida não podia salvá-lo. Foi a primeira vez que entendi de verdade que ele ia morrer. Vinha sofrendo um tormento físico que nenhum homem deveria sofrer. [...] Robert morrendo: criando silêncio. Eu, destinada a viver, ouvindo atentamente um silêncio que demoraria uma vida inteira para expressar."
O livro possui algumas fotografias do acervo do casal. Tocar estas páginas e mirar por algum tempo estas fotografias sempre me é dolorido... Me sinto até como parte de Robert e Patti. Devo ser a filha deles em alguma antiga vida passada, quem sabe... E seria grata à algum milagre da vida se pudesse encontrá-los um dia, em alguma esquina de uma melancólica Nova York... talvez um dia, quando for possível uma viagem no tempo...

"Pensei em dar uma olhada nas suas coisas e no seu trabalho e, passando por anos de trabalho na minha cabeça, vi que, de todos os seus trabalhos, você é ainda o mais bonito. O trabalho mais lindo de todos.
Patti."

17 Comentários:

Karine Fernandes Says:
03 maio, 2016

Olá,
confesso que não conhecia o livro, e achei interessante ver seu amor por ele, mas a premissa não me atraiu muito, quem sabe mais pra frente eu de uma chance não e?

Beijos

Ivana Nunes Says:
03 maio, 2016

Sempre que entro em um blog e conheço um novo livro, e leio uma resenha sempre viajo nas palavras e percebo quantas coisas a gente ainda tem pra conhecer e admirar!! "Só garotos" é uma delasss, já está na minha lista 💟

Sandra Mendes Says:
03 maio, 2016

Hey, Maria!

Caramba, que resenha!
Eu não conhecia o livro, mas fiquei com muita vontade de ler.
Que história intensa!
O início que você conta, até me fez lembrar do filme Accross the Universe. :)

Beijos!

Isabela Castro Says:
04 maio, 2016

Oi! Dá pra ver que vc gostou MUITO do livro. Nao curto muito biografias, mas ate leio dependendo de quem se tratar. Acho que as melhores sao quando a propria pessoa conta a sua história. Mas nao conheco os personagens e nao me interessei muito peli enredo, então não leria o livro.
sigolendo.com.br

Commaosdeseda Midian LSF Says:
04 maio, 2016

Tadinho sofreu muito...parece muito dolorosa a leitura, fiquei triste com o fim. Mas é assim... Confesso são ser muito fã dessa linha literária. Há quem goste. e vi que te tocou muito. ✡ Atellier Encantado Com Mãos de seda

Unknown Says:
05 maio, 2016

Nossa, que vida intensa e amorosa. Acho injusto certos acontecimentos, mas ao memso tempo foi uma vida inspiradora. Eu gostaria de encontrá-los ao acaso se fosse possível.
Devo ser a filha deles em alguma antiga vida passada, quem sabe não vamos juntos ...
Angel Sakura
www.euinsisto.com.br

Francine Porfirio Says:
05 maio, 2016

Oi, flor.
Eu não conheço nada sobre essas duas personalidades artísticas, e confesso que senti certa vergonha disso ao ler sua resenha. Percebo que esse casal encontrou um no outro motivos para seguir em frente, para fazer o que acreditavam se tornar realidade. Que história forte os fez encontrar um ao outro, não? Fiquei realmente curiosa e vou anotar a dica do livro.

Beijos!
www.myqueenside.com.br

Maria Eduarda {@dudsparrow} Says:
05 maio, 2016

Conheço pouca coisa da obra da Patti, mas tenho muita curiosidade. Muito interesante essa relação dela e muito triste também. O livro deve ser incrível <3
boa semana :)

Red Behavior

Speak Cinema Says:
05 maio, 2016

Hi baby, tudo bem? olha parabéns pela resenha, dá para ver como você se identifica e se emociona com esse livro! você consegue emocionar até quem lê a resenha, imagina se eu ler o livro? hehe deve ser lindo

Lilian Valentim
http://speakcinema.blogspot.com.br/
beijinhos

Gabriela Erler Says:
05 maio, 2016

Eu não tenho interesse em ler o livro, mas é inegável não se sentir emocionada ao ler a sua resenha. Dá para notar o quanto ele te toca e te enche de sentimentos, e é muito bom quando temos isso com algum livro. Parabéns.


Beijos, Gabi
Reino da Loucura - Participe do top comentarista de maio, serão dois ganhadores!

Suzzy Chiu Says:
05 maio, 2016

Olá, tudo bem?
Nossa, que livro é esse?!!!
Não conhecia o livro Só garotos e fiqui impressionada com tudo que li na resenha.
To vendo que o livro te tocou mesmo e tudo abordado nele é bem forte.
Muito bom o seu post.
Beijos!

Livros e Sushi • Facebook InstagramTwitter

Raquel Cavasini Says:
05 maio, 2016

Menina, não conhecia a obra, mas parece ser uma leitura e tanto.
Pela sua resenha a obra deve ser bem intensa. Vou anotar a dica!

Super beijo

Jana Says:
06 maio, 2016

Olá,
Nossa, acho que já comentei aqui uma outra vez, amei seu blog! E amei a resenha, eu tenho problemas de sensibilidade com livros assim, quando os leio eles demoram para se encontrarem dentro de mim! Mas ta anotadíssima a dica!
Beijos
Jana

Catharina M. Says:
06 maio, 2016

Oie
acho que ainda não conhecia a obra, parece ser bem legal e diferente, espero ter oportunidade de ler quando estiver mais no clima para o gênero

Beijos
http://realityofbooks.blogspot.com.br/

Danielle Rodrigues Says:
06 maio, 2016

Olá Valéria que história linda. Fiquei muito interessada em ler, e sentir a intensidade da vivencia dessas duas pessoas. Muito bom mesmo. Bjs

Flávia Nunes Says:
07 maio, 2016

Oi!
Achei a história linda, e é fácil notar pelas palavras sua admiração..
parabéns pela escrita..
abraços.

Camila Coelho Says:
11 maio, 2016

Não conheço ela mas adoro biografias é sempre bom para conhecer melhor sobre ícones que admiramos.
Adorei sua resenha.
Bj

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...