12 Meses de Poe: Hop-Frog

| 31 março 2016 | 18 Comentários |




Cá estou nessa terceira parte do desafio anual 12 meses de Poe. O conto do mês é Hop-Frog, publicado pela primeira vez em 1849. Hop-Frog é um bobo da corte do rei, de andar desajeitado que mais parece uma rã saltitando, como o próprio nome já diz. Sua origem até chegar ao castelo é desconhecida. Com ele, vive uma anã jeitosa e que assim como ele, também não se sabe de onde veio... Ela usa a favor deles esse jeito encantador que desperta a admiração de seus espectadores.


A fim de fazer pilhéria, pois o rei é dado a essas coisas, ele embebeda o anão durante um baile de máscaras. Vendo que seu amigo passa dos limites, tenta interceder ao rei mas este a repele, e acaba sendo humilhada na frente de todos. Ao ver Tripetta naquele estado, hop-frog põe em ação um plano de vingança...

O rei e seus ministros logo aderem a 'brincadeira' do bobo da corte e se vestem como orangotangos. Tal brincadeira assume proporções assombrosas quando o anão prende os 'orangotangos', içando-os numa altura considerável, 'iluminando' o baile de máscaras com aquele 'lustre' macabro...


Apesar de não ser necessariamente um conto de terror, é interessante a crítica feita por Poe nesse conto. A nata representada pelo monarca e seus ministros, que se divertem ridicularizando Tripetta e Hop-frog por causa de sua aparência física e a maneira como eles ainda se encantam' com a anã, por ela ser bonitinha, condicionando a posição da mulher como mero entretenimento visual para eles, retirando sua humanidade e dando-lhe um aspecto de objeto...

O conto me remete ao filme Freaks, em que os possuidores de beleza física simbolizam os vilões e as aberrações tem um coração puro e ingênuo, apesar da aparência grotesca. No contexto de Hop-frog, a nobreza possui atributos físicos considerados perfeitos, mas são desprovidos de inteligência, tanto que caem como patos na artimanha vingativa do bobo da corte... E do lado inverso, a 'aberração' deformada possui astúcia para vingar-se de quem ri dele, da forma mais cruel possível... Só lendo o conto para descobrir o desfecho, pois spoiler eu não vou dar...

Os 'orangotangos' foram representados como selvagens na estória. As vestimentas simbolizam sua condição animalesca e desumana ao desrespeitar os anões por suas condições físicas limitadas... 

"balançavam-se nas correntes, massa fétida, enegrecida, horripilante, indistinguível..."


Como água para chocolate, romance mexicano de Laura Esquivel...

| 30 março 2016 | 18 Comentários |
Incluso na lista de 1001 livros para ler antes de morrer, Como água para chocolate, romance escrito em 1989 pela autora mexicana Laura Esquivel é um delicioso prato a ser degustado por leitores de alma sensível e que almejam uma leitura instigante e profunda regada a temperos, aromas doces e paixão...

Tita é a filha mais nova de mãe Elena e segundo a tradição de sua família, está fadada a nunca se casar, a fim de cuidar de sua matriarca até a sua morte. Suas irmãs estão livres dessa sentença mas Tita acaba se apaixonando por Pedro, mas por ironia do destino, quem casa com seu amado é sua irmã mais velha, Rosaura. Mãe Elena é muito rígida com suas filhas e desde que ficou viúva, toca o rancho da família com mão de ferro. É a Tita que ela impõe os piores castigos e privações.

Pedro só aceita casar-se com Rosaura a fim de permanecer por mais tempo ao lado de sua amada, e serão 22 longos anos privando-se da felicidade – em respeito as tradições, a moral e os bons costumes – grandes perdas ao longo do caminho, e a paixão aflorando pelos poros dos dois amantes, que relutam para não sucumbir ao desejo de entregarem-se um ao outro...

A cozinha é o ambiente principal da casa, em que as decisões mais importantes ocorrem, onde a comida preparada por Tita ganha um sabor que difere a cada sentimento utilizado na receita... Mentira, raiva, amor e rancor permeiam entre os personagens. Os temperos dos pratos que Tita prepara são os sentimentos diversos que nutre por sua mãe, suas irmãs, sobrinhos e Pedro...

As receitas servem de pano de fundo ao romance, mas prestam-se ao papel de metáforas para representar os personagens da história... Tal narrativa oferece ao leitor momentos sensuais e de paixão requintada em meio à aspereza do amor não-consumido. O desfecho é surpreendente, e confesso – me levou às lágrimas... 



A escrita de Esquivel é saborosa e apaixonante... Certamente um romance muito além do convencional, onde magia e fantasia se mesclam ao enredo de forma magistral... Certamente Como água para chocolate vai enternecer aquele coração mais amargo e adocicar seus bons momentos de leitura... 

Esse livro é parte do Desafio Poisonous Bloggers Challenge 2016, em que no mês de março, é necessário fazer uma leitura de um livro que tenha comida no enredo. Nada mais apropriado, não é mesmo?


“Sentia-se tão só e abandonada! Um salgado ou um doce esquecido em uma bandeja depois de um grande banquete não se sentiria pior que ela. Quantas vezes só na cozinha tivera de comer uma destas delícias antes de permitir que o jogassem fora. O último salgado da bandeja ninguém come porque geralmente sucede que as pessoas não querem demonstrar gula e, mesmo que adorassem devorá-lo, não se atrevem. E é assim que se recusa um pimentão recheado, que contém todos os sabores inimagináveis, o doce da cidra, o picante do chile, a sutileza do doce de nozes, o refrescante da romã, um maravilhoso pimentão misturado às nozes! E que contém em seu interior todos os segredos do amor, mas que ninguém poderá desentranhar em nome da decência. ”

Fahrenheit 451, um ambiente distópico onde livros não são permitidos...

| 25 março 2016 | 11 Comentários |
 Em tempos em que o mundo literário sofre um 'boom' de distopias, acabei me rendendo a um título dos mais clássicos, que há tempos desejava ler, mas não tinha tido chance... Reservei esse pequeno deleite para os últimos dias, num momento em que o país vive uma verdadeira luta acirrada e bipolar no campo da política... Afinal, distopias [quase] sempre possuem um governo totalitário como pano de fundo para suas tramas... 

Em Fahrenheit 451 conhecemos Guy Montag, bombeiro de uma cidade comum, sem efeitos futurísticos [a história poderia muito bem se passar no tempo presente], que passa por uma crise ideológica. Sua função não é apagar incêndios, mas provocá-los, e o alvo são... LIVROS. 

No mundo distópico de Ray Bradbury, livros são itens proibidos. Imagine você, leitor, viver num mundo assim... Eu certamente me desesperaria... ou seria uma traidora subversiva do sistema... Assim como Clarisse, garota que mora perto do protagonista e numa conversa com ela, ele passa a rever os seus conceitos. Clarisse desaparece dias depois dessa conversa... Sua esposa, Mildred, vive anestesiada [outra característica de boas distopias] com suas enormes telas de TV... E quando ela nota uma mudança no comportamento do marido, termina por abandoná-lo... As pessoas vivem alienadas, e o livro traz uma crítica interessante sobre o poder da televisão, que mal dá espaço para o indivíduo se dedicar a leitura de um bom título...



Na sociedade em que Montag vive, ninguém tem opinião própria, não há forma de pensamento crítico e as pessoas não conversam sobre livros. Por serem ilegais, se alguém for pego lendo pode ser punido, e até incendiado junto com suas bibliotecas. A partir da conversa que tem com sua vizinha é que Montag passa a enxergar o caos existente sem névoas anestesiantes impedindo sua visão sobre tudo... Ele acaba respondendo a mais um chamado em seu turno e lá chegando, vê uma senhora que se recusa a deixar seu acervo virar uma pira de fogo. Acaba consumida pelas chamas por sua própria decisão, e Beatty, chefe de Montag não se comove nem um pouco com isso... Mas Montag acaba roubando um dos títulos e o leva pra casa...

Montag se questiona do porquê de alguém se deixar queimar com os livros, se a sociedade imputa que livros não tem serventia alguma. Então ele se lembra de um professor de inglês que encontrou um tempo atrás e o procura, pois ele precisa falar com alguém sobre seus questionamentos; logo eles se tornam amigos, apesar da desconfiança inicial deste em conversar sobre livros com o bombeiro... Nesse meio tempo, seus questionamentos poem em xeque seu casamento, trabalho e conduta... 

As ações impensadas de Montag deixam a cidade a beira do colapso e o governo acaba bombardeando tudo. As autoridades o perseguem com um cão mecânico. Faber acaba ajudando o amigo, pedindo que ele encontre alguns homens que são foragidos da polícia, e se tratam na verdade de intelectuais diplomados, que podem ajudá-lo a escapar da prisão. Com esses homens, ele descobre uma forma que eles criaram de perpetuar os livros: decorar obras inteiras e queimá-las logo depois a fim de não serem pegos. Assim, chegaria o momento em que não seriam mais proibidos e poderiam ser escritos e publicados novamente, mas até lá, cada um passaria o legado à geração seguinte...

Um fator interessante que encontrei na leitura foi uma alusão à Guerra Fria [Fahrenheit foi escrito em 1953]. Com o bombardeio, sugere-se que o mundo - ao queimar as ideias e pessoas que pensam e formulam opiniões - acaba por queimar-se e destruir a si mesmo. Talvez daí - como sugere o romance e a conversa de Granger, líder dos foragidos - a nova Fênix ressurja trazendo um mundo livre de proibições... 

Em minha concepção, a obra critica a censura [embora o autor tenha dito que não teve essa intenção], a manipulação em massa, os efeitos da mídia na população alienada e condicionada a obedecer sem questionar e a truculência de autoridades para punir os que se recusam a viver nessa cápsula de conformismo ou que defendam uma democracia... Algo bem familiar com o que estamos presenciando no Brasil nesse momento... 

Eu colocaria Fahrenheit 451 no mesmo rol de clássicos consagrados do gênero, como Admirável Mundo Novo e 1984. Indispensável para os distópicos... 

O título do livro se dá ao fato de 451 ser o número de graus em fahrenheit da queima de papel... Bem apropriado para o que trata o livro, não acham? 

News - autores parceiros [Lançamento de Mulheres que não sabem chorar e Promoção do livro Rockfeller]

| 24 março 2016 | 7 Comentários |
Olá, pessoas. Trago duas notícias rápidas e maravilhosas a vocês... A primeira delas é sobre o livro Rockfeller, que está em promoção até o dia 05/04/16... Para adquirir seu exemplar, entre em contato com o autor... Se você nunca ouviu falar sobre o livro, leia a resenha dele aqui... 



A outra novidade é o evento de lançamento do livro Mulheres que não sabem chorar, da autora Lilian Farias, que ocorrerá na Livraria Saraiva do Shopping Center Recife, no dia 09 de abril, às 19:00 h. Contamos com sua presença nesse delicioso encontro... A autora estará presente e poderá autografar seu livro... Vai perder a oportunidade? 

Confirme sua presença no evento do Facebook... Para quem não ouviu falar do livro ainda, tem resenha aqui... O livro foi publicado pela Giz Editorial... A capa é nova [e mais bonita que a da antiga edição, revisada], a história é incrível e acredito que o público vai gostar, pois a escrita de Lilian é apaixonante...


Então é isso. Espero que tenham curtido as novidades. Até a próxima... ;)

Lendo Sandman - Prelúdios e Noturnos [1º arco]

| 23 março 2016 | 9 Comentários |
É com imenso prazer que trago a vocês as minhas impressões sobre a leitura do primeiro arco de Sandman, Prelúdios e Noturnos, publicados pela Ed. Pixel. Sandman é um quadrinho de autoria de Neil Gaiman, e como sou apaixonada por tudo o que esse homem escreve, seria impossível não participar do Projeto de leitura organizado pelo blog Pipoca musical. Já tinha lido o início da história mas quis reler e continuar a saga, mesmo lendo online a partir de agora... Mas ainda 'sonho' [não resisti ao trocadilho] em comprar minhas edições pra ter na estante...





Em 1916 um grupo de magia negra aprisiona uma entidade [Sonho], numa tentativa de invocar a Morte. A entidade está está fragilizada e fica cativa por setenta anos. Durante esse tempo, houve uma epidemia mundial da 'doença do sono', em decorrência desse aprisionamento, e enfim identificaram o refém: Sandman, governante do mundo dos sonhos. Eles tiraram de seu poder 3 objetos valiosos: um elmo de metal, um anel de rubi e uma bolsa de couro com areia. Esses itens tem poderes importantes e em mãos erradas, o caos pode se instaurar...


O chefe dos captores morre anos depois e seu filho toma posse de tudo. Quando finalmente Sandman escapa do cativeiro, se vinga no filho de quem o aprisionou e sai numa jornada a fim de recuperar seus amuletos. Nesse ínterim, a organização tenta recapturá-lo e enviam um monstro para caçá-lo, mas ele acaba salvo por uma gárgula de nome Gregory. Um dos seus objetos valiosos se encontra nas mãos de Constantine, um caçador de demônios; Sandman vai ao inferno disputar com um demônio o elmo que se encontra em posse deste. Quanto ao rubi, último item a ser resgatado, Sandman terá que enfrentar um louco que anda usando o rubi para matar pessoas e se diverte com isso... 

Dr. Destino foge do Asilo Arkham e usa os poderes do rubi para trazer a desgraça na sociedade. Como num surto psicótico, as pessoas começam a aflorar seus pensamentos mais doentios, tornando-os reais, e a morte reina em poucas horas por todo o mundo. Sandman precisa recuperar o rubi, que detém todo o seu poder e lhe suga as energias, tornando o embate com o doutor ainda mais difícil...


"as pessoas pensam que os sonhos são irreais porque não são de matéria, de partículas. Os sonhos são de verdade, mas se compõem de pontos de vista, de imagens, de recordações e esperanças perdidas."
Sandman #5 - Prelúdios e Noturnos [Neil Gaiman]


 

Esse arco é dividido em 8 partes e traz uma ótima construção de enredo, bem como de personagens. Claro que falar sobre oito edições num mesmo post poderia deixar o texto demasiado longo e poderia soltar algum spoiler além do essencial, então deixo com vocês o prazer da leitura a fim de descobrir como a trama se desenrola... Através dessas histórias, somos introduzidos no universo do mestre dos sonhos, um reino cheio de pesadelos, sonhos e [des]esperanças. Gaiman recorre a mitos contemporâneos e antigos para dar requinte à sua história, várias referências à cultura pop e uma narrativa única, que cativa o leitor desde as primeiras páginas. 

Mergulhar no universo sombrio do Mestre dos Sonhos é como viajar a terrenos desconhecidos e cheios de devaneios, onde tudo é ilusório. Na parte final do arco, é inserida a personagem Morte, irmã mais velha do protagonista, e passamos a conhecer um pouco do seu 'trabalho'... Por incrível que pareça, dá pra se refletir acerca de questões sobre o fim de tudo, da Morte como algo real e que por muitas vezes não é abordado, tal o medo do 'escuro' onde ela nos leva... E engraçado saber que é algo inerente a tudo o que vive, e que estamos fadados a segui-la em algum momento de nossas efêmeras vidas... 

Li o segundo volume no site HQ Online, pois infelizmente não possuo meu exemplar, mas o primeiro volume eu tenho, já tinha lido antes e reli para começar o Projeto Lendo Sandman... A qualidade gráfica dos quadrinhos é incrível, fazendo jus a história. 

Darei início ao segundo arco, A casa de bonecas, que compreende as edições 09 a 16 da saga. E em breve trarei minhas impressões aqui para vocês... Espero que tenham gostado... Estão acompanhando o Desafio? Não esqueçam de utilizar a #LendoSandman nas redes sociais...


Postagem relacionada:



Lançamentos DarkSide Books [American Crime Story: o povo contra O. J. Simpson e Exorcismo]

| 22 março 2016 | 14 Comentários |
Gente, vocês sabem que a Editora DarkSide Books não cansa de nos surpreender com títulos fodas, que vão da Fantasia ao Terror, passando por Livros sobre Crimes e Cinema, não é? Então, hoje trago para vocês o melhor do horror, e logo tem mais novidades... Espero que apreciem...



American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson
[sinopse do Skoob]

American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson é o mais completo livro sobre o caso do craque recordista da NFL acusado de matar a esposa e uma migo. O livro foi escrito por Jeffrey Toobin, repórter que cobriu o julgamento para a revista New Yorker e, mesmo partindo do princípio que Simpson era culpado, o livro apresenta informações minuciosas que ajudam a desvendar por que O.J. foi inocentado naquele grande circo que virou seu julgamento.

Um gigantesco evento da mídia global, acompanhado por mais de 20 milhões de espectadores – recorde superior à chegada do homem à Lua –, aquele foi um dos primeiros casos de tribunal a utilizar a moderna ciência forense como parte das evidências. Se hoje você curte CSI, acredite, tudo começou para valer no caso O.J.

Este é o livro deu origem à série investigativa da FOX, "The People vs. OJ Simpson", com estreia marcada para 02 de fevereiro de 2016.



American Crime Story: O Povo Contra O.J. Simpson
Autor: Jeffrey Toobin
Ano: 2016 / Páginas: 460
Idioma: português
DarkSide Books

Exorcismo [Sinopse do Skoob]

Se a ficção consegue ser tão assustadora, imagine o poder contido na história real? Muitos não sabem, mas a obra-prima de W. Peter Blatty, O Exorcista, não se trata de uma invenção. Ela foi inspirada num fenômeno ainda mais sombrio, desses que a ciência não consegue explicar: um exorcismo de verdade.
A história real aconteceu em 1949, e você pode conhecê-la — se tiver coragem! — no livro EXORCISMO, do jornalista Thomas B. Allen, lançamento da DarkSide Books em 2016. Exorcismo narra em detalhes os fatos que aconteceram com Robert Mannheim, um jovem norte-americano de 14 anos que gostava de brincar com sua tábua ouija, presente que ganhou de uma tia que achava ser possível se comunicar com os mortos.

Thomas B. Allen contou com uma santa contribuição para a pesquisa do seu trabalho. Ele teve acesso ao diário de um padre jesuíta que auxiliou o exorcista Bowdern. Como resultado, seu livro é considerado o mais completo relato de um exorcismo pela Igreja Católica desde a Idade Média. Os investigadores paranormais Ed e Lorraine Warren definiram a obra de Thomas B. Allen como “um documento fascinante e imparcial sobre a lluta diária entre o bem e o mal”.


E o melhor é que o livro [além de lindo] traz um tabuleiro ouija na parte interna da capa. É ou não é pra me matar do coração? *-*


Exorcismo
Autor: Thomas B. Allen
Ano: 2016 / Páginas: 254
Idioma: português 


Por enquanto é só. Espero que tenham curtido as novidades... Até o próximo post... 

Lançamentos da Editora Novo Conceito

| 20 março 2016 | 11 Comentários |
Olá, pessoas queridas. Venho trazer para vocês os lançamentos da Editora Novo Conceito do mês de Março. Lembrando que esses lançamentos estão em formato ebook, por enquanto...




Amizade entre garotas pode ser intensa e, no caso de Mia e Lorrie Ann, não há dúvidas de que isso é verdade.
À medida que crescem, a vida de Mia e Lorrie Ann é preenchida com praia, diversão e passeios ao shopping.
Por outro lado, como toda amizade, há conflitos e dores. 
Mia e Lorrie Ann convivem há muito tempo e possuem personalidades opostas. Mia é a bad girl , vivendo em uma família problemática. Lorrie Ann é linda e amável, quase angelical, e tem uma família que parece ter sido arrancada de um conto de fadas. 
Mas, quando uma tragédia acontece, a vida perfeita sai fora de controle...

As Garotas de Corona Del Mar http://goo.gl/FQx2Pf





 
Campbell tem 17 anos.Ela não acredita em Deus.
Muito menos em milagres
Cam sabe que tem pouco tempo de vida, por isso quer viver intensamente e fazer tudo o que nunca fez, no tempo que lhe resta. Mas a mãe de Cam não aceita o fato de perder a filha, assim, ela a convence a fazer uma viagem com ela e a irmã para Promise um lugar conhecido por seus acontecimentos miraculosos.
Em Promise, Cam se depara com eventos inacreditáveis, e, também, com o primeiro amor. Lá encontra, finalmente, o que estava procurando mesmo sem saber.
Será que ela mudará de ideia em relação à probabilidade de milagres? 
A Menina que não Acredita em Milagres vai fazer você rir, chorar e repensar sua conduta de vida.

A Menina que não Acredita em Milagres ▶ http://goo.gl/HVOVdn





 Audrey sabe que sua mãe está certa quando tenta salvá-la de si mesma. Ela sabe que tem sido injusta, por isso precisa, por seu irmão mais novo e por sua mãe, seguir em frente. Audrey tenta manter todos felizes. Juntos, eles estão em busca de dias melhores. 
A mãe de Audrey, à sua maneira, tenta ajudar a filha a controlar a doença para que ela possa encontrar um recomeço seguro.
Então Audrey conhece Leo, mas ele torna a vida dela realmente complicada, pois essa amizade faz com que ela deseje ousar ser ela mesma, enfrentar a vida.
Agora, Audrey precisará decidir: cuidar de sua família especialmente de seu irmão ou continuar sonhando com a vida que tanto deseja? 
Mentiras Como o Amor é deslumbrante e de partir o coração. É o novo romance de Louisa Reid, a autora aclamada de Corações Feridos.
Mentiras Como o Amorhttp://goo.gl/zhCX9l





 No bairro onde mora, todos conhecem Mayumi como a menina sonâmbula, e não se importam em ajudá-la quando ela está nessa situação. Entretanto, o que nem mesmo sua família sabe é que a menina tem o espírito livre e todas as vezes que isso acontece, ela é capaz de sair do próprio corpo.Mayumi vai parar em um mundo desconhecido, controlado por um sujeito capaz de capturar o destino das pessoas. Só que esse ladrão possui intenções nada boas ao realizar crimes
tão espetaculares.
Contando com a ajuda dos amigos Flecha, Córmaco e de um enorme tigre, Mayumi embarcará em uma jornada diferente de tudo que você já viu. E descobrirá por que nem sempre o destino pode estar em nossas mãos.

Selo IRADO
O Ladrão de Destinoshttp://goo.gl/gHinM0






 Em QUANDO EU ERA JOE, Ty presenciou um crime bárbaro e foi incluído no programa de proteção à testemunha. De uma hora para outra, ele e sua mãe, Nick, se viram obrigados a se mudar para um lugar distante, usando identidades falsas e vivendo uma vida que não era a deles.Agora os dois moram muito longe da cena do crime, e a tranquilidade os faz pensar que os bandidos ficaram para trás. Um atentado sangrento, porém, dispara o alerta de que o perigo está mais próximo do que ele imagina. Ty e Nick perderam a fé até mesmo nos policiais.
Com um temperamento explosivo e o caráter ainda em formação, tomando mais decisões erradas do que certas, Ty sofre, também, por não conseguir se conectar com a sua antiga vida.
O ritmo de QUASE VERDADE é vertiginoso. Você não será capaz de largar este livro antes de chegar ao fim!
Quase Verdadehttp://goo.gl/5akdnf


E então, ansiosos por essas leituras? Eu também estou... Até a próxima... Beijos... ^.~

Resenha: Rockfeller - Alexandre Apolca

| 19 março 2016 | 1 Comentários |


Recebi como cortesia do autor parceiro Alexandre Apolca o livro Rockfeller, e a princípio achei tratar-se de uma história de terror, com toques sobrenaturais ou coisa do tipo, mas acabei me surpreendendo logo no início da narrativa com o que a obra realmente se propõe. 

Beto Rockefeller tem uma banda de rock, junto com alguns amigos. E depois de umas confusões com a polícia, em que ele é preso por engano, tem sua vida mudada quando se muda pra uma cidade do interior de Minas Gerais, e seus amigos resolvem acompanhá-lo. Em São Thomé das Letras, cidadezinha com ares místicos, eles logo começam a trabalhar, arrumam um canto pra viver e logo começam a aparecer aventuras, noites de drogas e bebedeira e diversão com garotas... E Beto se sente fisgado por Anita, e logo descobre que ela namora Gringo, um de seus companheiros de quarto e banda...

Eles engatam um caso sem ninguém desconfiar e a cada dia, ele se vê ainda mais apaixonado pela namorada de seu amigo inglês. Mas então Anita se vê numa situação de vida ou morte, e tendo Gringo voltado para a Inglaterra, pondo fim ao relacionamento com Anita, Beto comete uma loucura a fim de salvar a sua amada. E é ai que sua vida muda pra pior, realmente...

A escrita de Alexandre é alucinante, e pelo fato dos capítulos do livro serem curtos, o leitor não consegue pausar a leitura. Ele mistura alguns elementos cômicos [como a Síndrome de Mão alheia que me rendeu algumas risadas] meio que para 'quebrar' os momentos mais tensos da trama. E não faz isso de forma a desestruturar a narrativa, é na medida certa a fim de prender ainda mais o leitor... 

Há também uma boa construção dos personagens, e mesmo os secundários conseguem cativar quem lê a obra. É possível imaginar-se junto a eles, vivendo suas aventuras e confusões. Existe um elemento 'sobrenatural', pois Beto vez ou outra vê um corvo [uma referência a obra de Edgar Allan Poe] como se a amaldiçoá-lo e por vezes você fica tão perdido quanto o personagem, sem saber se as visões que ele tem são de algum delírio por causa de drogas, esquizofrenia ou fantasmas... 

Ao longo de toda a sua vida, as desgraças o permeiam e quando ele tem um instante de felicidade, logo o corvo aparece e parece tirar tudo o que ele conseguiu [re]conquistar. O absurdo se mescla com a realidade, tornando o personagem bastante verossímil. 

Em suma, se você curte uma leitura regada a referências a literatura, bandas de rock n' roll e com clima de cidade do interior dos anos 80, certamente vai se agradar dessa história. Junte uma porção de misticismo, personagens cativáveis e um romance com drama e teremos Rockfeller... Mas não limito a obra a isso apenas, há muito mais na narrativa de 184 páginas, que compensam bem as horas reservadas a sua leitura... 

Contos do maravilhoso Trevisan: Quem tem medo de vampiro?

| 18 março 2016 | 18 Comentários |
E mais uma vez eu volto aqui trazendo uma excelente obra de Dalton Trevisan, Quem tem medo de vampiro?, um livro de contos publicado pela Editora Ática e que faz o leitor mergulhar numa leitura intensa entre personagens que não tem definição específica, são joões, marias e franciscas que podem viver perto de você, que podem ser você ou pessoas com quem você nunca teve contato antes... Nomes que não possuem rosto mas tem voz, em nome de tantos outros milhares...

São maridos traídos, mulheres que só pensam em dinheiro, velhos abandonados à solidão, jovens amargurados e feridos de amor. Vítimas e algozes convivendo num mesmo corpo,  que vencem na vida e os que nela vivem perdidos... Ao todo, o compilado traz 23 contos do genial 'Vampiro de Curitiba', e em alguns momentos vulneráveis na histórias destes personagens, o leitor pode se encontrar...



A narrativa de Trevisan dispensa suavidades, ele é implacável quando nos apresenta cenários desgraçados, personagens em frangalhos e situações cotidianas com toques de dura urbanidade. O fracasso do indivíduo é o tempero de seus monólogos. 

Aos novos leitores, ou que nunca ouviram falar do autor, não se enganem achando tratar-se de um romance nacional sobre vampiros. Nada há de sobrenatural aqui. O vampiro do título, alter ego do autor - é na verdade um sugador de 'meandros sombrios da alma humana', é aquele que busca a desgraça e infelicidade do ser que vive no mais completo [des]amor, [des]esperança e [des]alento...

Apelo é sobre alguém que foi embora, e fica alguém sofrendo de saudades. Tio Galileu pode ser aquele velhinho que você conheceu e que deu seu último suspiro devido à ganância de parentes mal-intencionados. O duelo - um de meus preferidos pelo seu desfecho - é o homem de bem e pai de família que vai á igreja aos domingos e mata gato envenenado. Mas o que se faz, aqui mesmo se paga...

E quem não já viveu ou conheceu a história de 'O senhor meu marido', em que ela cai de amores por um malandrão e o homem chora de dor e amor pelo abandono. Mas quando ela volta desiludida, ele acolhe passando por cima da vergonha e humilhação? Há muitos Joões e Marias mundo afora...

Pedrinho é o grito da mãe que perde um filho para as moléstias infundadas da vida. Sem remédios, sem entendimento, a morte vem e leva, não importa a idade... A comadre sempre paga a dívida do marido, ainda mais quando é a ausência dele que torna o pagamento prazeroso... Destaquei alguns de meus contos preferidos... 

Ao fim do livro, ainda temos uma entrevista com aquele que odeia entrevistas. Arredio, não se deixa fotografar, não recebe visitas, não sai de casa. É um escritor com manias peculiares. As respostas para as perguntas são tiradas de sua ficção [tão real que nem parece ficcional...]

Em suma, Trevisan é para poucos, mas os poucos que queiram apreciar a sutileza de palavras para a dureza de suas 'tramas'... 


Projeto de Leitura #LendoSandman

| 17 março 2016 | 17 Comentários |
Estou dando início a mais um lindo Projeto de Leitura, organizado por Raquel Moritz do Pipoca Musical, e dessa vez o tema será Sandman. Vi alguns blogs participando e resolvi entrar nessa também... Afinal, sou apaixonada pelos quadrinhos do grande mestre Neil Gaiman, e não poderia ficar de fora dessa...



Esse projeto tem início agora em março e será concluído em agosto de 2016. Espero estar viva até lá e ter concluído as leituras com sucesso... Na postagem da organização do projeto, existe um cronograma para programar as leituras sem se perder nas edições e qual a ordem de ler tudo... Nele estão inclusos os prazos para discussão e os arcos na ordem correta a serem lidos...


A fim de saber mais detalhes, vocês podem visitar o link do post do Pipoca disponibilizado acima. Se você tiver as HQ's, ok. Mas se você for pobre como eu e não puder comprar aqueles encadernados fodas publicados pela Panini ou Conrad, nesse site você encontra [na ordem correta] todas as 75 edições... Então não tem desculpa para não participar, hein? Neste link do Pipoca, você ainda encontra um maravilhoso Guia de Leitura que vai te ajudar bastante nesse Projeto... 

Espero que tenham curtido a postagem. E caso queiram participar, não esqueçam de usar a #LendoSandman em suas redes sociais... Para ficar por dentro das leituras de outros participantes, você pode entrar no grupo de discussões do Facebook All about Gaiman...

Pra você eu conto, uma encantadora história sobre o primeiro amor e 'as revoluções'...

| 16 março 2016 | 20 Comentários |
Há cinco anos, Moacyr Scliar falecia... Ele é um dos meus autores nacionais preferidos e tenho algumas de suas obras no Acervo, mas resolvi escolher um título que adquiri recentemente, por ser juvenil, ter poucas páginas e estar num momento de leituras breves... E então iniciei a leitura de Pra você eu conto, publicado pela Atual Editora...

Juca é um senho idoso, que resolve contar para seu neto de seu primeiro amor... A trama se desenrola em duas épocas, o presente atual e a década de 30, quando o Brasil vivia um período sob o governo getulista. 

Quando tinha apenas 14 anos, Juca se apaixona pela sua professora de História, Marta. Ela era a nova professora e assim que a vê, com aqueles cabelos ruivos revoltosos, ele sente algo estranho surgir dentro dele... Mas por vergonha, não conta pra ninguém sobre os sentimentos que passa a nutrir por ela... 

Certo dia, ele precisa retornar a sala depois da aula e percebe o diretor discutindo com Marta. Quando se vê a sós com ela, ela resolve lhe contar o que se passa... Pelas suas ideias revolucionárias, e por não apoiar a onda nazista em Porto Alegre, Marta foi ameaçada até de ser demitida, caso não desista de ir adiante contra Hitler e seus seguidores... A partir daí, uma amizade mais profunda começa a surgir entre a professora e seu pupilo, e ela resolve contar a ele um segredo que vem guardando há um tempo: ela está escrevendo um livro para denunciar os crimes nazistas...

Juca passa a frequentar sua casa e ela lhe empresta o material que serviria para publicar o livro, mas por uma infelicidade do destino, o livro acaba indo parar na mão do diretor... Juca precisa desesperadamente reaver aqueles registros, antes que Marta se prejudique [ainda mais]...

Com uma fluidez em sua escrita, já conhecida por quem lê suas obras, não vemos muito do realismo fantástico característico de sua obra, mas uma crítica social é presente ao longo das poucas páginas que compõem o livro... Apesar de parecer uma história boba infanto-juvenil, ela carrega uma graça e beleza sobre a magia do primeiro amor, tendo como pano de fundo a trama sobre a situação política do Brasil na década de 1930. 

Sobre o desfecho, não irei tirar a surpresa de quem pretende ler, mas adianto que tudo acontece como deveria ser... Se ela descobre o amor que seu aluno sente por ela? Se o livro é publicado? O que houve com ela enquanto ele já velho conta aquela história ao seu neto? Você vai ter que ler pra saber... São 70 paginas que podem ser lidas em uma hora, no máximo. Mas trazem profundidade, cativam e encantam o leitor... Pra você eu conto foi uma bela surpresa.

79 anos da morte de H. P. Lovecraft

| 15 março 2016 | 9 Comentários |
Em 15 de março de 1937 falecia o grande mestre do horror, H. P. Lovecraft... Curioso que só depois de sua morte teve o valor reconhecido como escritor do gótico sobrenatural... começou a escrever ainda jovem, e logo em seus primeiros escritos ficou evidente a precocidade de seu talento... 

Nasceu no ano de 1890, na cidade de Providence, Rhode Island. Seu pai morreu quando Howard ainda era criança, decorrente de uma doença neurológica ligada à sífilis. Na biblioteca do avô, conheceu obras clássicas como As mil e uma noites e a Odisséia, além de revistas pulp, que viriam a influenciar sua escrita. Lia, escrevia e recitava poemas quando jovem, mas pouco frequentava a escola, devido a saúde frágil. Tinha uma doença rara que tornava sua pele gelada ao toque. Escreveu também artigos sobre astronomia e distribuía entre os amigos da escola.

Em 1904 perde seu avô, sofrendo um abalo também econômico em sua família. Quatro anos depois sofre uma crise que o afasta permanentemente da escola, e nunca concluiu seus estudos. Viveu anos de reclusão após a recusa da Brown University, contribuindo para seu estado melancólico e depressivo... Durante esses anos, se dedicou exclusivamente a poesia. 

Sua carreira como escritor teve início quando começou a trocar cartas com outro escritor e seu nome logo se fez conhecido nas rodas de escritores não profissionais; estes o estimularam a publicar seus escritos, que iam do ensaio a poesia e contos, bem como ficção. A tumba, um de seus trabalhos mais famosos, ganhou vida em 1917... 




Alguns anos depois, em 1921 é a vez de sua mãe falecer. A saúde de Lovecraft fragilizou-se ainda mais. Nesse ínterim conhece sua futura esposa, Sonia Greene, judia de origem russa, que tinha uma loja de chapéus em Nova York, sendo assim, logo ele se muda de Providence para Nova York. A loja de sua esposa faliu, o casal não poderia viver apenas dos textos de Howard, e logo eles se divorciaram. Volta para Providence, indo morar com uma tia com quem tinha vivido boa parte de sua infância, vivendo ali os últimos dez anos de sua mórbida vida...

O chamado de Cthulhu, Nas montanhas da loucura e O caso de Charles Dexter Ward datam dessa época, e são suas obras mais importantes e famosas. Nesse mesmo período, sua tia falece e um grande amigo se suicida [Robert E. Howard, criador do personagem de quadrinhos Conan, o Cimério]. Mais um infortúnio se abate sobre sua vida: descobre em estágio avançado um câncer no intestino que viria a ceifar sua vida, em 1937, com apenas 46 anos... Sem jamais ter publicado um livro em vida...





Seus amigos fundaram a editora Arkhan House a fim de publicar seus escritos, trazendo a notoriedade merecida a seu talento de escritor. Hoje em dia, Lovecraft é aclamado como um dos autores mais brilhantes e geniais do gênero de horror, alcançando status cult, em que sua obra flerta intimamente com o oculto, obscuro e horripilante, tendo como precursor Edgar Allan Poe

Conheci a obra de H. P. Lovecraft através de contos publicados pela internet, em sites góticos em meados da década de 2000. Em minhas 'paragens' pela internet, li A casa abandonada e me apaixonei por sua escrita envolta em tragédia, com uma riqueza de detalhes imprescindível. Posteriormente, descobri que alguns de meus filmes de terror preferidos, que povoaram minha infância e imaginário tinham sido baseadas em obras lovecraftianas, aumentando meu fascínio por sua literatura...





Infelizmente possuo pouca coisa sobre ele em meu Acervo particular. Recentemente, adquiri um mangá que traz em suas páginas alguns de seus contos ambientados para o estilo desenhado, e tem resenha dele aqui. Já resenhei também o livrinho da Coleção 64 páginas da L&PM Editores, O horror em Red Hook. A tumba e outras histórias será relido a qualquer hora e eu mais uma vez falarei de Lovecraft por aqui... 
Espero que tenham gostado, e se não conheciam o autor e são admiradores do horror, reparem a heresia de não ter lido nada dele ainda... Essa postagem foi uma forma de homenagear tal figura que tem espaço especial em minha biblioteca e em meu coração, coberto com o negrume de sua melancolia e morbidez... 

Top 5 - autores que eu queria ter conhecido... ou queria conhecer...

| 13 março 2016 | 15 Comentários |
Fui indicada por Italo e Victor do blog Incriativos, pra responder essa TAG/TOP 5. Eu tenho que listar cinco autores que eu gostaria de conhecer, quem sabe talvez tomar um chá da tarde com alguns deles... 

E lógico que foi difícil escolher apenas cinco, mas eis a lista... Espero que gostem... ;)





Decidi roubar e escolher uma lista de cinco autores vivos.  HAHAHAA 
Seria mais fácil encontrar algum deles, embora quase impossível... 


Joe Sacco





Já falei de todos aqui no blog, exceto Joe Sacco. Mas logo isso irá mudar, pois trarei resenhas sobre algumas de suas obras... Espero que tenham curtido a TAG. Grata a Ítalo e Victor pela indicação... 
E então, gostam de alguns dos autores que citei? Me falem nos comentários... ^.~

A Tristessa de Kerouac...

| 12 março 2016 | 20 Comentários |
Em 12 de março de 1922, nascia em Lowell, cidade do estado de Massachussets, Jean-Louis Lebris de Kerouac, mais conhecido como Jack Kerouac, e que viria a se tornar o pai da beat generation, estilo literário que surgiu nos anos 40 e que influenciou a partir dali, vários autores das futuras gerações, cineastas, artistas entre outros membros do meio artístico, com sua escrita marginal e peculiar... 

Mas vamos aproveitando a data comemorativa para postar minhas impressões sobre o livro Tristessa, que foi o segundo título que li do grande Kerouac... 

 Tristessa é uma junkie viciada em morfina, mexicana e logo se torna a amada de Jack, narrador deste romance. Com ares de autobiografia, pois o autor se apaixonou por uma prostitua índia de nome Esperanza, foi publicado em 1960 e traz em sua narrativa toda a trajetória rumo a droga que o próprio Jack buscou no período em que viveu na Cidade do México, e as desventuras ao lado de Bull e Tristessa...


A prosa de Kerouac é poética e fluída. Ele descreve com nítida compaixão a vida regada a bolas, maconha e heroína em que Tristessa se corrompe. Há vários [des]encontros com personagens peculiares em busca da droga, em meio a pobreza e sordidez dos vilarejos esquecidos pelo território mexicano...

O amor que Jack nutre pela bela Tristessa beira o platônico. Ele sente vontade de unir-se a ela, mas ao mesmo tempo sabe ser impossível esse desfecho para ambos... Ele não sabe o que poderia dar a ela, e sente que ela não viverá muito, embora se recuse a pensar na possibilidade...



"Estou em um táxi com Tristessa, bêbado, com uma garrafa de uísque Juarez Bourbon no malote de dinheiro da ferrovia que eles me acusaram de roubar da estrada de ferro em 1952 - aqui estou eu na Cidade do México, um sábado à noite chuvoso, mistérios, velhas ruas laterais de sonho e sem nomes passam vertiginosamente, a ruazinha onde eu caminhara por entre multidões de vagabundos índios enrolados em mantas trágicas, suficientes pata fazer você chorar, e você achou ter visto facas reluzindo sob as dobras - sonhos lúgubres tão trágicos quanto aquele da Velha Noite da Estrada de Ferro, com meu pai sentado com suas coxas grandes no vagão de fumantes da noite, cochilando enquanto seguia pelos trilhos vastos, enevoados e tristes da vida"
O livro é curto, e dividido em duas partes, e já na segunda delas o leitor percebe que a vida abandona Tristessa à medida em que ela se afunda mais e mais nas drogas... Ele, um poeta americano vivendo em terras estrangeiras, junto com Bull, também estrangeiro e viciado há décadas, dividem a atenção de Tristessa com as picadas de heroína. Jack possui pensamentos de cunho budista, tentando justificar a miséria e desolação em que vivem na filosofia de que tudo é repleto de dor e sofrimento.

A existência vazia e sem sentido de Tristessa é preenchida com sexo e drogas. A de Bull é preenchida com conformismo, a do narrador Jack, pela paixão secreta por Tristessa. E, claro, ao desejo de cuidar de sua amada, de entregar-se ao abismo da agonia e da morte gradual, de sucumbir ao vício... A trama é ambientada na pobreza de uma cidade decadente, na falta de recursos, na prostituição e nos viciados.

Uísque, picadas de heroína e amor decadente são o alimento dessa obra, impactante, sombria, e belamente triste... 

"Vou escrever histórias tristes e compridas sobre pessoas na lenda da minha vida"

[Pré-venda] Mr. Mercedes

| 11 março 2016 | 11 Comentários |


Está em pré-venda o mais novo lançamento da Companhia das Letras, pelo Selo Suma de Letras Mr. Mercedes, do aclamado autor de terror Stephen King. 



Sinopse retirada do site:
Em “Mr. Mercedes”, um assassino está à solta numa falida cidade do Meio-Oeste. Centenas de pessoas fazem fila em uma feira de empregos, desesperadas para conseguir trabalho, quando de repente um único carro surge avançando para a multidão. Um Mercedes atropela vários inocentes antes de recuar e fazer outra investida. Oito pessoas são mortas e várias ficam feridas, mas o assassino acaba escapando. Ao receber uma carta de alguém que se autodenomina o Assassino do Mercedes, o detetive Bill Hodges está decidido a encontrar o culpado.

"Mr Mercedes” faz parte de uma trilogia de Stephen King que virará série de TV nos Estados Unidos. Em 2015, o autor venceu o prêmio Edgar Awards na categoria melhor romance com este livro. O prêmio é concedido anualmente nos Estados Unidos pela Mystery Writers of America.

Garanta já o seu em algum dos links abaixo:

Lançamentos DarkSide Books - O circo mecânico Tresaulti e Batman: Arkham Knight

| 10 março 2016 | 6 Comentários |
E então, pessoal. Já viram os lançamentos da Editora DarkSide Books? Já adianto que vem muita novidade maravilhosa por aí, mas por enquanto, quero deixar vocês com vontade de sair torrando o dinheiro na livraria mais próxima com dois títulos que prometem ser incríveis. O primeiro deles:


O Circo Mecânico Tresaulti[Sinopse do Skoob]

Num mundo pós-apocalíptico, onde as pessoas não tem mais acesso à tecnologias de ponta, uma caravana circense leva esperança por onde passa. Os artistas são sobreviventes de guerra, que tiveram seus corpos mutilados reconstruídos com complexas estruturas mecânicas.


E detalhe: o livro é em capa dura. Pra quem conhece o trabalho primoroso da editora, já sabe que vai se encantar, e para os que não conhecem [de que mundo você é, please?] saiba que vai investir sua graninha num livro de excelente qualidade e diagramação...


O Circo Mecânico Tresaulti
Genevieve Valentine
Editora DarkSide Books
320 páginas
2016


E calma que ainda tem mais novidade. A editora lança esse ano o livro Batman: Arkham Knight. Aos fãs do morcego, a novidade deixou todos em polvorosa...
Confira a sinopse, retirada do Skoob:

Batman: Arkham Knight é a adaptação literária oficial do game que conquistou fãs e críticos em 2015. Uma parceria entre a DC Comics, a Warner e a DarkSide® Books que virá com aquele padrão quase psicopata de qualidade que os fãs brasileiros merecem.

Tudo começa um ano após a morte do Coringa. A cidade, que havia se transformado num hospício a céu aberto, finalmente volta à sua rotina normal. Mas é claro que a paz não pode ser duradoura em uma metrópole que esconde vilões como Charada, Pinguim, Hera Venenosa, Arlequina e Duas Caras.

Desta vez, quem inicia uma nova onda de terror é o insano Espantalho. Na noite do Dia das Bruxas, o vilão detona um ataque químico para demonstrar o poder de sua toxina do medo. Os infectados sofrem delírios terríveis e, em seu desespero, acabam matando uns aos outros. Quase 6 milhões de habitantes fogem às pressas. Mas um certo herói jamais deixaria sua cidade natal à mercê dos bandidos.

Com o apoio de Robin, Oráculo, Asa Noturna, Alfred e do comissário Gordon, Batman parte para a batalha. Munido de inteligência dedutiva, resistência física invejável e aparatos tecnológicos que nem os exércitos mais bem armados do mundo têm acesso, Bruce Wayne não necessita de superpoderes – o que não significa que essa vai ser uma tarefa fácil.

Dois inimigos fatais surgem para desafiar o Homem-Morcego. O primeiro é o misterioso Cavaleiro de Arkham – um assassino com habilidades e armadura tão semelhantes às do herói mascarado que é quase como se Batman enfrentasse um clone. E para desequilibrar ainda mais essa luta, o segundo inimigo surge do nada. Mas ele não estava morto? O Coringa está de volta... ou é só um delírio? Descubra nas páginas de Batman: Arkham Knight. Pronto para jogar?


E aí, é ou não uma editora linda que vive de surpreender o leitor??? 

Batman: Arkham Knight
Marvin Wolfman
Editora Darkside Books
272 páginas
2016

Curtiram as novidades? E aguardem que logo tem mais. Como sempre, a editora da caveirinha mostrando o que tem de melhor... 



Histórias de arrepiar, por Regina Drummond...

| 09 março 2016 | 14 Comentários |
Confesso que quando fiz a escolha do livro Histórias de arrepiar, de Regina Drummond, publicado pela Giz Editorial, mesmo sabendo que era uma obra infanto-juvenil, pensei tratar-se de algo que iria me arrepiar de fato... Ledo engano, até certo ponto... 

Os contos são divididos em duas partes: Histórias que eu vi e Histórias que me contaram. Na primeira parte temos os contos O pássaro, sobre um rapaz que precisa tomar uma decisão importante sobre a saúde de seu pai, em coma por muitos meses; História de mulheres, sobre uma criatura maligna e tenebrosa que ao fim não é nada do que o conto aparenta mostrar; Vida alternativa, sobre uma vampira que reluta em se alimentar de sangue, seguindo uma dieta 'vegetariana'; Um gato pardo como outro qualquer, que é sobre um homem que cativa os gatos para fins desconhecidos [e esse me deixou realmente de estômago virado] e A boneca de porcelana, que eu poderia dizer que foi o salvo-conduto desta primeira parte e me permitiu prosseguir com a leitura com maiores esperanças... 



Não critico a escrita da autora, que é fluída e leve. Acredito que o problema foi a leveza demasiada de seus desfechos, pois eu esperava algo mais aterrador, e então me lembro que é um livro para crianças... Mas para alguém que passou a infância vendo as franquias de A hora do pesadelo, Sexta-feira 13, Alien e Halloween por incentivo dos próprios pais, é lógico que eu iria me decepcionar de alguma forma com o nível de horror encontrado na obra.. 

Com relação a diagramação, o trabalho da Giz está impecável. O livro traz algumas lápides, castiçais e teias de aranha ilustrando os contos, dando um charme peculiar a obra. Encontrei apenas um ou dois erros na revisão e só... No geral, o 'apanhado' de contos não me satisfez tanto, mas para aqueles leitores muito medrosos que ousarem se aventurar em suas páginas, será uma leitura divertida e interessante... Se você for muito exigente, creio que vai se frustrar um pouco... A forma como a autora conduz os contos é incrível, o que não me agradou foram os ápices, em especial o História de mulheres, que me deixou muito aborrecida... Quanto aos demais, foram satisfatórios, mas sem um toque especial... 

Na segunda parte, notei uma grande melhoria dos contos, inclusive no aspecto 'frio na barriga' enquanto lia... O primeiro deles é inspirado numa lenda romena, intitulado As bruxas da floresta. Conseguiu ser aterrador para a proposta a qual se propôs e teve seus momentos de tensão no ar. Digo o mesmo com o conto seguinte, A cafeteira, adaptado do original de Théophile Gautier, sobre uma noite peculiar num quarto de uma propriedade próxima a Normandia... Sreni Vashtar, adaptado a partir do original de Hector Hugh Monro, fala sobre as preces de um menino prestes a serem atendidas... [e sim, esse conto teve sua dose de macabro...].

Vera está morta. Mas seu viúvo, o conde d'Athol não aceitou perder sua amada para a Morte. E passa a conviver com a memória da esposa, num limiar entre lucidez e loucura... O conto original é de August Villiers de L' Isle-Adam e foi adaptado por Regina Drummond... Por último, mas não menos importante, temos o conto Homens de mármore, adaptado a partir do original de E. Nesbit. Confesso que essa história foi como uma cereja no topo do bolo, e só por ela, a pontuação que daria ao livro aumentou. Fabulosamente escrita, tensa do início até seu desfecho e cheio de detalhes que me fizeram percorrer mentalmente o ambiente em que se passa o conto...

Um casal vivendo numa casa perto de um bosque 'perde' sua empregada, camponesa do vilarejo que existe nos arredores do bosque, pois temerosa, ela deixou os serviços pedindo despensa ao seu empregador. Mesmo depois de descobrir o medo da pobre senhora, o marido nada conta a Laura, sua esposa, sobre o verdadeiro motivo da saída da empregada... E ele percebe que seu descuido foi o que assinou a sentença do fim de um casamento feliz...

"Eu ia e vinha, impregnando-me da beleza da aprazível campanha e do céu mutante. A noite estava mergulhada no mais absoluto silêncio. Parecia deserta. Nem um coelho se recolhia, nem um único gorjeio de algum pássaro prestes a adormecer e, mesmo que as nuvens se enfileirassem no céu, o vento que as levaria não seria capaz de descer o suficiente para movimentar as folhas mortas dos caminhos do bosque. Além dos prados, eu via o sino da igreja que se recortava, cinzento e sombrio, contra o céu."


Em suma, a primeira parte não me agradou, mas a segunda parte realmente me surpreendeu. Já estava pensando numa leitura fadada ao 'nada de relevante ou inquietante', e então Regina me fez mudar de ideia... Vale a pedida, seja você apreciador do Horror ou não...

Poesia feminina - Uma singela homenagem ao Dia Internacional da Mulher

| 08 março 2016 | 10 Comentários |
Hoje é comemorado o Dia Internacional da Mulher e resolvi fazer uma pequena postagem trazendo poemas de algumas das minhas poetisas preferidas. Espero que apreciem...


O canto do último encontro
Anna Akhmatova

Sentia-me sem forças, gelada, 
mas os meus passos eram leves.
Na mão direita tinha a luva
da mão esquerda, ao partir.

Eram realmente tantos degraus?
Eu sabia que eram só três!
O Outono abraçava os plátanos
e murmurava: "Morre comigo!"

É o meu destino
que me enganasse e me traísse.
Eu respondi: "Oh, meu amor!
Eu também.. Contigo morrerei..."

Este é o canto do último encontro.
Olhei para a casa escura,
Só no meu quarto, amarelo e indiferente,
ardia o fogo das velas.



Outono de Rã
Sylvia Plath

O verão envelhece, mãe impiedosa.
Os insetos vão escassos, esquálidos.
Em nossos lares palustres nós apenas
Coaxamos e definhamos.

As manhas se dissipam em sonolência.
O sol brilha pachorrento
Entre caniços ocos. As moscas não chegam a nós.
O charco nos repugna.

A geada cobre até aranhas. Obviamente
O deus da plenitude
Está morando longe daqui. Nosso povo rareia
Lamentavelmente.



Picasso a rir
Patti Smith

bloco-notas
amor divino é assim.
invisível.

bloco-notas
Novembro 1. dia de todos os santos. rimbaud-o. vai pró diabo. picasso sabe. foda-se como ele realmente sabia! por onde andará ele agora?

bloco-notas
picasso sai-se com esta: quando ele morrer que ninguém diga nada.
deixem que a vida continue a mover-se como um mito.
até que de súbito alguém toque um sino. depois de uma diz porque é que é maior que um século.
ou mais perfeitamente dois séculos.

diário. domingo. 8 Abril, 1973.
picasso morre.

Abril é o mais cruel dos meses etc. que fica?
os ossos de brian jones. amigo de jim morrison. o lenço estampado
de jimi hendrix. anjo de tira de couro. a grinalda de garland.

o colarinho engomado de baudelaire. o gorro
escultural de voltaire. o elmo dos cruzados como um templo em si. a mala de rimbaud. o seu membro artificial genuflecte. espaço surrealista. o cérebro de pássaro de brancusi.

cocaína superfície lisa. o espelho de mão de carole lombard. p sobretudo de rothko, o negro vestido de malha de piaf. fotografias. picasso a rir. picasso a dançar. picasso a pescar. picasso a andar de cadillac. um desgosto uma pincelada. a luz deslizando através da janela da vivenda. o sol a nascer e a pôr-se e a dormir em limpos lençóis brancos impecavelmente dobrados e
a camisa de picasso com o colarinho em forma de barco.



Que essa data sirva de reflexão a todos para que sejamos tratadas dignamente e com respeito todos os dias, e não apenas no calendário de março... E que mais mulheres sejam lidas...

Compras e Recebidos - Fevereiro/2016

| 07 março 2016 | 14 Comentários |
E vamos a mais uma caixinha de correio do mês. Dessa vez trago a todos os leitores as compras, trocas e livros de parceria que recebi em Fevereiro. Já adianto que não comprei tanto assim, mas as trocas foram bem frequentes...  Eis a lista...

Livros de troca



Oito contos de amor - Lygia Fagundes Telles
Contos brasileiros contemporâneos - Vários autores
Som e fúria - William Faulkner
O surgimento das nações - Leon Pomer
A mulher na história do Brasil - Mary del Priori
Batman a guerra da secessão - Elliot S. Maggin, Alan Weiss


Depois de uns dias fui ao sebo novamente e fiz mais trocas:

Marília de Dirceu e Cartas Chilenas - Tomás Antônio Gonzaga
Persuasão - Jane Austen
A ilha misteriosa - Julio Verne
Medeia - Eurípedes
Roma, poderosa e legendária - Carl Grimberg
Júlio César - Carl Grimberg
Converse em italiano e 30 dias -Com a pronúncia figurada - Raul Reinaldo Rigo

Na banca de revistas, comprei apenas o de praxe, alguns mangás e quadrinhos que faço coleção. São eles:



Hellsing 8
Yu Yu Hakusho 16
Star Wars 01
Dalai Lama em quadrinhos
Coleção Histórica Marvel Homem-aranha 12
Hellsing 9
Star Wars Volume 2


Mas acabei comprando algumas revistas também...

Arquivos secretos do medo
Exorcismos
100 super filmes de terror
Segredos da mente psicopatas
Conhecimento prático literatura
Revista Cult Especial - Queer
Revista Mundo Nerd #12
A verdade por trás dos contos de fada



Fiz algumas trocas de livros por meio de um grupo de trocas no Facebook, adquiri os seguintes títulos:

Pedro Malasartes - Nelson Albissú
A história sem fim - Michael Ende
O flautista misterioso e os ratos de Hamelin - Braulio Tavares



Ganhei uma promoção no blog Seguindo o Coelho Branco, da minha amiga Alice, e o prêmio foi o livro Mulheres, de Carol Rossetti. A editora ainda enviou um kit de marcadores pra mim... Adorei a leitura...

O autor parceiro Alexandre Apolca me enviou dois exemplares de seu livro Rockefeller. Terminei a leitura hoje e logo sairá a resenha. O outro exemplar será sorteado em breve. Aguardem!!!



Ainda no grupo de trocas do Facebook, resolvi negociar mais livros. Recebi em outra troca os títulos:

Pra você eu conto - Moacyr Scliar
Antes do baile verde - Lygia Fagundes Telles
Quem tem medo de vampiro? - Dalton Trevisan

Só não li o de Lygia [ainda], mas os outros dois logo terão resenha publicada este mês...


Da Editora Hyria, parceira aqui do blog, recebi o livro Floris e Brancaflor. A leitura já foi feita e tem resenha dele. É só clicar no nome do livro pra conferir! A leitura foi breve e encantadora...


Recebi de Tailany do blog Despindo Estórias o livro Os meninos da Biblioteca, de João Luiz Marquez. Esse livro é do Book Tour da Editora Biruta, organizado por Kris Monneska, do blog Conversas de Alcova. Já foi lido, resenhado e vai dar sua última viagem rumo à casa de Kris...



Por último, mas não menos importante, o único livro comprado do mês: Guerra Civil, de Stuart Moore. Não resisti em vê-lo numa promoção... 




Então é isso. Espero que tenham curtido minha caixinha. Como pode perceber, recebi bastante coisa, não? As leituras foram maravilhosas, exceto uma ou outra... enfim... Até a próxima... Me contem o que já leram dessa lista... Beijos... ^.~

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...