Semana Especial Claudio Duffrayer Parte II

| 24 fevereiro 2016 | |
Estou dando continuidade à entrevista feita ao autor parceiro Claudio Duffrayer, e que faz parte das postagens Semana Especial [sobe o autor]... Espero que apreciem esta parte da entrevista...


TN – Quais são a vozes, ou inspirações, que ecoam em sua poesia?


“Essa inquietude crucifica meu peito;sem anestésico/ela corta através da carne cancerosa/Essa inquietude tira meu fôlego”

Esse é um trecho da música “This Unrest”,parte do disco “Tinderbox” da banda Siouxsie and the Banshees. Pouquíssimas vezes me senti tão contemplado pelas palavras de alguém. “Tinderbox” é um dos meus discos preferidos da banda, além de “Joinhands”, “A Kiss in the Dreamhouse” e “The
Rapture”.Conheci-os através do show “Nocturne” exibido em algum canal fechado no fim dos anos noventa.Cada disco que eu ouvia,cada letra parecia descrever minha vida não só como ela se encontrava naquela época,mas,de certa forma,como ela sempre fora. Siouxsie Sioux levou-me às lágrimas não só com a música “The Rapture”,mas cantando “Disconnected” com seu projeto
paralelo,The Creatures. Perguntei-me: “Como alguém que nunca vi pode saber tanto a meu respeito?”

Só o Depeche Mode, que conheci antes com seus discos “ULTRA”(uma obra prima),“Music for the Masses”, “Violator” e “Songs of Faith and Devotion” teve o mesmo efeito,ou quase- sou tentado a pender para o lado dos Banshees por alguma razão.Também conheci Bauhaus a partir daí(eu acabei adquirindo a coletânea “Crackle” e a ouvia várias e várias vezes) e The Cure. Pet Shop Boys
eu já conhecia desde o disco “Very”, que adquiri logo quando foi lançado(considero a coletânea “Alternative” muito melhor,curiosamente.)  Esses artistas não só me ensinaram a escrever, mas me ajudaram a sobreviver. Eu recorria a cada um deles nas minhas piores horas.O débito que tenho para com essas pessoas é,de fato,impagável.Enquanto eu os ouvia,especialmente o pós-punk(Joy Division eu viria a conhecer um pouco mais tarde,pesquisando sobre as raízes do Punk em uma época em que não havia internet)redescobria a nossa geração de 22(estava começando a escrever meus próprios poemas)e conhecia a Geração de 45(com a qual me identifiquei muito mais).

Que fique claro uma coisa:eu tive muita sorte por ter em casa Garcia Lorca e não só seu “Poeta em Nova York” mas também seu “Romancero Gitano” ,além das obras completas de João Cabral de Melo Neto(ou não tão  completas- a edição que tínhamos era de 69/70,se não me engano)e a primeira
edição do “Poema Sujo” de Ferreira Gullar. Fazer essas leituras, bem como o “Paranoia” de Roberto Piva e “Faz Escuro mas eu Canto” ,de Thiago de Mello , mudou tudo.Não o que eu achava
que sabia,mas o que eu sentia em relação à literatura.Ela era ainda mais vasta e rica do que eu jamais sonhara. É o que os grandes nomes fazem conosco. Mudam nossas vidas.


TN – Se você pudesse escolher um leitor (a) especial e dedicar uma das poesias do livro, quem seria, qual a poesia e o motivo de sua escolha?


       
A leitora seria Mayara Ribeiro Guimarães,e o poema seria “A Esfinge”.Tivemos um debate longo sobre ele.E não foi à toa.Sensível e empática como é,Guimarães percebeu no poema uma ruptura com o que eu escrevera até então.Minha poesia estava mudando...e nenhum de nós sabia como e que direção exatamente ela tomaria.Bem,eu tinha um plano e algumas estratégias,mas ela,à sua própria maneira,alertou-me de que a poesia pode nos surpreender(por mais absurdo que pareça, eu não me dera conta disso até então). 
De qualquer forma,a crisálide foi rompida e o livro terminado.Cá estamos...


TN – Se você pudesse ser devorado por uma de suas poesias, qual seria? Motivo?
     
SOU devorado pela minha poesia. E a devoro de volta. Não se escreve poesia sem entregar-se,e essa entrega precisa ser,forçosa e logicamente,absoluta, em um processo urobórico. Entrega é a palavra adequada.É uma das formas que temos de fazer as pazes com a poesia,com nosso próprio íntimo,em um mundo que exige tudo de nós menos verdadeira criatividade(cobrando obediência cega),adequação a qualquer preço(mesmo que isso signifique abdicar de quem se é). Nós, portadores de uma sensibilidade aguçada.Os tortos.Os esquisitos.Os outros. Artistas. Poetas no sentido formal ou não.Nós,que trazemos conosco a bala no corpo,a lâmina sem cabo,o relógio;as chamas lazarentas.

TN – Qual de suas poesias você dedicaria ao Brasil e por quê?.
       “Sorvo”.

A intensidade de nossas emoções é mundialmente conhecida. A intensidade dos brasileiros.Nesse sentido,somos muito parecidos com os irlandeses,por exemplo.E esse poema fala sobre isso.Sobre não lutar contra essa intensidade,ao contrário,abraçá-la como parte de nós,pois ela é parte de nós.Aprendemos a reprimi-la,o que é triste.Evidentemente falo dos brasileiros que não se escondem
atrás de grades em condomínios fechados,pouco se importando com o que se passa fora de seus muros,com suas mentes tacanhas e eurocentristas.Falo dos brasileiros que não tem vergonha de suas raízes e lutam todos os dias.


TN – Quando o leitor diz não gostar de poesia ou poemas, pois não compreende nada, que análise você faz desse relato?

     
Cabe ao professor,ao invés de impor conceitos abstratos em mentes juvenis,fazer a ponte entre a obra e o leitor.Esse argumento (“não entendi nada”)costuma vir de pessoas mais jovens e desacostumadas a leituras minimamente complexas.Isso vale até hoje.Ponho a culpa na forma como ela (a poesia e a literatura em geral) é ensinada. É preciso que o professor permita que a obra toque o leitor,ao invés de esfriá-la com um conceitualismo empobrecedor.A propósito,não é por acaso que tantos alunos,oriundos das “melhores” e mais tradicionais escolas se perdem na graduação.Formam-se sem a menor ponta de senso crítico.Aprenderam,desde cedo,a não pensar. Somado a isso o bombardeio
de livros destinados a um público que não tem como se defender , pois já teve sua capacidade questionadora esmagada,o desastre é inevitável. Curiosamente, isso nunca me aconteceu. A experiência de não ser entendido, quero dizer. “Por isso é tão bom, você não precisa explicar” disse
uma colega minha sobre meu livro.Uma colega maior de idade.Fiquei muito feliz,sentindo que cumprira minha missão- pois penso que o trabalho de um poeta deve falar por si.É claro,poesia não se entende nem se explica,mas sente-se.É com o coração que lemos.De qualquer forma,volto à Lispector: “Não se preocupe em ‘entender’. Viver ultrapassa qualquer entendimento.” E o que é poesia senão vida?



Então é isso, logo haverão as últimas postagens... Se quiserem acompanhar a Semana Especial desde o início, só clicar neste link... Lembrando que ao fim da semana, haverá sorteio de um exempalr como o da imagem abaixo... Beijos...


8 Comentários:

Nádya Macário Says:
24 fevereiro, 2016

"Cabe ao professor, ao invés de impor conceitos abstratos em mentes juvenis, fazer a ponte entre a obra e o leitor" Concordo plenamente. Infelizmente muitos professores não preparam o aluno para a leitura, não dão uma idéia prévia e jogam o livro apenas por jogar, para "incentivar" a leitura. A entrevista está perfeita, muito eloquente e com perguntas e respostas sagazes. A idéia da semana especial achei fascinante e valoriza o autor. Um grande abraço!

Kris Oliveira - Conversas de Alcova Says:
24 fevereiro, 2016

Oi Val, como sempre seu trabalho impecável, achei as suas perguntas muito pertinentes e interessantes, porém serei bem sincera em relação as respostas, as achei bastante redundantes e confusas, o que acabou deixando a dinâmica da entrevista bem cansativa.
Acho que os autores deveriam usar melhor esse canal de propagandas que são as entrevistas para tentar vender o seu produto e conquistar os leitores e para isso nada melhor que a simplicidade e a clareza. Eu não conhecia a obra do autor e confesso que diante de tanta falácia, não fiquei nem um pouco tentada a conhecer. Beijos

Morgana Brunner Says:
24 fevereiro, 2016

Oiii, tudo bem?
Eu tinha visto a primeira parte e gostei muito. Agora vendo essa capa? Gente, precisooooo, me deixou curiosa como sempre em tuas postagens.
Beijão

Beatriz Andrade Says:
25 fevereiro, 2016

Olá, eu ainda não o conhecia mas pelas palavras nesse entrevista eu pude perceber quanto ele é inteligente. Concordo com ele quando diz que pessoas que costumas falar que não entendi são mais jovens, tenho percebido que é uma preguiça de entender ou a falta de interesse mesmo. ´´E preciso muito incentivo ainda, mas não só para os jovens, para os leitores em geral que têm deixado a poesia de lado

Leituras Compartilhadas Says:
25 fevereiro, 2016

O gosto musical do autor se parece com o meu. Gostei muito da entrevista, estou indo conferir a primeira parte! O autor parece ser muito intenso. Eu já havia lido uma postagem do blog sobre ele, e a impressão foi a mesma. Creio que não são somente as pessoas mais jovens que dizem não entender nada. Penso que há muitas pessoas inseguras quanto à leitura de poesias, em todas as idades. Concordo com o autor quando diz que isso tem relação com a forma como a literatura é ensinada. O problema é que a maioria dos professores que trabalham poesia com seus alunos também não foram tocados por ela, infelizmente. Parabéns pela ideia de fazer uma semana sobre o autor!

Tatiana

Déborah Says:
25 fevereiro, 2016

Valéria, não tinha visto a primeira parte da entrevista, mas já com essa deu pra conhecer bem o autor e gostei muito.
Adorei esse trecho: "SOU devorado pela minha poesia. E a devoro de volta."

Lisossomos

Literaleitura Says:
26 fevereiro, 2016

Como já falei anteriormente, eu adoro essas entrevistas, assim podemos conhecer mais sobre os autores.
Eu não conhecia muito bem o autor, e fiquei encantada com suas palavras. Concordo quando ele menciona o importante papel que o professor tem na ligação entre a obra e o leitor. Nossos jovens estão adquirindo o péssimo hábito de se acomodarem e acabam tendo preguiça de pensar, é cada vez mais perceptível esse tipo de situação. Triste mas real!

Beijokas da Quel ¬¬
Literaleitura

Lumartinho Says:
26 fevereiro, 2016

Oie VAl!
Nossa, eu adorei sua entrevista, principalmente a pergunta sobre o leitor não gostar de poesias, a resposta do autor foi ótima. Acho que muita gente não gosta simplesmente porque impõe conceitos na gente.
Parabéns pela entrevista!!
Beijos


LuMartinho | Face

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...