Joyland

| 13 fevereiro 2016 | |


Mesmo entre aqueles que não possuem o hábito de leitura, o nome Stephen King não costuma passar despercebido. E todos logo assimilam seu nome ao gênero "Terror". "É o cara que escreveu Carrie, o 'autor do filme que Nicholson faz um maníaco com um machado'. 'Aquele gato preto do cemitério indígena', 'A dança da morte', e por aí vai... Entre os leitores, ele pode não ser apreciado por todos, mas até o momento, jamais ouvi alguém falar que sequer tenha ouvido falar de sua fama... 

Pois bem... Joyland não se trata de um livro pavoroso de terror, embora possua elementos do gênero. E - pasmem! - a leitura dele me deixou aos prantos com seu desfecho. E isso é certamente algo incomum, pra não dizer surpreendente...

Juntem um parque de diversões com uma famosa roda-gigante [Carolina Spin], um rapaz que levou um pé na bunda ao ser trocado por outro e uma temporada de férias de verão. Não esquecer outro detalhe: o fantasma de uma garota degolada no trem-fantasma desse parque por um assassino desconhecido. Muitos pensariam tratar-se de mais um livro de fantasmas assombrando o local e seus frequentadores, mas essa linha de raciocínio vai muito além disso...

Devin Jones tem apenas 21 anos e vai trabalhar no parque Joyland, e lá conhece pessoas interessantes. Rapidamente faz amizades e consegue cativar a admiração de seus empregadores, exceto de um funcionário que na realidade não gosta de ninguém... Erin é uma ruiva que não desgruda de Dev, e começa a namorar com outro rapaz que trabalha por lá, Tom... Temos a vidente Fortuna, a senhora Emmalina Shoplaw, que o recebe como inquilino no período em que vai morar próximo ao parque, e uma mãe com seu filho morando numa mansão antiga, nas imediações... A mulher é bastante enigmática e parece não gostar quando Dev passa por Mike e seu cão Milo e cumprimenta o garoto, que vive numa cadeira de rodas...

Narrado em primeira pessoa pelo próprio Devin, ele narra os acontecimentos daquele longínquo ano de 1973, em que acabou tendo uma experiência única e diferente de tudo o que havia vivido até então. E sobre a narrativa, não cansa. Em nenhum momento. Embora o leitor queira 'ação', não vai desgrudar do livro enquanto não conseguir descobrir o que houve com esses personagens... E até que a 'ação' chegue, muito terá sido revelado...

Depois que seu amigo Tom vê Linda Gray e de tanto pavor, não deseja nunca mais pôr s pés no parque, Dev se despede dele e Erin, mas logo a garota aparece deixando o rapaz intrigado com algumas pesquisas feitas sobre a morte da garota, alguns anos antes... Eles descobrem que houveram mais garotas mortas e que o assassino tem alguma ligação com parques de diversão... Adentrando cada vez mais nesse mistério, a solução do caso se mostra aterradora e perigosa...

King ousa e entrega ao leitor personagens completamente envolventes que nos fazem conectar profundamente com a história. Seu emocional é abalado, a tensão é quase palpável a cada virar de páginas e nos faz refletir sobre as pessoas que entram e saem de nossa vida todo o tempo, e no quanto podemos nos enganar - positiva ou negativamente - com elas... Nada é o que parece ser, e Joyland cumpre a proposta - com ares pulp - de deixar o leitor de queixo caído... O desfecho soou poético e inusitado... nunca pensei que iria chorar com o rei do terror...

A qualidade gráfica e de diagramação do livro estão impecáveis e pretendo adquirir mais livros da Suma de Letras... Não poderia ter estreia mais maravilhosa que essa com seu catálogo... 

Espero que tenham gostado da resenha. E até a próxima postagem ;)

P.s: Esse livro cumpre o Desafio do mês de Fevereiro - Poisonous Bloggers Challenge 2016, como sendo o livro com a capa mais bonita da sua estante... 

17 Comentários:

thaila oliveira Says:
14 fevereiro, 2016

King tem um jeito particular de se reinventar a cada livro, mas sinceramente não me cativo por suas histórias, não temos muita liga não
http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

Books And Carpe Diem Says:
15 fevereiro, 2016

Olá.
Olha eu tenho vários amigos que são fãs mesmo deste autor mas eu infelizmente não me atraiu em nada nele. Mas bela resenha.
Beijos.

Aléxia Oliveira Says:
15 fevereiro, 2016

Nunca li nada do Stephen King, apesar de ver que parece ser bem interessante as obras dele, me dá bastante medo coisas de terror, mesmo quando tem pouco. Fico curiosa, mas sei que nao posso ler caso queira dormir pelos proximos dias, haha. Flores no Outono

Morgana Brunner Says:
15 fevereiro, 2016

Oiii meu bem, como você vai?
Bom, o que falar deste livro um grande mestre? Eu fiquei maravilhosamente contente que tenha escolhido como um dos livros com a capa mais bonita, a edição ainda não puder ver pessoalmente, mas por foto pude me encantaar! Adorei a sua resenha, e com toda certeza irei querer adquirir mais livros da suma das letras.
Beijão

Danielle Rodrigues Says:
16 fevereiro, 2016

Oi Valéria, por pouco não comprei esse livro para ler semana passada, a capa dele me chama atenção a um tempo, porém é a primeira resenha que leio e que despertou ainda mais o interesse nessa leitura. O bom desenvolvimento dos personagens e a ótima narrativa me deixou ainda mais instigada para ler. Dica anotada.

Camila Coelho Says:
16 fevereiro, 2016

Eu sou apaixonada por King e ouso dizer que apesar desse livro ser um pouco diferente dos que ele está habituado a escrever, o achei tão sensacional que para mim é um dos melhores escritos pelo autor. Tomara que façam uma adaptação cinematográfica.
Menina eu imaginei que o assassino era todo mundo, menos quem foi. E achei essa uma ótima jogada do King.
E também me emocionei com o final e outras partes também quando por exemplo ele ajuda Mike a soltar pila ou o leva ao parque para se divertir.
O livro.tem esse misto de um pouco de terror,mistério, emoções fortes. Tudo que o King sempre nos proporciona de melhor.
Bj
Camila Bernardini Coelho

Nilda de Souza Says:
16 fevereiro, 2016

Esse é o livro de Ling que mais quero ter na minha estante, por achar a capa linda, justamente por causa dessa pegada Pulp. Pela sua resenha não vou me arrepender. Fiquei intrigada para ler a parte que te levou a ficar aos prantos.

Beijos!

Raquel Cavasini Says:
16 fevereiro, 2016

Oi, eu adoro King...ganhei esse livro no ano passado, mas ainda não consegui tempo para ler. Espero poder conferir essa história em breve!

Beijokas da Quel ¬¬
Literaleitura

Fernanda :) Says:
16 fevereiro, 2016

Oi!
Acredita que nunca li nada do Stephen até hoje? Morro de vontade, mas confesso, falta-me coragem, hahaha. Sou uma medrosa quando se trata de livros de suspense e terror. Ainda mais conhecendo o Stephen e o estilo de escrita dele, rs.
Porém, farei uma tentativa esse ano.
Adorei sua resenha!

Bjs!

Leticia Golz Says:
17 fevereiro, 2016

Oi, Maria
Você tem razão, sempre que penso em King, penso em terror. Tenho vontade de ler seus livros, este inclusive. Deve ser tenso e reflexivo mesmo imaginar o quanto podemos nos decepcionar com as pessoas. Adorei a dica, quem sabe eu leia em breve.

livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

Daiane Says:
18 fevereiro, 2016

Oie, tudo bem?
E não sou muito fã do gênero, mas tenho muita vontade de conhecer a escrita do Stephen. E como você disse, esse nome é conehcido por todos. Esse é um livro que eu tenho vontatde de ler, e a sua resenha me deixou ainda mais cativada a começar a leitura em breve. Espero que eu curta e mude a visão do gênero.

Beijos,
Dai | Blog Cheiro de Livro Nacional

Jéssica Melo Says:
18 fevereiro, 2016

Olá, apesar de amar muito esse gênero eu ainda não tive a chance de ler nenhum dos livros do autor, pela sua resenha este esta bem bacana e desenvolvido *-* Se tiver chance pretendo lê-lo *-*

Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

Vanessa I Linda Estante Says:
18 fevereiro, 2016

Eu amo King!! E esse livro está parado aqui na minha estante.
Acho essa capa linda. Nossa, você chorou no final? Acho que é a primeira pessoa que vejo falar isso, bem interessante.
Beijos!

Larissa Fernandes Says:
19 fevereiro, 2016

Ola, tudo bem?
Não esperava nada menos do que uma resenha super positiva do King, sou um pouco medrosa então por mais que morra de curiosidade demoro um pouco para ler qualquer livro dele.
Gostei muito da sua resenha!
Beijos, Larissa (laoliphant.com.br)

Roberta Gouvêa Says:
19 fevereiro, 2016

Olá :D
Não posso ler resenhas assim rs. Fico morrendo de curiosidade, porque adoro mistérios. Mas, ao mesmo tempo, sou medrosa e não posso ler livros de terror. Então, sou obrigada a permanecer na curiosidade. A história chamou muito a minha atenção e adoro ficar surpresa com os esclarecimentos.
Beijos <3

Danni Silvaa Says:
21 fevereiro, 2016

oi
sempre ouço criticas positivas acerca desse livro
ainda não li mas pretendo em breve usufruir dessa leitura.

Quero ser Alice Says:
21 fevereiro, 2016

Oie, tudo bem? É impossível que exista alguém que não conheça Stephen King, seja por livros ou por seus filmes. Os filmes dispensam apresentações são realmente assustadores, alguns dele não consigo assistir até hoje, sou muito medrosa haha Esse livro ainda não conhecia mas fiquei bem curiosa pelo enredo. Beijos, Érika

- www.queroseralice.com.br -

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...