Poemas, de Byron...

| 22 janeiro 2016 | |
A 22 de janeiro de 1788 nascia George Gordon Byron, famoso poeta inglês mais conhecido como Lord Byron... Mesmo tendo nascido em Londres, passou boa parte de sua vida na Escócia. Aos três anos perde seu pai e aos dez, ganha o título de lorde, juntamente com as propriedades de seu tio-avô. Seu primeiro volume de poemas é publicado em 1807, mas não foi reconhecido de forma positiva pela crítica da época... Dois anos depois viaja pela Europa e pelo Oriente Médio, inclusive a Grécia, cuja paisagem e hábitos lhe causaram uma forte impressão... 


Ele começa a escrever um longo poema autobiográfico que lhe rendeu fama imediata. Em 1815, acaba se casando com Anne Isabella Milbanke mas um ano depois sua mulher o abandona, devido a rumores de uma relação incestuosa que ele mantinha com sua meio-irmã, Augusta Leigh. Se envolve com uma condessa italiana, engaja-se de maneira superficial à política dos carbonários, e em 1819 publica os dois primeiros cantos de sua obra-prima mais conhecida: Don Juan. Acaba por falecer na Grécia, devido a uma febre, um ano depois de lutar com os gregos pela independência do país, em 1824... 

Apresentado o autor, venho falar sobre uma obra que possuo em meu Acervo: Poemas, publicado pela Editora Hedra. Trata-se de uma edição de bolso composta de várias composições de grande significado para o poeta. Há também antologias e excertos de Don Juan e poemas retirados da obra Hebrew Melodies. No Brasil, a poesia de Byron foi forte influência para autores como Castro Alves, Álvares de Azevedo, Bernardo Guimarães, entre outros. A obra de Byron recebeu elogios de Goethe e Shelley [que era amigo do poeta]... 

O livro conta também com um prefácio de Péricles Eugênio da Silva Ramos, que discorre sobre a vida do autor, desde a infância até sua viagem ao Oriente Médio, sua relação com a meia-irmã e seus relacionamentos amorosos... Boa parte da geração de românticos da nossa literatura se inspirou na obra Byroniana. Em seus escritos, estão presentes a dúvida, descrença, blasfêmias e certo humor negro... Seus poemas são embriagantes e trazem certo fascínio melancólico e mórbido ao leitor... 


A edição da Hedra é bilíngue e traz várias notas de rodapé acerca de algumas particularidades encontradas nos poemas... Dentre eles, uns dos mais belos, a meu ver, são Ela caminha em formosura, Assim não mais iremos vaguear, Adeus, E morreste tão jovem e formosa, Trevas e Versos inscritos numa taça feita de um crânio. Há também cartas e sonetos escritos para Augusta... 

Encerrando o post, deixo um trecho de um de seus poemas mais memoráveis... Espero que tenham gostado da resenha... Algum de vocês conhece o autor e/ou sua obra? Têm vontade de ler?

Mais um esforço, e livre estou depois
"Mais um esforço, e livre estou depois
Da angústia que me parte o coração em dois;
Um último suspiro a ti e ao teu amor
E à vida ativa retornar então:
Serve-me agora misturar-me sem calor
Com seres pelos quais jamais tive atração:
Já que toda alegria aqui eu vi fugir,
Que dor futura ainda pode me atingir?"

"One struggle more, and i free
From pangs that rend my heart in twain;
One last song sigh to love and thee,
Then back to busy life again.
It suits me well to mingle now
With things that never pleased before:
Though every joy is fled below,
What future grief can touch me more?"

31 Comentários:

Daniele Vieira Says:
25 janeiro, 2016

Olá
Acho dificil alguém não conhecer Byron, li muito pouco dele e em uma época que não favoreceu muito. Acho que hoje eu me daria melhor com ele.
Falando um pouco sobre sua edição, adoro notas de rodapé; elas dão um charme alem do contexto histórico.
Beijinhos

Andréa Fundo Falso Says:
25 janeiro, 2016

Olá!!

Sou uma péssima conhecedora de clássicos assim. Fico feliz em conhecer esse!
Hoje em dia em pouco leio poesia ou crônicas. Gostava mais na minha adolescência, principalmente nesse gênero. Hoje a correria do dia a dia me tira um pouco a concentração para ler coisas mais complexas, preciso mudar isso.

Bjus
blog Fundo Falso

Ana Carolina Lopes Aragão Says:
25 janeiro, 2016

Oi Val!

Adorei o poema que você escolheu para fazer parte do post. Ainda não conhecia o autor apesar de tudo que você disse sobre sua influência sobre conhecidos autores. Quero muito ter a oportunidade de conhecer outros e seus escritos :)

Dryh Meira Says:
25 janeiro, 2016

Oiee ^^
Já ouvi falar de Lord Byron na escola, mas não me lembro de ter lido nada dele. Adorei o trecho que você deixou no final da postagem, é muito profundo ♥ Agora fiquei curiosa para ler mais coisas dele...hehe' vou ver se encontro algo na biblioteca da escola *-*
MilkMilks
http://shakedepalavras.blogspot.com.br/2016/01/lancamentos-janeiro-editora-arwen.html

Bia Caroline Says:
25 janeiro, 2016

Hello :)

Olha, pra falar a verdade, eu não sou muito chegada em poesia e poemas, então com uma completa leiga nesse ramo literário. Achei bem legal o livro ser bilíngue, assim as pessoas que gostam do gênero podem praticar também praticar o inglês. Dica bem interessante!

Beijinhos e que a Força esteja com você!
www.cantinhocult.com

Jéssica Cruz Says:
25 janeiro, 2016

Olá, tudo bem? :)
Primeira vez que comento aqui e antes de mais quero dizer que achei super fofooooo esse gatinho do fim da postagem ^-^
Nunca tinha ouvido falar de Lord Byron, mas agora que sei quem é não fiquei interessada mesmo assim, porque poesia não é um género que me agrade :/
Beijinhos
www.fofocas-literarias.blogspot.pt

Ivi Campos Says:
25 janeiro, 2016

A primeira vez que ouvi falar em Byron, foi no filme Sociedade dos Poetas Mortos e na época, revirei a biblioteca da escola, copiando seus poemas. Até hoje, sigo apreciando, porque realmente, é bom demais!!!
Meu Amor Pelos Livros
Beijos

Mariana Baptista Says:
25 janeiro, 2016

Oi.

Tem um cachorro na minha rua que se chama Byron e sempre veio na minha cabeça Lorde Byron, mas na verdade era algo que me vinha em pensamento sem eu nem saber o motivo. Só agora com a sua resenha que me deparei com a explicação do porque. Eu nunca parei para pesquisar e apesar de amar poemas, eu também não tinha "cruzado" com ele ainda. Amei saber sobre o poeta e ler, mesmo que um pouco, o que ele escreveu.

Obrigada.
Mariana Baptista
umavidaporlivro.wordpress.com

Grazi Moraes Says:
25 janeiro, 2016

Pra ser bem sincera, tem certos livros que não nos chamam a atenção mesmo se tratando de uma resenha muito bem feita, este é um desses casos. Mesmo se tratando de poesia, algo que curto bastante.
Não conhecia o autor.
Acho muito bacana a ideia de notas de rodapé, afinal, muitas vezes são esclarecedoras no momento da leitura.

www.facesdeumacapa.com.br

kênia Cândido Says:
25 janeiro, 2016

Oi Maria Valéria.

Eu ando um pouco afastada dos poemas, e nem sei o motivo, principalmente dos clássicos. Sua postagem serviu de alerta para não deixa esquecer dos clássicos e dos poemas, poesias e crônicas. Vou fazer de tudo para retornar com essa estilo de leitura.

Bjos

http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com.br/

Camila Coelho Says:
25 janeiro, 2016

Nossa que legal. Faz tempo que não ouço ninguém falar de Byron, eu tive uma época mais dark e adorava os poemas dele.
Achei muito bacana você colocar toda a história dele aqui. Tinha muitas coisas que eu não sabia.
Bj
Camila Bernardini Coelho

Lara Caroline Says:
26 janeiro, 2016

Olá!
Não me lembro de ter ouvido falar do autor, apesar de ser um clássico, pelo que posso ver.
Poesia não é um gênero que costumo ler, pois a medida que vou lendo os poemas, eles acabam perdendo minha atenção muito rápido.
Mas para quem aprecia, deve ser um ótimo livro.
http://www.imperio-imaginario.blogspot.com.br/

Beatriz Andrade Says:
26 janeiro, 2016

Olá,eu ainda não tinha escutado falar dele, mas pelo que você falou da história eu até fiquei curiosa para saber mais a respeito de Byron. Esse trecho que você colocou em português eu gostei bastante. Eu gosto de poemas e poesias e até coloquei uma coluna no meu blog apenas para isso, foi bom ter visto o seu post, vou dar uma pesquisa nos poemas dele, quem sabe algum não vai parar lá rs

Sabrina Finoti Says:
26 janeiro, 2016

Oi!
Eu nem conhecia esse autor, e confesso que curtumo fugir dos clássicos e poesias/poemas, pois nunca consigo captar tudo que o autor tenta transmitir neles, e acaba sendo uma perda de tempo completa.
Mas gostei do trecho que você destacou, se os poemas forem todas assim é um ótimo livro

www.gordinhaassumida.com.br

Silvana Sartori Says:
26 janeiro, 2016

Olha amiga já faz um bom tempo que nao leio poemas
mas gostei desse ai que tu colocou na postagem. Espero poder acompanhar a coluna, porque tenho saudade de ler algumas sabe? Eu lia bastante quando eu era mais nova, principalmente para colocar em cartinhas de amor que fazia para os meus namoradinhos acredita? haahhaaha...Espero poder voltar a ler novamente, embora esteja com um livro aqui de poemas que meu terapeuta me deu da autoria dele e estou gostando bastante. Enfim... =]

http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2016/01/resenha-aprendizes-de-guardiao.html

babimontec Says:
26 janeiro, 2016

Oi, Maria! eu tinha um amigo do Ensino Médio que amava o Byron (não pelos poemas, mas pela fama dele por causa de seus conturbados relacionamentos amorosos..). Eu sempre tive curiosidade de conhecer mais da obra dele (além do que nos é ensinado nas escolas), mas eu nunca sei por onde começar a ler alguns poetas. Então seu post foi uma ótima dica de onde posso começar. Eu leio MUITO devagar coletâneas de poemas (estou lendo uma de Carlos Drummond de Andrade desde 2014), mas vou deixar anotadinho aqui porque quero muito conhecer mais o Byron <3

ps: como eu acho esse livro no Skoob?!

Um Metro e Meio de Livros

Daiane Says:
26 janeiro, 2016

Oie, tudo bem?

Maria, eu adorei conhecer o Lord Byron! Eu não tinha conhecimento dele, infelizmente. Adoro poemas, e sua resenha me deixou super curiosa para saber mais sobre ele, e o poema que você colocou no final, só terminou de me arrebatar. Curti demais! Muito obrigada pela dica e informação. Já vou começar minha pesquisa sobre seus poemas.

Beijos,
Dai | Blog Cheiro de Livro Nacional

Francine Porfirio Says:
26 janeiro, 2016

Oi, flor.
Sempre tive enorme curiosidade em conhecer as obras de Lorde Byron, justamente por sua fama literária. Mas confesso que meu preconceito acabou me fazendo evitar tal experiência… A verdade é que em minha cidade, quem lê tais obras clássicas é geralmente muito arrogante. :/ Uma pena, acho que uma coisa nada tem a ver com outra. Literatura nada tem a ver com o caráter ou valor de uma pessoa. Lendo sua resenha, no entanto, vejo que fui tola em adiar meu contato com tais escritos… Vou ler!

Beijos!
http://www.myqueenside.blogspot.com

D e s s a Says:
26 janeiro, 2016

Boa tarde!
Eu adoro poemas, mas desconhecia desse autor. Pelo que eu percebi é uma obra incrível, e amei saber que é bilíngue, não entendo muito de inglês, mas acho bacana para treinar, sabe?
É uma leitura que eu faria com certeza, adorei que você resenhou este livro para os leitores conhecer!
beijos
www.apenasumvicio.com

Ana Paula Lima Miranda Says:
26 janeiro, 2016

Oiii!!!

Que demais poder conhecer um pouco mais do autor!
Não conhecia a história dele nem essa obra.acho que o problema dos clássicos é que eles não são taaao divulgados e sempre ficam no mais do mesmo.
Gostei da dica!

Beijinhos

Thayenne Carter Says:
26 janeiro, 2016

Olá!

Tudo o que sei sobre o Byron é: ele foi um grande escritor e lá fora (especificamente nos Estados Unidos) todos que querem ser um bom escritor optam por ser inspirarem nele ou lerem algo sobre ele. Como não sou muito fã de poemas/poesias, acredito que não gostaria tanto assim de ler algo dele, mas quem sabe né? As vezes é só a falta de hábito, porém no momento não é algo que eu leria.

Beijos,
entreoculoselivros.blogspot.com/

Kétrin Galvagni Says:
26 janeiro, 2016

Olá, eu não conhecia esse livro ainda e confesso que não me interessei por ele, seilá mas não parece fazer meu estilo de leitura, por isso acredito que não leria ele no momento, mas talvez mais para frente daria uma chance. Ótima resenha!

Beijos

http://www.oteoremadaleitura.com/

Carla Says:
26 janeiro, 2016

Oie!
confesso que desconhecia esse autor assim como os seus clássicos publicados. Deu para notar que ele teve mais algumas relações amorosas, além do caso que fez com que se separasse da esposa. Gostei do trecho publicado, e fiquei interessada em conferir os poemas de Byron.
Bjks!
http://www.historias-semfim.com/

Ingrid Faria Says:
26 janeiro, 2016

Uma inspiração para Castro Alves... Não sabia dessa que bacana! Vou ser sincera que eu sabia bem pouco sobre o Byron e depois da sua postagem fiquei ainda mais interessada.
Morar no Oriente Médio deve ser um sonho hehe
beijos

Cila - Leitora Voraz Says:
27 janeiro, 2016

Oi Maria, sua linda, tudo bem
Confesso que não o conhecia. Fui ler o trechinho que colocou e achei bem triste mesmo, ainda mais sabendo o que aconteceu na vida dele. Não deve ter sido fácil se transformar em Lorde tão pequeno, e ainda mais naquela sociedade. Faz tempo que não leio poemas, mas esse com certeza acaba de entrar na lista obrigatória de leituras.
beijinhos.
cila.
http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

Estefânia Prates Says:
27 janeiro, 2016

Oiie,

Gente em que terra estou que não conheço os clássicos? Adorei em saber um pouco mais, e por ter sido uma inspiração para o grande Castro Alves, totalmente de respeito. Não o conhecia ele, mas adorei em conhecer um pouco mais, esse ano quero me deliciar um pouco mais nos poemas.

Bjs

Amantes da Leitura

Jessica Oliveira Says:
27 janeiro, 2016

Oi, Maria!
Eu já tinha ouvido falar alguma coisa de Byron na faculdade, mas não cheguei a ler nada dele ainda. Achei bem legal essa edição da editora Hedra e vou procurar para comprar. Vou aproveitar que coloquei como meta para esse ano ler alguns autores clássicos, e colocar a obra de Byron na minha meta literária também.

Beijos!

Books and Movies
www.booksandmovies.com.br/

Rízia Castro Says:
28 janeiro, 2016

Gente!
Lembro de ter lido vários poemas de Byron na escola e a faculdade de Letras
Sem dúvida é um clássico, sombrio e profundo.
Foi muito bom ver referência dele aqui.
Beijinhos
Rizia - Livroterapias

Mari Ramos Says:
29 janeiro, 2016

Eu já havia ouvido falar nele, mas assumo que por não ser muito fã dessa área de poemas e poesias acabei não me empenhando para procurar as coisas por ele escritas. Legal saber que a Hedra fez uma edição biligue.
Pelo pouco que falou da vida do autor, deve ter sido algo realmente complicado e pesado de se viver.
Conchego das Letras

Jucimara Pauda Says:
30 janeiro, 2016

Oi,

Sua resenha me fez recordar a minha adolescência. Li muita poesia de Byron e sempre achei ele fantástico. Seu post me deu a sensação de nostalgia. Adorei seu texto e sua indicação.

Beijos
Jucimara Pauda
Livro sem frescura e Resenhista do blog "I Love my books"

Amores e Livros Says:
01 fevereiro, 2016

Quando o assunto são os clássicos eu estou super por fora. Poemas então, mais por fora ainda. O que eu mesmo acho uma vergonha e pretendo começar a mudar isso...
Não conhecia o autor, mas amei o trecho que você colocou e fiquei curiosa em conhecer mais do trabalho do autor. A Hedra tem edições tão bacanas e me pareceu que essa está entre elas :)
Beijinhos,
Lica
http://amoreselivros.com.br

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...