Resenha - O retrato [Charlie Lovett]

| 12 dezembro 2015 | |


Recebi o livro O retrato, do autor Charlie Lovett, publicado pela Editora Novo Conceito e confesso que foi uma escolha às escuras. Não sabia ao certo o que iria encontrar na trama e até que achei uma leitura razoável... Mas... oras, o livro não é bom? É sim, mas não chego a classificá-lo como um dos melhores livros que li na vida, mas para leitores que buscam romance com uma pitada de mistério e idas e vindas em épocas diferentes, é um livro que vai satisfazer quem se adentrar em sua história... Vamos lá...

Peter Byerly é um amante de livros que perdeu sua esposa recentemente, Amanda. É um homem inseguro, que só conseguia se envolver e interagir socialmente quando a mulher estava por perto, ela era seu porto seguro, e depois de sua morte, ele resolveu se isolar completamente e apenas em seus livros conseguia anestesiar sua dor... Até que de repente, ele se depara com uma antiga fotografia antiga, dentro de um livro raro, e a mulher da foto parecia Amanda. Em busca de respostas, Peter acaba se envolvendo numa trama que envolve até mesmo um assassinato, a fim de descobrir quem era a mulher no retrato, e o que ele descobre em suas investigações é algo que pode mudar completamente a história da literatura inglesa, envolvendo o nome do famoso autor William Shakespeare...

Séculos antes, um também livreiro chamado Barth Harbottle tramou para que um livro intitulado Pandosto se tornasse uma obra única e de valor incalculável. O livro vai transportar o leitor para centenas de anos atrás e mescla a ficção com a realidade da história da arte e da literatura...

A narrativa é em terceira pessoa, e os capítulos são alternados em três épocas diferentes: de quando Peter conheceu Amanda e eles se apaixonaram, quando Peter perde sua esposa e sua busca desenfreada para descobrir o que há de Amanda naquele retrato e em épocas mais antigas, numa espécie de cronologia sobre o Pandosto, e quem eram as pessoas que tinham sido donas dele até que ele chegasse às mãos de Peter. 

Confesso que o início demorou um pouco para me fisgar, mas depois fui pegando o ritmo da leitura e cada capítulo deixava um ensejo para o que iria ocorrer nas páginas seguintes, me levando a uma leitura desenfreada para descobrir seu desfecho... Quanto ao final, achei satisfatório, pois preencheu as pontas soltas ao longo da história...

Em suma, é um livro para ser apreciado atentamente, e certamente vai envolver o leitor em sua trama... 

5 Comentários:

Nina Tavares Says:
15 dezembro, 2015

Oi!
Tenho esse livro aqui mas ainda não me animei a ler. Achei a sinopse fraca e sem graça, e pela sua resenha parece ser um bom livro, mas que demora a engrenar. Sendo assim, acho que vou deixar para ler mais para frente, quando estiver com mais tempo. Quem sabe nas férias?
Bjs!
Quem Lê, Sabe Porquê

Blog Resenhando Says:
16 dezembro, 2015

Oii,

Não conhecia esse livro, mas confesso que não me interessei por ele.
Achei a história meio fraquinha.

beijos

Isa Pasqualini Says:
16 dezembro, 2015

Olá Maria Valéria!
Acho que te entendo quando disse que o livro não te fisgou de primeira, comigo sempre acontece quando o enredo é dividido em tempos diferentes, eu me perco e fico com preguiça de me voltar pra ele kkkk
Acredito que em alguma época do ano que vem esse livro vai fazer algum sentido pra que eu o leia, então, vou deixar marcado no skoob de uma vez hahaha
bjsss
http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

Amores e Livros Says:
16 dezembro, 2015

Sabe que eu fiquei bem curiosa com esse livro na época do lançamento, mas depois meio que perdi o interesse. Me parece uma boa história, mas o estilo dele, essa coisa de se passar em mais de um tempo não é algo que me conquista...
Agora, ele está na lista de vou tentar ler se tiver um tempo - mas acho que isso não vai acontecer tão cedo...
Beijinhos,
Lica
Amores e Livros

Déborah Says:
17 dezembro, 2015

Valéria, gostei da premissa do livro.
Parece ser o tipo de livro que vai me prender. ^^

Lisossomos

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...