A estrada, de Cormac McCarthy

| 17 outubro 2015 | |
Imagine você num mundo pós-apocalíptico, tentando sobreviver em meio ao caos, sem comida ou abrigo garantidos e tendo que proteger seu filho de pessoas más que se entregaram a selvageria do instinto de sobrevivência humano, a ponto de canibalizar pessoas na falta de um cardápio melhor?



Eis a premissa de A estrada, escrito por Cormac McCarthy e publicado aqui no Brasil pela Editora Alfaguara. Somos apresentados ao Homem e ao Menino. No decorrer de toda a história, eles não ganham nomes, e é assim que nós os conhecemos... Eles passam os dias vagando pela estrada ou nos arredores dela, quando pressentem algum perigo... Os animais há muito estão mortos, e pelo caminho, rastros de destruição e morte decoram o ambiente inóspito. Tentando se abrigar da neve, eles tentam encontrar algum local seco e quente para passar a noite...

O Homem não sabe o que pode encontrar na costa, mas sabe que precisa chegar até lá... Vão encontrando outros sobreviventes no decorrer dos dias, tentando se esconder de pequenos grupos que capturam pessoas e as comem, e ele precisa proteger seu filho a todo custo, rumo a algum futuro incerto, munido de uma arma com poucas balas... ele orienta o menino, inclusive, que - se algo der errado, ele já sabe como proceder: é só enfiar o cano na boca e disparar...

Além de tudo isso, ambos precisam se alimentar e a cada dia que passa, fica mais difícil encontrar alguma coisa que sirva de alimento. Encontrar água limpa e roupas quentes também se revela um problema... Eles empurram um carrinho de compras com algumas relíquias, que podem ser utilizadas em dado momento... Cobertores puídos, roupas enlameadas e fedidas, e toda a comida que conseguiram estocar até então...

Não se trata de um mundo em decadência no estilo 'the walking dead'. Não espere pessoas mortas se levantando e atacando os seres vivos. O livro vai muito além disso... O homem e O menino tem que se defender dos vivos, suportar a fome, o frio e a solidão de dias longos e noites que parecem não ter fim... O cenário é desalentador, e em meio ao caos, a relação entre pai e filho é a única coisa a que se agarrar durante a leitura, é o que existe de mais belo nessa América destruída... O amor de pai e filho, a inocência da criança são as únicas coisas que os impulsionam a seguir em frente, mesmo que desconheçam o futuro, que se mostra cada vez mais incerto e desesperançoso... 
Eles são o mundo um do outro. E a busca pela salvação não depende só deles... 


6 Comentários:

Heloísa G. A. Says:
18 outubro, 2015

UAU! Maria, adorei sua resenha, e esse livro é bem do jeitinho que eu gosto :) amei simplesmente. Já adicionarei no Skoob. Bjs!

Heloísa G. A. Says:
18 outubro, 2015
Este comentário foi removido pelo autor.
Juliana Piquerotti Says:
21 outubro, 2015

Olá!
Achei a premissa bem intensa, é um thriller que vai me render horas e horas realizando a leitura. Já anotei a dica.

http://loucurasaovento.blogspot.com.br/

Tony Ferr Says:
25 outubro, 2015

Olá!
Nossa nunca tinha visto esse livro.
Uma capa bem tenebrosa rsrs
Gostei de sua resenha e sua opinião sobre o livro.

Abraços,

Tony

Brubs. Says:
27 outubro, 2015

Sabe quando a gente lê uma resenha e fica sem ação? Foi eu lendo sua resenha, desejo já esse livro, sua resenha esta maravilhosa :D
http://odiariodoleitor.blogspot.com.br/

Milena Nones Says:
01 novembro, 2015

Olá! Não conhecia o livro ainda e achei a história bem interessante. Gostei de sua resenha e anotei a dica.

Beijos
http://albumdeleitura.blogspot.com.br/

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...