[Resenha do Mês - Julho] - Carol, de Patricia Highsmith

| 03 agosto 2015 | |
Carol foi meu primeiro contato com a autora Patricia Highsmith e posso dizer que foi amor que senti ao fechar a última página do livro... São 296 páginas que envolvem o leitor num romance que foge o convencional, narrado numa época em que o relacionamento entre duas mulheres era visto [embora ainda hoje seja por muitos, infelizmente] como uma abominação...



Therese tem apenas 19 anos e trabalha como vendedora numa loja de departamentos. Está na sessão de bonecas em período de festas natalinas e se depara com a beleza estonteante de uma mulher loira e elegantemente vestida, que a aborda no balcão a fim de comprar uma boneca para sua filha. A atração que a garota sente é imediata. E logo ela age de forma meio que impulsiva para atar o fio que vai conduzir o romance de Highsmith...

Carol está à beira do divórcio, tem 32 anos e seu relacionamento com o marido anda mal das pernas, a ponto e trazer alguns embaraços por causa da criança que eles tem. Seu encontro com Therese é natural, e logo ela se vê envolvida pelo jeito tímido da garota. Seus laços se estreitam, e ela resolve fazer uma viagem de algumas semanas pela estrada, com Therese, claro... 

Essa viagem romântica vai trazer algumas conseqüências nada agradáveis para a vida pessoal de Carol. Até onde as pessoas abdicam de tudo pra dar uma chance a si mesmas e ao amor incompreendido por todos?



Em vários momentos da leitura eu me senti um pouco como Carol. E ao mesmo tempo senti que mais parecia Therese, com seus medos e falta de perspectivas. Therese vive de maneira modesta, é cenógrafa e busca um emprego em sua área. Tem um amigo com quem sai de vez em quando - Richard - mas não o ama, embora ele visualize a ambos como marido e mulher. Seu envolvimento com Carol faz com que Richard se irrite, fique enciumado e ache um absurdo o que Therese anda fazendo com sua vida. Therese vai amadurecendo com o passar dos capítulos e podemos acompanhar esse crescimento dela, embora ela sofra por temer perder Carol em algum momento...

"Sinto que estou de pé num deserto com as mãos estendidas, e você chove torrencialmente sobre mim..."
Carol é a mulher rica, casada e infeliz. Não amava o marido, apesar de adorar sua filha. Tem uma amiga - Abby - que tem muita intimidade com ela, fazendo com que Therese enxergue nela uma possível ameaça da afeição de Carol. Carol vê na figura de Therese uma jovem que pode dar ânimo a seus dias conturbados, 'caída do céu' e possuidora de uma aura misteriosa. E isso encanta Carol. Ela é "uma mulher com uma filha e um marido, com sardas nas mãos e um hábito de praguejar, de ficar melancólica em momentos inesperados, com o mau hábito de sempre ceder ao próprio desejo" e é o que mais se aproxima de ideal de perfeição para Therese. Sua paixão é imediata, e ambas caminham para um desfecho até 'feliz', desconsiderando o 'ao redor' das personagens...

A autora publicou o livro em 1952, sob o pseudônimo de Claire Morgan, e chegou a receber dezenas de cartas de fãs elogiando a publicação, gays que se sentiram representados de forma feliz na ficção - que os empaturrava de histórias trágicas com pulsos cortados na banheira, cordas enroladas ao redor do pescoço e decadência, punindo-se por seus 'desvios'. Carol foi o romance que deu uma nova perspectiva e até esperança de viver aos homossexuais. 

O romance se dá de forma rápida e arrebatadora. Ao mesmo tempo é sutil, não beira o explícito. Possui um teor de produções noir, devido ao estilo próprio da autora, na maioria de seus escritos. A aura noir, a ambientação da história e o psicológico meio conturbado dos personagens faz com que o leitor mergulhe numa obra profunda e alucinante... Não conseguia parar de ler, e devorei capítulo após capítulo, de tão enredada pela trama... 

Carol é - sem sombra de dúvidas, umas das melhores leituras que tive o prazer de fazer e não poderia deixar de compartilhar as sensações que ela me passou com vocês, meus leitores... É uma publicação da L&PM Editores e faz parte das leituras da Maratona Literária de Inverno 2015, contemplando o Desafio 'ler um livro que foi ou será adaptado para o cinema.' Estou ansiosa para ver o filme, que traz Cate Blanchett como Carol e [minha queridinha] Rooney Mara no papel de Therese...  

Em suma, espero que tenham gostado da resenha... Já leram ou conheciam o livro? Me falem nos comentários. ^.~

12 Comentários:

Suelen Fernandes Says:
04 agosto, 2015

Olá!
A sua resenha está muito boa, mas esse é um livro que não leria.
O tema não me agrada e não seria uma leitura produtiva para mim. Mas pra quem gosta deve ser um livro ótimo.
Beijinhos!
http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

Silvana Sartori Says:
04 agosto, 2015

Olha eu nunca tinha ouvido falar desse livro, mas achei interessante a sua abordagem sobre a história. Mas eu acho que não pegaria para ler esse livro nesse momento que estou agora, pois estou indo para leituras mais light sabe? Mas mesmo assim adorei tudo que você falou e principalmente sobre o romance que contém, pois eu adoro. Mas o livro não me chamou tanta atenção assim...enfim...

http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/08/resenha-eu-te-darei-o-sol.html

Isabella Marques Says:
04 agosto, 2015

Nunca tinha ouvido falar do livro! A história parece ser bem interessante, principalmente se formos considerar o ano em que el foi escrito, né?
Bjs, Isa
http://pausaparaconversa.blogspot.com/

Aline - Literalizando Sonhos Says:
04 agosto, 2015

Olá!
Não conhecia o livro, mas gostei bastante da sua resenha. Os pontos que você ressaltou e a forma como você colocou mostra como a leitura lhe agradou.
Beijos.

Li
Literalizando Sonhos

Tony Ferr Says:
04 agosto, 2015

Nunca tinha ouvido falar desse livro, vou dar uma procurada por ele! Abraços e excelente resenha!
Tony

Ju Souza Says:
05 agosto, 2015

Oie...

E a primeira vez que vejo esse livro e apesar da sua resenha, que esta ótima e super convidativa para uma leitura. O tema não me agrada, então não seria o tipo de leitura que eu faria.
Bjus
Juh - Surtos da Juleka

Livros & Tal... Says:
05 agosto, 2015

Olá, tudo bem?

Ainda que sua resenha seja positiva, confesso que para mim, o livro não parece muito atrativo. :(
A premissa não me cativou muito. Não sou de julgar livros pela capa, mas não posso deixar de dizer que essa - na minha opinião, claro - também não é das melhores. o.o

Beijo!
Ana.

Cila - Leitora Voraz Says:
05 agosto, 2015

Oi Maria, sua linda, tudo bem
Não conhecia esse livro e não acredito que será adaptado. Acho a triz Cate Blanchett super talentosa, tenho certeza de que será o diferencial nesse filme. Fiquei impressionada com o retorno que ela teve de pessoas que se identificaram com sua história. Acho que às vezes os autores não conseguem mensurar o impacto que suas historias podem causar. Parece ser um livro muito bom. Sua resenha ficou [ótima.
Beijinhos.
Cila.
http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

Aline Souza Says:
06 agosto, 2015

Eu nao tinha ouvido falar do livro ainda,porem fiquei bem curiosa com a leitura, ainda mais por se tratar de um tema que nunca li antes.

Juliana Piquerotti Says:
06 agosto, 2015

Olá!
Nunca ouvi falar sobre a obra, mas achei a temática interessante. Vou procurar mais informações sobre o livro e comprá-lo assim que possível.

http://loucurasaovento.blogspot.com.br/

Ana Carolina Ribeiro Says:
07 agosto, 2015

Olá!
Adoro romances mas nunca li um romance assim antes.
Não por preconceito é por nunca achar mesmo.
Adoro livros que envolvem , com certeza vou procurar por ele
bjs

http://malucaspor-romances.blogspot.com.br/

Dryh Meira Says:
08 agosto, 2015

Oiee ^^
Ainda não conhecia esse livro, mas fiquei muito curiosa para ler. Adoro romances, principalmente os que trazem cargas emocionais e uma bagagem daquelas nas costas. Imagino que vou gostar bastante de "Carol", e ver que foi uma das suas melhores leituras me deixou ainda mais curiosa.
MilkMilks
http://shakedepalavras.blogspot.com.br

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...