Franz Kafka e seu Artista da fome...

| 04 julho 2015 | |
Ontem, 03 de julho - seria o aniversário de Franz Kafka, nascido na cidade de Praga em 1883, famoso por ter escrito A metamorfose, obra consagrada em que relata a transformação de um funcionário público em inseto, da noite para o dia... Confesso que fiquei incerta sobre qual obra apresentar a vocês e A metamorfose me tentou, mas acabei optando por um conto não menos famoso intitulado Um artista da fome [tão logo possa, volto aqui trazendo minhas impressões sobre A metamorfose, mas por ora vamos nos ater a Um artista...]



Trata-se da história de um jejuador, que ganhava a vida se expondo em feiras, dentro de uma jaula, para que várias pessoas o observassem enquanto passava semanas sem comer. Ele possuía um empresário e haviam algumas pessoas que ficavam de prontidão vigiando para que o artista não abandonasse seu posto e sabotasse o espetáculo, se alimentando de alguma forma... 

"apenas o jejuador poderia sabê-lo, já que ele era ao mesmo tempo um espectador de sua fome. [...] Porventura não era o jejum a causa de seu enfraquecimento tão atroz que muitos, com grande pena, tinham de se abster de freqüentar as exibições por não poder sofrer sua vista; talvez sua esquelética magreza proviesse de seu descontentamento consigo mesmo."

No começo, esse tipo de show atraía muitos expectadores. Vários deles se chocavam com o estado de magreza do jejuador, outros contestavam se ele realmente ficava sem comer e que o espetáculo poderia se tratar de charlatanismo, mas o jejuador realmente honrava sua profissão e nunca comia durante o tempo em que estava confinado na jaula. Com o passar do tempo, essa atividade vai se tornando quase uma obsessão para o artista, que via no ato de se alimentar após o período da apresentação, uma verdadeira tortura, até mais que o ato de jejuar. Ele já havia se habituado à fome, e ela era sua única companheira dentro daquela jaula...



Ao longo dos meses, em que em intervalos de quarenta dias ele era forçado a comer e partir para exibição em outro local, o espetáculo em si já não atraía tantos curiosos e logo o jejuador se vê sem empresário, que já havia percebido que não lucraria mais com esse tipo de entretenimento. Logo, o jejuador é acolhido num circo, sem contrato ou coisa similar, e é posto numa área próxima dos animais, onde as pessoas se apertavam para vê-lo, mas não com tanto entusiamo. Os dias vão passando, e nem a tabuleta onde se contavam os dias de jejum era atualizada. Aos poucos, os funcionários do circo e seus visitantes esqueceram que havia um homem ali...

O conto vai caminhando para seu desfecho, mas não poderia tirar o elemento de descoberta de vocês soltando spoiler... Mas o que posso falar dessa história - a metáfora que ela me pareceu - é a de como o ser humano passa a ser um elemento dispensável quando surge algo novo a ser mostrado. O artista não se reinventa e logo é escanteado e substituído. A sociedade é injusta e implacável com quem não tem muito a oferecer além de quinze minutos de fama, como diria Andy Warhol. O artista da fome não tinha muito a oferecer além de demonstrar sua resistência, sem sucumbir à inanição...Logo, não tendo mais serventia é ofuscado, cai no ostracismo. 



Franz Kafka pertencia a uma família de judeus. Tinha um relacionamento complicado com seu pai, e chegara a escrever uma longa carta para ele, que acabou sendo publicada junto com a edição que possuo, que contém A metamorfose, Um artista da fome e Carta ao pai, publicadas pela Editora Martin Claret. Formado em Direito, acabou indo trabalhar numa companhia de seguros. Escrevia em seu tempo livre, e foi considerado o precursor da narrativa de Realismo Fantástico. Teve vários envolvimentos amorosos, chegou a ter uma noiva mas nunca casou. Sua saúde era frágil, e decorrente dessa fragilidade, acabou falecendo um mês antes de completar 41 anos, de fome, devido a uma tuberculose laríngea diagnosticada uns anos antes. A condição de sua garganta não permitia que Kafka se alimentasse, o que provavelmente o levou ao estado de inanição. Foi justamente nessa época que ele escreveu Um artista da fome. 

Antes de morrer, pediu que seu melhor amigo queimasse o restante de suas publicações. Para nosso deleite, seu amigo não cumpriu a promessa e é graças a ele que temos acesso a obra existencialista, melancólica e surrealista de Kafka. Seus livros mais conhecidos além de A metamorfose são O processo, Um médico rural e O castelo, obra que não pôde ser finalizada...  

minha [modesta] coleção Kafkiana...

É possível encontrar nas histórias de Kafka elementos claustrofóbicos, metáforas, simbolismos em seus personagens e críticas à sociedade, à política e à própria condição humana. Sua escrita é fatalista, opressiva e beira a alienação. Nota-se também um reflexo do relacionamento conturbado que o autor tinha com o pai em seus escritos, em que a culpa que o filho sentia era aliviada com o sofrimento que o torturava. Kafka se considerava um estranho dentro de si mesmo...

"Preso entre quatro paredes de mim mesmo, descubro-me um emigrante preso em um país estrangeiro... "

Em suma, não poderia deixar de falar sobre esse autor maravilhoso e de sua obra magnífica. Por ser um de meus preferidos, já estava em tempo de aparecer algum texto falando sobre ele, e espero ter me retratado dessa infâmia com essa simples homenagem de aniversário... Espero que tenham gostado... Me contem nos comentários se conhecem algum de seus livros ou se tem vontade de ler a obra do autor... Será importante para mim saber a opinião de vocês... Até a próxima... Beijos...

15 Comentários:

Gabrielly Marques Says:
04 julho, 2015

Valéria, seu post ficou ótimo, muito bom mesmo!! Eu sou louca para ler algo do autor e já que você me indicou A Metamorfose irei começar por ele. Pretendo comprar o mais breve que minha carteira vazia permitir, e quando ler vou correndo te contar o que achei. Cartas ao Pai me chama ainda mais atenção que A Metamorfose, e Um Artista da Fome também. Acho que irei gostar do Kafka. Assim espero :D

Beijão

Mila Cris Says:
05 julho, 2015

Franz Kafka tinha dentro de si uma forma de ver as coisas como elas realmente são e de uma forma intensa no sofrimento de uma alma que pouco pôde fazer para mostrar onde se pode se reinventar, mostra no Artista Da Fome que as pessoas são o que são e pouco conseguem evoluir com o passar do tempo e como essa vida é cíclica, acredito que tudo muda e sim transforma-se e é claro volta ao que era na mesma velocidade. Sem pessimismo, as pessoas fazem o seu melhor e porque será que ainda estamos vivendo a mercê dos que manipulam e fazem das pessoas gato e sapato!Tudo é questão de insanidade, falta de vontade e respeito ao ser humano. Esse homem ainda no fim foi egoísta mais ainda bem que alguém cuidou de não deixar tudo se perder.
Mila-Scraplivros

Tamara Costa Says:
05 julho, 2015

Acho que minha relação com o Kafka nunca foi das melhores...o livro dele que realmente gostei mesmo foi a Metamorfose. Foi o primeiro e realmente me sacudiu. Os outros..bem, não curti nenhum =| cheguei a ler essa mesma edição que tu que tem o Artista da fome e Cartas ao pai e nossa! Como eu achei enfadonho >.< o artista da fome até concluí mas o Cartas ao pai não fui até o meio, confesso. Mas curti seu ponto de vista, seu texto foi uma boa homenagem ao autor que mesmo não sendo meu preferido escreveu a Metamorfose que é sim um dos meus favoritos da literatura.

Déborah Says:
05 julho, 2015

Valéria, muito bom seu texto.
Já li A metamorfose, há muito tempo, me lembro que não gostei muito.
Kafka não um dos meus favoritos, mas seus textos trazem bastante reflexões.

Lisossomos

D e s s a Says:
06 julho, 2015

Nunca tive a oportunidade de ler nada do autor, mas ainda quero fazer isso. *-*
Adorei seu post, muito bem desenvolvido.
beijos
www.apenasumvicio.com

Marijleite Says:
06 julho, 2015

Olá; sobre o autor, eu só sabia que era o escritor de Metamorfose, livro famoso que tenho vontade de ler. Achei "Um artista da fome" bem interessante por tudo o que você disse, fiquei com vontade de ler para saber como termina.

Netinho Alves Says:
06 julho, 2015

Olá
sinceramente amore, você trás autores que inovou em suas épocas para a gente, e achei bem legal esse dai, não sabia nada sobre ele (obvio) então fui dar uma pesquisada e achei bem legais algumas obras dele, outra coisa que devo ressaltar aqui, essas capas dos clássicos da Martin Fontes são divas
Bjks
passa Lá - http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

Lumartinho Says:
06 julho, 2015

Oie, tudo bem!?
Li Kafka na faculdade, não me lembro se cheguei a ler Artista da Fome, mas li A Metamorfose, do qual não me lembro muito e O Processo, um dos meus favoritos dele. Ele me fazia sentir o que o protagonista sentia... Sua escrita é, realmente maravilhosa, espero poder ler mais sobre ele um dia.
Não sabia do que ele havia morrido e, graças ao seu texto, agora eu sei!
Beijos

LuMartinho | Face

Alessandra Says:
06 julho, 2015

Oi ^^
Sinto uma certa vergonha em admitir, mas nunca li algo deste autor.
ok, me espanque, mas é verdade :(
Já vi inúmeros comentários sobre suas obras, todos muito positivos, mas não consigo sentir curiosidade sobre as histórias que ele criou :(

bjs

Jess Leite Says:
06 julho, 2015

Olá!
Não conhecia o autor, pode me agredir hahaha!
Adorei a história, quero MUITO ler. E eita sociedade escrota essa em que vivemos, viu...
Vou procurar os livros do autor, começando por metamorfose, já que é a mais famosa, rs.
Adorei a resenha!
Beijo!

www.livrosdajess.com

Jéssica Melo Says:
08 julho, 2015

Olá Maria, eu ainda não li nada do autor, mas pelo sua resenha deste conto eu fiquei bem interessada e se tiver chance vou lê-lo para conhecer um pouco sobre a escrita do autor.

Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

Luan Jonathan Says:
10 julho, 2015

Não conheço nenhuma obra do Kafka, mas sempre tive curiosidade em conhecer a escrita dele! Adorei o texto, muito bem escrito! :)))

Abraços e até!

lendoferozmente.blogspot.com.br

Aline Gonçalves Says:
11 julho, 2015

Oie, tudo bom?
Já ouvi falar de Franz Kafka, mas não conhecia nenhuma de suas obras ainda. É um autor que um dia pretendo conhecer, mas não é algo que irei ler no momento.
Beijos,
http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

Michelle Ladislau - As Leituras da Mila Says:
12 julho, 2015

Olá.
Tudo bom?
Seu post ficou ótimo e gostei de conhecer melhor o autor.
Acredita que ainda não li nada dele? Pretendo em breve resolver esse problema.
Beijos

Jéss Winchester Says:
12 julho, 2015

Oii, tudo bem?
Nunca tinha ouvido falar do autor e nem suas obras, mas adorei conhecê-las. Suas dicas de clássicos estão me encantando cada vez mais. Triste saber que ele morreu desta forma, e acredito que tenha inspirado em si próprio para escrever este conto. E que bom que o amigo dele não cumpriu a promessa, ou teríamos perdido de conhecer um grande escritor.

Beijos da Jéss ♥
Brilliant Diamond | Fan Page

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...