Minha estreia com Jô Soares: As esganadas

| 12 maio 2015 | |
Não falo apenas de livros que me encantaram aqui no blog. Volta e meia me deparo com alguma leitura que, embora famosa ou bem-quista pelo mundo literário, não me empolgou como eu esperava... Expectativa demais em cima do autor/história? Momento não-propício para tal leitura? Não sei responder... mas é verdade que [quase] nunca pego um livro para ler sem vontade, sem que o mesmo me chame da prateleira... enfim...




Há um bom tempo gostaria de conhecer o trabalho literário de Jô Soares, e o título O xangô de Baker Street já havia me fisgado. Quem me conhece sabe que gosto de títulos/capas peculiares, e que por muitas vezes são esses os motivos pra que eu leve uma obra 'desconhecida' para casa, mas como o título de Jô que chegou primeiro às minhas mão foi As esganadas, achei conveniente a curiosidade de ler sem pressa pelo fato de ter o livro em mãos... Pois bem...

O começo do livro me foi fluido, não senti dificuldade na escrita nem em me habituar à história, que trata de um assassino psicopata que mata apenas mulheres gordas, utilizando-se de alguns subterfúgios [bem clichês, eu diria] para 'fisgar' suas vítimas... A identidade do assassino se faz evidente nas primeiras páginas, a narrativa faz com que o leitor acompanhe a maneira como os detetives irão agarrá-lo. 

É nessa parte que a coisa toda descamba para certo mal-gosto. O típico investigador de polícia com jeito de 'já deveria estar aposentado' Calixto, o delegado de polícia Mello Noronha, o detetive  português Tobias Esteves, e além deles uma jornalista de renome, que para fugir da influência de sua família, não assume o sobrenome famoso. O assassino? Um agente de casa funerária, que enterra boa parte de suas vítimas através dos serviços de sua funerária sem que ninguém conheça seu segredo, de aparência sinistra e com uma doença genética que faz com que tenha seus cabelos e unhas enfraquecidos e não possua impressões digitais, dificultando o trabalho da polícia durante a investigação. Até seu nome soa funesto: Caronte - numa alusão ao barqueiro do rio Estige, que tem a tarefa de transportar os mortos para o inferno, na mitologia grega... 



No decorrer da narrativa, me deparo com frases 'de efeito', um humor meio que inadequado para a trama, que - na tentativa de ser engraçada - torna-se forçada demais... O desfecho me surpreendeu um pouco, pois não esperava que o assassino fosse cometer tal 'coisa' [não vou dar spoiler]. Mas posso afirmar que o que me fez continuar a leitura foi tal personagem, o assassino. E apesar de tudo, a escrita não se mostrou enfadonha. Outro fator que poderia considerar inusitado na leitura são as 'vinhetas' de comerciais no meio das notícias trágicas de assassinato, não sabendo explicar bem o porquê, mas nada me soou tão distante da mídia atual, que intercala o trágico ao 'consumo'.

"PRG - 3, Tupi do Rio. - Anúncio fúnebre. deu-se, ontem, no cemitério São João Batista,a inumação das quatro desditosas moçoilas misteriosamente imoladas em nossa cidade. Nosso distinto chefe de polícia, doutor Filinto Müller, garante, contudo, que várias pistas foram encontradas e promete, para breve, a captura do desequilibrado que praticou atos tão ignóbeis", declara Rodolpho d' Alencastro, impostando, num registro grave, sua voz multifacetada. "Esta triste notícia é uma cortesia da Matricária Dutra, a melhor para as gengivas do seu bebê. Se o nenezinho chora quando o dentinho aflora, Matricária Dutra alivia na hora."

As personagens variam de prostituas a freiras e temos até um palhaço anão que se apaixona por uma das vítimas. Ou melhor: por duas delas. É pela boca que Caronte atrai suas vítimas, montando cenários grotescos nas cenas dos assassinatos. Junte ainda à narrativa as piadinhas com gordas e algumas notas sobre o nazismo, em virtude da história se passar nos anos 30, quando o partido nazista ganhava força na Europa e temos um 'excelente prato'.

Ainda assim, apesar do personagem Caronte e do que apresentei de 'bacana' na resenha, As esganadas não é um livro que eu deseje manter na estante... Pesando bem as medidas, foi uma leitura regular, e nada mais. Não ter começado de forma positiva com Jô Soares não me fará desistir de ler O xangô. Agora, mais do que nunca, quero que o autor me convença do contrário - que posso vir a me apaixonar pela sua obra literária... Por vezes, não é a primeira impressão a que prevalece...


As esganadas é uma publicação da Editora Companhia das Letras.

4 Comentários:

Tabatha Cuzziol Says:
12 maio, 2015

Olá, nunca li nada do autor, pois nunca me chamou a atenção.
Que pena que o livro não te surpreendeu..
Beijos, Tabatha
http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

Luciano Vellasco Says:
12 maio, 2015

Oie! Nunca li nada do autor. Eu confesso que tenho um certo preconceito quando alguém que é famoso na mídia resolve escrever um livro, vende milhares de exemplares e o livro não é tão bom assim... é só status pelo autor já ser famoso. A primeira impressão que fica é essa, mas vai que algum não me convença o contrário? Como vc disse, nem sempre a primeira impressão que prevalece.
Beijos

Academia Literária DF

Carmen M.S. Says:
12 maio, 2015

Ótima resenha!
Ao ler sobre a vinheta fiquei pensando como se encaixaria num livro assim - ainda bem que você acrescentou o trecho para ficar mais interessante a resenha.
Nunca li nada do Jô - quem sabe um dia?
bjs
WWW.PAINELPARACONGRESSO.COM

Amoras Com Pimenta Says:
19 maio, 2015

Olá Val! Nunca li nada do Jô. Adoro o apresentador e o acho de uma inteligencia única, mas o Jô Soares autor não me chamou atenção, gosto também de livros peculiares, capas diferentes, e esse tipo de coisa, mas nenhum do Jô me fez querer ler. Pela sua resenha, vejo que você ainda persistirá nas obras do autor. Vou esperar você ler O Xango, se sua impressão mudar e achar o livro mega, quem sabe um dia eu me arrisco em ler Jô Soares. Bju
www.amorascompimenta.com

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...