Resenha do Mês [Abril] - O oitavo passageiro (Alien)

| 25 abril 2015 | |
Minha infância regada a filmes de terror e ficção científica [obrigada, Mainha] foi bem proveitosa, vendo filmes como Star Trek, Star Wars, Planeta dos macacos, Sexta-Feira 13 e afins. Claro que não poderia faltar nessa lista os filmes de Alien, o oitavo passageiro. E é com muita felicidade que descubro que o filme tem livro, e melhor ainda porque um amigo meu possui o livro e gentilmente me emprestou pra que eu me aventurasse à bordo do Nostromo com os demais tripulantes e pudesse conhecer essa criatura enigmática e letal, que causou um grande estrago na nave e em seus ocupantes...



"Não é o escuro que conheço que me dá medo, mas o que não conheço. Especialmente quando há neles sons como o dessa pulsação de alarme..."






Pois bem, não poderia escolher outro livro para o Resenha do Mês, do que O oitavo passageiro (Alien), escrito por Alan Dean Foster e publicado pela coleção Grandes Sucessos Abril Cultural. Com apenas 224 páginas, pude sentir o terror gélido dos personagens sendo observados num ambiente claustrofóbico e perdido na imensidão do espaço. Como garimpo em sebos, dificilmente encontro algum livro de sci-fi por eles, exceto algumas edições de Arquivo X, entre outros [pouquíssimos] livros acrescentados à minha estante... Mas aos poucos vou acrescentando títulos em meu acervo...

Tudo começa quando a nave Nostromo - um rebocador espacial - recebe um sinal aparente de SOS de um asteróide. Eles resolvem sair de sua rota para investigar o local, e após um pouso difícil, dos sete tripulantes, três saem da nave a fim de explorar o ambiente e checar o sinal. O que eles encontram é uma nave alienígena, aparentemente abandonada, gigantesca e eles não imaginam o porquê de um sinal de socorro ter partido de local tão inóspito. Uma vez dentro da nave, resolvem explorar o local, e um dos personagens, Kane, desce numa espécie de poço profundo e escuro. O que ele encontra lá embaixo não foi lá muito bacana pra ele...

"Em toda aquela terra embuçada não havia uma só nota mais vibrante de cor. Não havia, por exemplo, nem azul nem verde. Tudo lavado em sépia e amarelo, com algum laranja, castanhos desbotados, cinzentos sujos. Nada capaz de alegrar a vista, aquecer a alma ou aliviar as preocupações da mente. A atmosfera semelhava um experimento malogrado de química com cloro e enxofre. E o chão parecia um tombadilho coberta de excreta. A despeito de qualquer evidência pró ou contra, sentia que nada vivia ali agora."

Quando enfim os demais o socorrem, ele se encontra em coma e é transportado para a nave, e apesar dos pedidos de quarentena orientados pela agente de segurança, Ripley, o cientista Ash permite a entrada dos três astronautas, mesmo correndo um risco de possível contaminação. Após os exames iniciais, percebem que não será possível retirar aquela 'criatura' que agarrou-se ao rosto de Kane e resolvem partir dali assim mesmo, mantendo o amigo vivo através dos aparelhos da nave. Mas aí Kane acorda depois de uns dias, e faminto... Tudo aparenta estar bem, mas não está...

tão lindo ele *-*  vou criar e ensinar a gotejar ácido nas inimigas... 

É difícil não soltar spoiler tamanha a empolgação que o livro me deixou, mas vou parando por aqui com o enredo e tentar me concentrar na parte mais 'técnica' do livro... A linguagem dele é simples, apesar da temática sci-fi, mas a história não engrenou nos parágrafos iniciais, mas a partir do segundo capítulo, fluiu bem melhor. Quem não tem o hábito de devorar livros de sci-fi não vai se dar mal em ler Alien, porque a narrativa não é cansativa, e os termos utilizados são de simples compreensão, até para os mais leigos. 

Mas a obra é uma leitura empolgante, que vai fazer o leitor perder o fôlego em vários momentos cruciais da história. Fiquei sem respirar quando Dallas entrou nos tubos de ventilação perseguindo a criatura alienígena. Tremi na cena em que Ripley e Parker quase empurram o Alien para a imensidão espacial e algo acontece impedindo o plano deles de se livrarem do cuspidor de ácido... Sim, ele espirra ácido ao ser ferido, tão forte que derrete até aço... 

rolando um flerte com Ripley...

É provável que você já tenha visto o filme com a atriz Sigourney Weaver, lançado em 1979, mas ainda assim, não perca a chance de ler a obra, caso ela venha pousar em suas mãos. Serão algumas horas de entretenimento prazeroso garantido, disso não tenho dúvidas... E aproveite para [re]ver o filme, é diversão duplamente garantida... Aos fãs de Ficção científica, um prato cheio de deleite...


P.S: Algum tempo depois de ter lido,  finalmente pude comprar um exemplar, lançado pela Editora Aleph... Eis o belo na imagem abaixo... 


12 Comentários:

Kris Oliveira - Conversas de Alcova Says:
26 abril, 2015

Tais morena Val?
:O
Menina, eu não leria esse livro não.
tenho pavor desse filme, já comentei que ET me dá gastura né?
Então, kkkkk
Beijos <3

HONORATO, Sandro Says:
26 abril, 2015

Bom dia :)
Os filmes eu assisti mas o livro ainda não tive oportunidade :(

Bacana a sua indicação aqui ^^

Beijos e se cuida
Tenha uma excelente semana
www.rimasdopreto.com

Maria Valéria Says:
26 abril, 2015

tô, mulher. Desde março, eu acho xD kkkkkkkkkkkk
Ah,é. Tu tinha me dito. E eu querendo um ET pra mim *--*
hahahahaah
bjs <3

Maria Valéria Says:
26 abril, 2015

acredito que vc iria gostar :D
pra vc tbm, querido.
bjs ^^

Marina Brum Says:
26 abril, 2017

O filme nunca me atraiu apesar de eu ter crescido assistindo e ouvindo falar pois são os favoritos do meu pai, porém tenho muita curiosidade em ler os livros, ano passado teve uma super divulgação deles na Comic Con ai me interessei mais ainda!

Morgana Brunner Says:
26 abril, 2017

Olá maria, tudo bem?
Fazia tempo que não via e lia uma resenha de um livro que me fizesse gelar o sangue, sinto muita falta disso na nossa literatura, esse eu nunca li, mas vai ser anotada a dica.
Beijos

Meu cantinho literário Says:
26 abril, 2017

Olá!
Eu não leio nada desse tipo porque sou muito medrosa, mas adorei a resenha. Minha filha adora os filmes, vou falar dos livros para ela.

Fabrica dos Convites Says:
28 abril, 2017

Oi Maria, também vi estes filmes na infância, com exceção de Star Wars que vi no ano passado a franquia toda. Eu já sabia do livro, mas não li ainda. Que bom que você conseguiu e deu para ver que gostou.
Bjs Rose

Thamires Vasconcelos Says:
28 abril, 2017

Oiii...
Apesar de gostar muito de filmes sci-fi, confesso que não leio muita coisa do gênero. Acho que essa dica de leitura é bem válida!
bjoo

Livros em Retalhos Says:
30 abril, 2017

Nunca assisti os filmes e também não ler os o livro...Não gosto muito desse gênero...Bjs.

carool santos. Says:
06 maio, 2017

Olá, tudo bem? Mas gente você acha lindo? HAHA é gosto né. Já ouvi falar diversas vezes sobre o filme, o livro também, mas confesso que não é uma temática que me interesse tanto.Vejo que isso vem de um gosto de infância né? Que bom, porque é nela onde formamos nossa personalidade. E que bom também que depois conseguiu comprar o seu exemplar haha apesar de não ser o público alvo, ótima resenha!
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com

Michele Lopez Says:
08 maio, 2017

Olá,
Confesso que não sou grande fã do gênero por ser um pouco medrosa kkkk
Mas já assisti sim ao filme e desconhecia completamente que havia o livro.
Achei bem legal saber um pouco mais e, se o filme já nos deixa com o coração na mão, quem dirá o livro que deve ser bem mais rico em detalhes e com uma carga de suspense bem interessante.

LEITURA DESCONTROLADA

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...