O Realismo Fantástico de Anderson Henrique, em Anelisa sangrava flores...

| 06 abril 2015 | |

Recebi de cortesia do autor Anderson Henrique o seu livro Anelisa Sangrava Flores, publicado pela Ed. Penalux. Já tinha me atraído pelo livro há algum tempo, lendo algumas resenhas em blogs, pois o título e a capa do livro me chamaram a atenção. Ainda mais por se tratar de um livro de contos, com a temática de Realismo fantástico, com quem flerto vememquando...

Pois bem, gentilmente Anderson me enviou seu livro, com uma linda dedicatória e logo que me senti apta a embarcar nessas aventuras iniciei a leitura do mesmo. Para minha completa satisfação, foram páginas devoradas em pouco tempo, que me deixaram entorpecida por narrativa tão fluída e sobretudo, intensa. 

O livro conta com 124 páginas, divididas em 13 histórias e um prefácio. Neste, Luciano Prado compara os textos de Anderson Henrique aos de Borges e Cortázar, mas eu não me atreveria a discordar, embora ele não me remeta a esses dois autores [creio que por ter lido tão pouco deles não poderia fazer essa comparação.], mas certamente a leitura me lembrou a escrita de Moacyr Scliar, em vários momentos da leitura... E como sou apaixonada por Scliar, os contos de Anderson me soaram perfeitamente maravilhosos...

O primeiro deles é intitulado Gigante, em que conhecemos a história de Jurandir, que se mostrou grandioso desde seu nascimento e que por causa disso sofreu com algumas situações peculiares. O simbolismo que encontrei naquelas linhas é de alguém que - por se mostrar diferente dos demais, vira alvo daqueles que não enxergam beleza na diversidade e condenam o indivíduo ao isolamento. Mas a força e determinação são maiores que as críticas de outros, e o indivíduo - nesse caso, Jurandir, chega a um estado de elevação existencial, em que a presença da matéria não é o fator principal, mas a essência do ser prevalece, de alguma forma... 

No conto seguinte, que dá nome ao livro, Anelisa teve sua placenta enterrada assim que nasceu, e o vermelho de seu sangue se faz presente [e importante] ao longo de todo conto. Seria uma espécie de metáfora para as várias passagens da vida de uma garota, onde o sangue é elemento vital em sua existência... O elo entre a menina e a Terra, que fazia brotar flores com o contato do sangue da menina, me passou a impressão da mulher como criação de tudo, é a mulher e seu sangue que faz em brotar a vida na Terra. A medida que Anelisa sangra, mais vida surge ao seu redor...

A seguir um dos contos que mais gostei no livro, chamado Uma noite, uma década. Mostra como o Tempo pode ser um elemento [des]importante numa relação afetuosa. O tempo se torna abstrato, sem sentido, quando um homem encontra uma mulher em um quarto de hotel e da relação tempestuosa e avassaladora que surge entre eles, o elemento tempo lhe rouba uma década. Anos se passam e um reencontro acontece e o desfecho desse enlace você só vai descobrir ao ler o conto... 

"certas coisas são imunes ao tempo. - Como assim?- Há circunstâncias na vida que são intocáveis."

Há também a história de Carolina que vira Scarlet e que vira Jordana, José Pasqual e suas previsões, que o fazem desistir de seu cotidiano por acreditar que no dia seguinte o mundo viraria pó, O beijo que dá início a uma relação amorosa entre o narrador e uma bela mulher que surgiu em sua vida, e que da mesma maneira inusitada que surgiu, foi embora... [um dos contos que mais gostei], e temos até um conto sobre seres da noite [vampiros?!], entre vários outros personagens narrados ao longo do livro. É possível o leitor se identificar em alguma das situações descritas, embora de cunho fantástico, e se refletirem em alguns dos personagens. 

Anderson Henrique nos presenteia com textos curtos porém densos, que prendem a atenção, fazendo o leitor segurar a respiração a fim de saber o desfecho de cada história de maneira prazerosa. A diagramação do livro é bonita, com páginas amareladas que não cansam os olhos no decorrer da leitura. A capa condiz bem com o conto Anelisa Sangrava Flores. Em suma, é um livro que merece ser apreciado, mesmo por aqueles que não são familiarizados com Realismo Fantástico. Ouso dizer até que seria um bom começo para conhecer esse estilo literário, e por que não com um autor nacional, não é mesmo?

Anderson Henrique nasceu em 1982, no Rio de Janeiro. Trabalhou como webdesigner, programador e colaborou com sites de cultura. 
Espero que tenham gostado da resenha. Até a próxima, pessoal... ^.~


5 Comentários:

Kris Oliveira - Conversas de Alcova Says:
06 abril, 2015

Oi Val,
Realismo fantástico pra mim é a cara de Amanda.
Amei a tua resenha, eu acho que adoraria fazer essa leitura
e a capa do livro apesar de simples é muito linda!
beijos

Commaosdeseda - Midian Lima Tzur Hadad Says:
06 abril, 2015

Muito interessante Valéria vou dar um pesquisada mas sobre esse estilo, parece ter um tom enigmático bem legal. A proposito ótima postagem bastante expressiva de entendimento ótimo para o leitor.

Blog Com Mãos de seda // Fan Page do Blog // Grupo do Blog

Mariana Oliveira Says:
06 abril, 2015

Ah que legal, é bom ele ser curtinho assim pra quem não tem muito tempo.
"Uma noite, uma década" me chamou mais a atenção.
Um beijo.

janaina silva Says:
06 abril, 2015

Olá!!normalmente não gosto muito de contos, sempre acho que eles terminam na melhor parte mas esses me interessaram muito principalmente esse da garota quem tem a placenta enterrada, achei muito curioso e original.
BEIJOSSsss...

http://sonhosdeleitor.blogspot.com.br/

Anderson Says:
06 abril, 2015

Oi Valéria. Passei aqui para dar um oi e agradecer por sua generosidade. Espero que a resenha desperte o interesse em seus leitores.Grande beijo.

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...