D. Baratinha da Silva Só

| 09 dezembro 2014 | |
E hoje venho falar de um livrinho que foi lido durante minha infância e que me traz boas recordações quando o folheio na estante...

D. Baratinha da Silva Só, escrito por J. Pimentel Pinto é sobre a história de D. Baratinha, que é costureira e desde pequena trabalha como gente grande. Além de costura, ela também tricotava para baratas e outros bichos. Com a boa freguesia que possuía, conseguiu juntar um saco com muitos tostões... Em determinado momento, D. Baratinha resolve se casar, mas para isso precisa encontrar um noivo...


D. Baratinha é muito boba e não sabe o caminho que terá que percorrer para conseguir um casamento, então resolve procurar o dr. Besouro Verde, que cobrava pouco pelas consultas que fazia. Na verdade ele não era doutor, mas para parecer influente usava essa alcunha...  




O dr. Besouro Verde explica a D. Baratinha que ela precisa procurar o tabelião Jabuti, responsável pela papelada de um casório. Lá chegando, D. Baratinha descobriu que precisava de uma certidão de nascimento para casar, e como ela não entendia nada dessas questões democráticas, precisou fazer sua certidão, auxiliada pelo Jabuti e por seus auxiliares Senhorita Lesma e Sr. Caracol... detalhe que em cada repartição que D. Baratinha ia, deixava o saco de tostões um pouco mais leve... 

A historinha é contada de maneira bem simples, mas fazendo uma [re]leitura dela hoje o que pude perceber é que ela trata de fazer uma crítica a toda a burocracia existente nas repartições públicas/judiciárias e o quanto de dinheiro precisamos gastar para fazer algo que à princípio seria mais simples... Pagando uma gratificação aqui, outra ali, D. Baratinha ia acabar consumindo todo o dinheiro que levou anos para juntar... E será que ela conseguiu casar? Ou o sonho dela de arrumar um marido foi todo embora pagando documentos e não sobrou nada para a cerimônia? 

Outro ponto importante a ressaltar é a ingenuidade da D. Baratinha. O mundo está cheio de fanfarrões e pilantras a postos para passar a perna e conseguir vantagens dessas pessoas bobinhas como nossa protagonista. É preciso ser esperto para não se deixar enganar por gente mal-intencionada. Mas D. Baratinha conseguiu sua certidão, e agora tem sobrenome - o Só - no fim do nome dá pra se imaginar o porquê, não é? Se não, leia e descubra... ^.~

Além da história de D. Baratinha, o livro nos presenteia também com a história da família Pasquá, que viviam numa lagoa cheia de Bagres. Fala em específico de um membro da família chamado Joãozinho Pasquá, que desde pequeno mostrava-se 'esperto'. A medida que ia crescendo, Joãozinho acumulava ambições e juntava riquezas, pois queria ser o dono da lagoa. Começou a emprestar dinheiro aos outros bichos, num claro exemplo de agiotagem, e ia se tornando mais ambicioso, cruel e prepotente, usando artigos caros de luxo. Tudo ele queria comprar e aumentar os seus domínios, mas precisava comprar uma casa enorme, em que vivia Dona Piabinha. Ela não queria vender a casa mas por uma tragédia, pensou estar viúva e precisou vender a casa, procurando Joãozinho [que agora exigia ser tratado por Don Pasquá] para pedir um empréstimo, mas ele era esperto demais e exigiu a casa como pagamento. Ela não queria ver seus filhos passando fome e acabou concordando, mesmo sentindo perder a casa onde nasceu e cresceu, e que valia mais para ela por isso do que pelo dinheiro...

Mas, toda essa ambição de Don Pasquá lhe custou muito caro. E a lição que tiramos da história é que 'quem muito quer, perde até o que tem'. Ele nunca se importava com a dor alheia, e só enxergava o próprio umbigo, e gente desse tipo nós sabemos como termina, não é? Em suma, é um ótimo livrinho para crianças, por ensinar valores de maneira divertida e com personagens animais, a fim de atrair os olhos dos pequenos leitores para o livro, que possui também lindas ilustrações... Alguém mais aqui gosta de livros infantis? Já leram ou ouviram falar desse livro em questão? Me contem nos comentários. Beijos e até o próximo post. ^.~

2 Comentários:

Caroline Porto Says:
10 dezembro, 2014

Eu posso estar enganada, mas tenho a impressão de que os livros infantis mais antigos tinham histórias bem mais educativas do que as que vemos hoje em dia. Foram esses tipos de livros que me fizeram a ter paixão pela leitura desde criança, então com certeza é um ótimo presente (ainda mais agora no Natal) ainda para os pequenos, por exemplo, rs.. e respondendo a sua pergunta, não, eu nunca tinha ouvido falar nesse, mas adorei já pela sua resenha. Beijos!

Mutações Faíscantes da Porto

POESIA NA ALMA. Says:
10 dezembro, 2014

Achei a história linda, mas tenho pânico a baratas, desde pequena.
Pânico e alergia, só em pensar, fico apavorada. :(

O enredo, por algum motivo, fez-me lembra do Castelo Rá Tim Bum hehehehehheheheeh

http://poesianaalmaliteraria.blogspot.com.br/

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...