Resenha do Mês [Agosto] - Édipo Rei

| 03 setembro 2014 | |
E vamos a resenha do mês sem mais delongas. Tive algumas leituras interessantes em Agosto, e entre livros maiores resolvi intercalar alguns mais curtinhos, dentre eles Édipo Rei, de Sófocles. O autor é um dos mais famosos autores de tragédia grega, que escreveu inúmeras peças, mas que infelizmente se perderam no tempo, chegando até nós pouca coisa de seu legado. A peça mais famosa dele é Édipo Rei, que explora a desgraça que se abate sobre Édipo, ao matar o próprio pai e apaixonar-se por sua mãe - sem saber de tais fatos. 

Não considero spoiler ter dito isso, pois creio que todo mundo sabe dessa história, que geralmente já vem escrita nas sinopses dos livros. Pois enfim, eu mesma não tinha lido o livro ainda mas já sabia da história lendária do personagem Édipo, sua mãe Jocasta e todo o enredo da peça, só não tinha tido a chance ainda de ler realmente a obra em si. 


A escrita de Sófocles nos traz momentos densos e sombrios, é narrada pelos próprios personagens, como num teatro. Em suas curtas páginas [93 ao todo], Sófocles nos apresenta a trajetória de Édipo, que logo quando bebê foi entregue para ser morto por causa da profecia de um respeitado Oráculo da cidade de Tebas, que dizia que o futuro rei de Tebas deitaria no leito de sua mãe Jocasta após matar seu pai. Com medo de que isso viesse a se tornar realidade, o rei Laio e Jocasta ordenaram a morte de seu primogênito, mas por um acaso do destino a vida da criança acaba sendo poupada, tendo seus pais ignorado esse fato. 

Os anos passaram e Édipo, que foi criado por pais adotivos acaba 'retornando ao lar', e no meio do caminho, em uma briga, comete o assassinato de um homem, homem este que era o rei Laio, seu verdadeiro pai. Mais uma série de acontecimentos o leva a casar com a viúva do rei, Jocasta - sua verdadeira mãe, chegando a ter filhos com ela. Muitos anos depois da morte de Laio, surge o Oráculo revelando a tragédia, para desespero de Édipo, então Rei de Tebas, e de sua mãe/esposa Jocasta, a quem Sófocles dá destino cruel... 

Importante ressaltar que as tragédias gregas tem cunho filosófico e sempre trazem uma 'moral' na história. A de Édipo seria dizer que 'ninguém foge a seu verdadeiro destino', que todos estamos destinados ao que nos é reservado e que em algum momento da vida, por mais que as nossas decisões e percalços indiquem um caminho diferente, no final, tudo tende ao fadado desfecho, seja ele qual for, não importa o quanto fugirmos dele... Para quem lê, ficam algumas perguntas: se por acaso os pais não tivessem 'se livrado' do filho ainda bebê para que a profecia não se cumprisse, ele teria realizado tais atos? Se ele descobrisse que seus pais eram adotivos, e sabendo da profecia que lhe caía aos ombros, ele teria se exilado da terra onde foi criado, a fim de não cometer tais crimes contra quem lhe criou? Acabou cometendo, mas não com as pessoas que ele julgava serem seus pais...

Certamente, Édipo Rei é a tragédia mais conhecida de Sófocles, e com certeza a pior delas [no sentido de cruel, e não de qualidade]. O nome Édipo ficou marcado por dois crimes considerados ultrajantes na sociedade grega: parricídio e incesto. A peça é puro fatalismo. Há outros personagens dignos de nota na peça: Creonte, que deseja usurpar o poder após descobrir os infortúnios do sobrinho [ele é irmão de Jocasta], Tirésias, o Oráculo que desafia o rei, ao contar sobre seus crimes perante os tebanos, sem medo de ser punido por isso, pois os Oráculos eram considerados sábios e nem o rei poderia lhes fazer algum mal, bem como alguns personagens secundários, mas de vital importância para a compreensão da história.

Mesmo tendo cometido os crimes de forma inconsciente, Édipo culpa aos deuses pelos seus infortúnios, e castiga a si mesmo, abandona o palácio e a vida real, bem como suas filhas pequenas, andando errante pelo mundo...

Para quem nunca leu uma peça grega, eis uma boa opção para começar... O teatro grego de tragédia é composto de textos curtos, linguagem poética e filosófica, e deixa pontos importantes à reflexão... São excelentes metáforas para inúmeras situações do ser humano até os dias de hoje, e escritos de forma bela, trágica e cruel... 'Faz pensar'... Certamente, foi minha melhor leitura de Agosto...

7 Comentários:

Poliana Araújo Says:
03 setembro, 2014

Oi, posso ser sincera? Gosto muito de coisas sobre a Grécia antiga, mas sou levada mais pelo lado literário, estilo Percy Jackson, mas parabéns pela resenha, não gosto muito de ler esse tipo de resenha, mas você se expressa bem e nos deixa bem íntimo do livro, Eu gosto de historias com uma moral no final. Gosto de assistir peças, não sei se irei gostar de ler, mas quem sabe né?
Ótima resenha.
Beijos
Poliana Araújo
Território das Garotas

Kris Oliveira Says:
03 setembro, 2014

Val, esse livro é o Máximo, li no tempo da escola (faz muito tempo) e nossa vale muito a pena.
O Exemplar que eu li era dois em um Édipo Rei e Antígona e são dois mitos impressionantes, que nos levam a refletir.
A Maneira que o destino acontece para que a profecia do oráculo dê certo é muito foda!
Eu tinha em casa um livro com diversos mitos gregos e é uma ficção muito boa. Sou apaixonada por história, então, né? rsrsrsrs Beijos

Maria Valéria Says:
04 setembro, 2014

ah, entendo. Você gosta de literatura mais atual que tenha coisas sobre a Grécia mas não aprecia o teatro grego em si, neh =T
mas quem sabe um dia você dê uma chance a literatura grega e acabe se encantando como eu ^^
bjs

Maria Valéria Says:
04 setembro, 2014

ah, eu li Antígona em seguida, Kris. Achei maravilhoso tbm, mas Édipo é ainda melhor. Quero muito ler Édipo em Colono. :D
Ah, História é vida <3 hahaha
bjs ;)

Jonathan Honório Says:
04 setembro, 2014

Um fato interessante é que a personagem Édipo e sua trágica história serviram de ilustração ao polêmico Complexo de Édipo.

Maria Valéria Says:
05 setembro, 2014

pois é. ^^

Girlene Viey Says:
28 setembro, 2014

não curto muuuito este livro !
Sei la´não me chamou atenção de forma alguma infelizmente

BLOG- http://b-maluco.tk/
INSTRAGRAM- http://instagram.com/omundodejess
weheartit- http://weheartit.com/Gikura_Viey

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...