Azul é a cor mais quente...

| 11 junho 2014 | |

As pessoas costumam falar em blogs do que está mais em alta, e claro que muitos se surpreendem quando falo que, mesmo tendo lido A culpa é das estrelas, ainda não tenha me reservado um tempinho de falar sobre as impressões que ele me passou... E com o filme nos cinemas, a popularidade só aumenta... Mas, apesar de tudo, cá estou eu falando de uma HQ [e de um filme] que teve seu momento pop/polêmico uns meses atrás, mas que só agora tive a chance de ler, [embora tenha visto o filme na internet, com legenda pequena, ainda quando estava no cinema...] e que, a meu ver, traz tonalidades de azul em sua essência, bem mais tocantes e poéticas que ACEDE... 



Falo da história de Clémentine [ou Adèle, caso tenham visto o filme]. Azul é a cor mais quente é uma HQ escrita por Julie Maroh e fala sobre a descoberta do amor num relacionamento entre duas garotas, bem como da dificuldade de aceitação na sociedade por conta de suas 'escolhas'. A garota de cabelos castanhos, Clémentine, tem apenas 15 anos e sente-se perdida em seus devaneios e existencialismo. Acaba conhecendo Emma, por um acaso qualquer do destino, ao cruzar uma rua, e aquelas madeixas azuis começam a povoar seus sonhos mais íntimos... 

No início da Hq quem aparece primeiro é Emma, absorta em lembranças de sua amada. Ao ler os diários de Clémentine, na casa dela, conhecemos a história de ambas... O quadrinho mostra toda a trajetória dessas duas garotas, que em meio a um ambiente escolar hostil para os homossexuais, acabam se apaixonando, embora no começo, Clémentine relute em aceitar seus sentimentos, e tente escondê-los das outras pessoas. No caso de Emma, é esconder o que sente por Clémentine, de sua namorada Sabine. Temos outros personagens inseridos na trama, Valentin, amigo de Clémentine, os pais dela, alguns amigos da escola e Sabine, namorada de Emma, cada um tendo sua devida importância na história, servindo de pano de fundo ao amor proibido das protagonistas. 



"Foi naquele momento que alguma coisa começou a crescer: o meu desejo por ela. O desejo de estar nos braços dela, de acariciá-la, beijá-la, de que ela quisesse isso também, de que ela me quisesse.
Agora... nós estamos muito próximas. Eu sinto uma ambiguidade, às vezes opressora... e espero... prendendo a minha respiração junto com a dela.
No momento seguinte, sou tomada pela vergonha, eu me odeio e me sufoco com essa bola de fogo que só pede para sair do meu ventre."


No caso do filme, algumas coisas foram adaptadas de forma diferente. A começar pelo nome da personagem principal, que se transforma em Adèle [e pessoalmente eu prefiro o nome dela no filme que na HQ]. Da mesma forma que a garota no quadrinho, Adèle luta contra seus sentimentos mas demonstra uma curiosidade absurda pelo mundo que envolve Emma. Ela é mais 'esquentada', arredia, e faz de tudo para estar perto da bela moça de cabelos azuis. Emma se mostra mais segura de sua homossexualidade no filme que no quadrinho, e logo deixa Sabine de lado para viver um romance com Adèle. As semelhanças sobre o relacionamento com os pais, com a sociedade e afins difere um pouco da Hq, mas o desfecho da história é bem distinto...
Adèle Exarchopoulos e Léa Seydoux


Não sei como me prolongar mais sem dar spoiler de um ou outro, mas recomendo que leiam/assistam e tentem enxergar as nuances 'azuis' que a história passa ao leitor/espectador. Na verdade, foram duas perspectivas que me emocionaram, cada qual a sua maneira, sem perder a essência do amor entre as protagonistas... finais trágicos e poéticos da mesma forma... No filme, o final deixa uma ponta solta, que dá margem a pensar no que vem depois. Na HQ, a história se consome por si mesma, mas deixa igualmente, um nó na garganta e um soluço angustiado preso ao peito...


"Emma... você tinha me perguntado se eu acreditava no amor eterno. O amor é abstrato demais, e indiscernível. Ele depende de nós, de como nós o percebemos e vivemos. Se nós não existíssemos, ele não existiria. E nós somos tão inconstantes... Então, o amor não pode não o ser também.
O amor se inflama, morre, se quebra, nos destroça, se reanima... nos reanima. O amor talvez não seja eterno, mas a nós ele torna eternos...
Para além da nossa morte, o amor que nós despertamos continua a seguir o seu caminho."



7 Comentários:

T. Costa Says:
11 junho, 2014

Me apaixonei muito pelo filme, vi duas vezes e vivo pensando em rever. Queria ler a HQ e ver como ficou mas acho que vai demorar devido o preço dela *risos*
Resenha linda :3

Amiga da Leitora Thais Says:
11 junho, 2014

Acho que nunca li nada assim, já em filmes pra mim não é novidade. Porém ainda não conhecia este, vou procurar na internet pra ver se da pra assistir online. Valeu a dica, e ese lance de azul eu tbm achei bem legal em ACEDE.

xoxo
http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

Ítalo Costa Says:
12 junho, 2014

Gostei muito do filme, muito. Filmes com temática LGBT são tão bons geralmente, né? Fica bem mais trágico. Doido para ler o quadrinho porque o desenho da autora é muito bonito também. Fora a história.
Abraços!

Maria Valéria Says:
12 junho, 2014

ainda pretendo comprar o filme original pra ver novamente :D
pois é, se eu não tivesse ganho essa HQ numa promoção, nem tão cedo eu teria lido. Tive sorte MESMO. rsrs

Maria Valéria Says:
12 junho, 2014

tinha no site Cinema e Prosa. Vi por lá, mas fui olhar agora e descobri que foi removido :(
espero que vc assista, leia e goste, tanto quanto gostou de ACEDE ^^
bjs

Maria Valéria Says:
12 junho, 2014

eu tbm amei, é puro encanto... a temática me agrada bastante...
^^

Coral Says:
12 junho, 2014

Gente, tô chocada, não sabia que uma delas namorava! Tentei ver o filme há um tempo atrás, mas só achei players ruins e desisti. :( Agora quero ler a HQ e depois ver o filme.

Coral,
http://universeforwords.com

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...