Um espetáculo da vida... Água para elefantes...

| 26 maio 2014 | |

"A idade é um ladrão terrível. Justamente quando se começa a entender melhor a vida, a idade nocauteia suas pernas e arqueia suas costas. Ela lhe traz dores, lhe confunde a cabeça e silenciosamente espalha o câncer em sua esposa.
Metastático, disse o médico. É uma questão de semanas ou meses. Mas minha amada era frágil como um passarinho. Ela morreu em nove dias. Depois de 61 anos juntos, ela simplesmente apertou a minha mão e expirou.
Embora haja ocasiões em que eu daria tudo para tê-la de volta, foi bom ela ter ido primeiro. Perdê-la foi como ter sido partido ao meio. Naquele momento tudo acabou para mim, e eu não gostaria que ela passasse por isso. Ser sobrevivente é uma droga.
Eu achava que preferia morrer à outra opção, mas agora já não tenho mais tanta certeza. Às vezes, a monotonia dos bingos, dos saraus e dessa gente antiga e embolorada, estacionada no corredor em suas cadeiras de rodas, me faz desejar a morte. Principalmente quando me lembro de que sou um deles, jogado de lado como se fosse uma quinquilharia inútil.
Mas não há nada que se possa fazer em relação a isso. Só me resta passar o tempo esperando o inevitável, observando os fantasmas do meu passado se agitarem em volta do meu presente insignificante. Eles se chocam e se esbarram à vontade, principalmente por não haver nenhuma resistência. Parei de lutar contra eles.
Neste momento, eles estão se agitando ao meu redor.
Sintam-se à vontade, rapazes. Fiquem mais um pouco. Ah, desculpem - vocês já estão à vontade.
Malditos fantasmas!"

Bem, eis um livro que me pegou de jeito logo no início da leitura: Água para elefantes, da autora Sara Gruen, e publicado pela Ed. Arqueiro.  Trata-se da história de um senhor bem velhinho, Jacob Jankowski, que durante sua mocidade teve sua vida completamente virada de cabeça pra baixo após a trágica morte de seus pais num acidente de carro. Sem dinheiro, casa nem parentes que lhe ajudassem, ele acaba 'pulando' num trem e descobre que é um circo chamado O Esquadrão Voador do Circo Irmãos Benzini, o Maior Espetáculo da Terra. 

Estudante de veterinária, logo Jacob vê uma oportunidade de não passar fome e ter um teto onde dormir nesse período em que os Estados Unidos passavam pela Lei Seca, onde bebidas destiladas eram vendidas às escuras, fugindo da fiscalização. Logo Jacob percebe que conviver com aqueles artistas, o dono do circo e de outros personagens não será tarefa fácil, mas com o decorrer do tempo ele acaba fazendo fiéis amigos... E é deles que ele vai precisar quando se envolver com August, o desprezível chefe do setor de animais, para o qual Jacob foi designado... August é o tipo de ser humano covarde, cruel e detestável que faz o leitor criar ódio instantâneo. Ele é casado com Marlena, que suporta ao longo dos anos um marido que oscila lapsos de gentileza e brutalidade extrema e incontrolável. E daí se imagina o que vai ocorrer entre ela e Jacob, não? 

Uma personagem que me cativou foi Rosie, a elefanta que o dono do circo, Tio Al, compra e no começo, todos acham que foi um péssimo negócio. Futuramente, eles descobrem o porquê da elefanta parecer tão 'burra'. Mas não vou contar porque é spoiler... Rosie é um animal admirável e me revoltei com a forma que August lida com a pobrezinha. É de partir o coração os maus-tratos que ele a submete... Outro animal que gostei muito foi Bobo, o orangotango. Dócil e inteligente, assim como a maioria dos animais do circo, que cativam Jacob e ele se sente mais revigorado em lidar com eles do que com certos seres humanos daquele circo...

A história alterna entre os períodos da juventude e a velhice de Jacob, que se põe a pensar em toda sua vida, e em como ele se encontra hoje, numa casa de repouso, esquecido pela sua família. Os fantasmas de seu passado lhe assombram, e durante todo esse tempo, setenta anos, ele nunca tinha falado a ninguém sobre sua vida no circo... É uma narrativa triste, tanto no passado, quanto no presente, e os detalhes da velhice de um senhor com mais de noventa anos envolve o leitor por completo. É um livro bem escrito, com detalhes que fazem você se imaginar na cena, entre os diálogos, sofrendo junto com o casal e os animais... 

Detalhe para umas das partes que mais me chocaram durante a leitura: a alimentação dos felinos... Nem vou soltar nada, pois vocês precisam ler isso... e também sobre os trabalhadores que 'desaparecem' do trem em movimento... é revoltante a forma como essas pessoas são tratadas, por dependerem de patrões ambiciosos que só pensam em privilégios para si... Mas o final, acredito eu, foi satisfatório para esses vilões... Embora ao final do livro eu tenha ficado com uma sensação que poderia ter me surpreendido mais... Ao menos pra mim, o livro terminou sem prantos de minha parte. Foi um final bacana mas que poderia ter me emocionado mais... Se bem que, ao longo da história, eu me envolvi, me toquei e me revoltei... alguns trechos me deixaram realmente hipnotizada e reflexiva...

Foi uma experiência válida conhecer a fundo a história de Jacob Jankowski e seu desfecho não poderia ter sido mais feliz, apesar de tudo... 

7 Comentários:

Erika De Castro Says:
26 maio, 2014

Eu li sua resenha com atenção redobrada, estou com esse livro em casa faz meses e ainda nào criei coragem para ler! Você já assistiu o filme dele? Eu assisti até a metade e não gostei por isso estou com "medo" de ler o livro e acabar parando na metade....
Gostei da sua resenha, ainda estou na dúvida se darei uma chance pra esse livro, mas pela resenha deu pra perceber que o livro é BEM melhor que o filme!!
bjuuuus

http://noitesdeleituras.blogspot.com.br/

Rodrigo Says:
26 maio, 2014

Já tinha ouvido falar desse livro mas nunca li e agora com sua resenha fiquei com uma vontade de ver se concordo com sua opinião!
Já segui o seu blog pois não o conhecia antes.

Estou agora a construir o meu lugar na blogsfera, importa-se de dar uma olhadela no meu blog?
http://worldandthought.blogspot.pt/

Julia G Says:
27 maio, 2014

Oi Maria Valéria, o livro fez grande sucesso na época que foi lançado, mas não sei por qual motivo, não conseguiu despertar muito minha curiosidade. Hoje tenho um pouco mais vontade de lê-lo, quem sabe eu consiga me encantar com ele também. Acho que fugi um pouco por causa desse toque de crueldade que todo mundo citou, é difícil eu conseguir ler algo assim.

Beijos

Kris Oliveira Says:
27 maio, 2014

Eu já vi o livro e ouvi falar do filme mas ainda não tive contato com nenhum dos dois e não sei porque motivo ambos não atraem muito a minha atenção :/

Conversas de Alcova

Amiga da Leitora - Thais Says:
27 maio, 2014

Eu assisti o filme primeiro - por causa do Rob lindo! - então quando fui ler o livro levei algum tempinho para me ver fisgada por ele. Mas sem duvidas é um livro incrível.

xoxo
http://amigadaleitora.blogspot.com.br/

Carol Teles Says:
28 maio, 2014

Você acredita que nunca consegui ler esse livro porque vi a porra do filme antes??? Pois é. Tenho problemas quando inverto as ordens das coisas.
Mas eu lerei, pode ter certeza! Por isso nunca me livrei dele daqui da estante. Está guardado esperando com que eu esqueça completamente do filme. kkkkk


bjus
terradecarol.blogspot.com

Italo S Says:
29 maio, 2014

Vaaal, como tá?
Não lembro tanto da estória :c eu li/tinha esse livro em 2012, eu sei que gostei bastante mesmo, sabe?
e o bom: Esse livro sempre custava 30 reais. quando fui comprar: 9,90 *--*

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...