Resenha do Mês [Abril] Caninos brancos

| 02 maio 2014 | |


O Resenha do Mês traz mais uma obra de Jack London ao blog. Já havia falado sobre outro livro seu nesse post, em que conhecemos a história de Buck, um cão domesticado que por um acaso do destino precisa sobreviver num ambiente inóspito e acaba voltando ao seu estado primitivo, atendendo ao chamado da natureza. 

No caso de Caninos Brancos, a história é inversa. Conhecemos Lobinho, que futuramente terá o nome de Caninos Brancos, um filho de loba que se vê capturado pelo homem e precisa perder seu instinto selvagem e se domesticar, de forma a conviver com o Homem. Confesso que li com certa expectativa e fiquei surpresa ao final do livro. A narrativa de London é fantástica, faz você incorporar o personagem [nesse caso, o lobo] e sentir todas as suas inquietações. A maestria de London ao descrever os monólogos mentais de Caninos Brancos me deixou extasiada. 

O começo do livro conta o período antes do nascimento do protagonista que dá nome ao livro. Nas terras geladas do norte, dois homens tentam cruzar essa área tão cruel e perigosa, enfrentando todo tipo de perigos e dificuldades, até serem [ao menos um deles] resgatados com vida por outras pessoas. A jornada árdua, no frio, em meio a fome, com os cães que puxavam o trenó perecendo no caminho, é difícil para esses indivíduos, e em meio a esse caos, uma loba que perseguia os homens com seu bando, a fim de se alimentar, acaba tendo filhotes. Um deles 'vinga', e se torna nosso protagonista...

"eram apenas homens que penetravam nas paragens onde só reinam a solitude, a irrisão, o silêncio - aventureiros insignificantes, empenhados numa aventura colossal, opondo-se à força de um mundo tão remoto, hostil e inanimado como os abismos do espaço." 

A história é dividida em cinco partes, e em cada uma delas, conhecemos uma etapa na vida dos lobos, no nascimento de Lobinho, e de como ele se transforma em Caninos brancos, bem como seu destino final, numa propriedade civilizada, em meio a humanos, dos quais ele sempre desconfiou em vida. Um ponto notável a ressaltar, é de quando ele encontra seu último dono, e a relação que daí se forma, gradual e profunda entre ambos... 

Por meio do instinto, Caninos Brancos vai descobrindo a natureza a sua volta, perde sua mãe, aprende a se defender dos animais que desejam comê-lo ou matá-lo, dos homens que o machucam, e nessa jornada rumo a civilização/domesticação, ele cada vez mais se encontra distante de sua verdadeira essência, mas sua lealdade com o dono é quase palpável. 

"Só muito tempo depois abandonou o refúgio. Tinha aprendido muito. As coisas vivas eram carne. Serviam para comer e eram boas. Mas as coisas vivas, quando bastante grandes, podiam causar dor. Era melhor comer coisas vivas pequenas, como as perdizes recém-nascidas. No entanto sentia a picadinha da ambição, o secreto desejo de travar outra luta com a perdiz mãe. Mas o falcão levara-a. Talvez houvesse outras. Iria procurá-las."

Alguns trechos me deixaram bem afetada, entristecida, pensando sobre a vida desses animais selvagens... O final do livro me trouxe uma perspectiva feliz. Ele não tem um desfecho cruel. Confesso que chorei emocionada... O livro foi presente de páscoa do meu amor [obrigada, Minho], que sabe da minha paixão por Jack London [e não tem ciúmes dela *risos*] desde que li O apelo da Selva. Em breve, lerei O lobo do mar, e espero gostar dele tanto quanto dos demais que li. Caninos Brancos me cativou, me emocionou e com certeza entra para a lista de meus livros preferidos...

Jack London

4 Comentários:

Kris Oliveira Says:
02 maio, 2014

Classicão, né Val?
Já ouvi falar do livro, mas nunca o li. Interessante observar a expectativa da vida dos animais selvagens por esse ângulo. Sou louca pra assistir ao filme, mas até agora também não o fiz, vou acrescentar na minha playlist nunca mais assisti nada pra fugir da zona de conforto.
Eii, Minho é um namorado de ouro hein, vive dando livros de presentes, rsrsrs Eu até agora só ganhei um do meu A Tormenta das Espadas de R.R. Martin, espero ganhar mais agora no dia das mães, hauhauha

Beijos, Verdinha *--* Conversas de Alcova

Carissa Vieira Says:
02 maio, 2014

Já li a história do Buck e adorei. Tenho muita vontade de ler outra coisa do Jack. Vou colocar Caninos Brancos na minha lista.

Beijos,
Carissa
www.carissavieira.com

Maria Valéria Says:
02 maio, 2014

quando tiver a oportunidade, leia mesmo. Esse livro me surpreendeu. London é perfeito demais :D
bjs

Maria Valéria Says:
02 maio, 2014

sim sim, Krid ^^
eu vou ver o filme assim que puder. :D
hahaha verdade, ele sempre me dá livros de presente, e sempre acabo gostando de todos que ele me dá.
Espero que o dia das mães seja recheado de livros pra vc .-.
bjs

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...