O segredo de Brokeback Mountain

| 02 janeiro 2014 | |


Um amor proibido, completamente fora dos padrões 'normais' de uma sociedade americana e moralista da década de 60. Ennis del Mar e Jack Twist são dois cowboys que se conhecem durante a estada nas montanhas Brokeback, em que tinham como função pastorar ovelhas. De repente, em meio ao frio da noite, umas doses de bebida quente e a divisão de uma cabana, eles se envolvem sexualmente. O que a princípio parecia ser apenas uma união sexual movida pelo frio lá fora, na verdade era o começo de um amor impossível de se concretizar, devido ao preconceito da sociedade, entre outros fatores.
O segredo de Brokeback Mountain é um conto de apenas 67 páginas, que carrega uma história profunda e dolorida, em que duas pessoas se amam de forma pura e lírica, mas que por várias razões precisam se encontrar de 4 em 4 anos [ao longo de 20 anos], onde se refugiam no lugar em que se conheceram, longe de suas esposas, filhos e problemas... 
"Só consigo ver a gente se encontrando de vez em quando num fim de mundo...
- Quando é de vez em quando? - perguntou Jack. - De vez em quando de quatro em quatro anos?" 

A primeira das N' vezes que li esse livro, fiquei com a sensação de ter levado um soco no estômago. Me perguntei como Annie Proulx conseguiu com poucas linhas fazer uma história tão linda assim... O livro me dá tristeza, um misto de vazio infinito e solidão plena... Muitos podem pensar que se trata de uma relação bruta, tal a natureza dos personagens, mas ela se mostra justamente o oposto disso... é suave, terna, apaixonante, intensa, os dois amantes se entregam de forma absoluta aos seus sentimentos reprimidos... A montanha Brokeback é um refúgio, um ninho de amor para duas almas perdidas e apaixonadas...

Quando se conheceram em 1963, Ennis estava noivo. Ambos eram jovens e buscavam empregos, pois Ennis estava juntando dinheiro para o seu casamento. Jack Twist já havia trabalhado na montanha um ano antes mas era a primeira vez de Ennis trabalhando naquele local. O primeiro contato de ambos se deu num escritório, um simples aperto de mãos. Saindo daí, eles passaram a véspera da ida à montanha num bar, bebendo e contando histórias sobre si mesmos. Eles deveriam trocar de turno em pontos determinados na montanha, onde as ovelhas pastavam mas acabaram no mesmo local, devido ao clima inóspito e solitário... A partir das conversas e da convivência na montanha, algo foi crescendo dentro deles [sem trocadilhos maldosos, por favor...]... 

"Eles respeitavam a opinião um do outro, felizes de ter um companheiro onde não esperavam encontrar nenhum." 

Não sei se a magia do lugar ou outro fator levou os dois homens a se envolverem, mas com o passar dos dias, a convivência em Brokeback foi dando mais espaço a intimidades, e quando eles se viram próximos demais dividindo uma barraca, a explosão de sentimentos se formou. O ato sexual parecia mecânico, puramente instintivo, mas eles nunca falavam a respeito, e a coisa se repetiu. Mas apesar de tudo, Ennis se mostrava relutante ao que faziam. Ele diz: "Não sou bicha" e Jack respondeu: "Nem eu." Ennis tinha a pinta de machão, e tudo o que ele aprendeu desde pequeno, que homens não deitam com homens, e toda a violência de que ele foi testemunha quando era pequeno, no local onde morava, martelava em sua cabeça. E seu conflito interno era visível, quase palpável... 


Para Jack, as coisas eram mais simples. Se preciso fosse, ele assumiria. Ele sonhava com o dia em que Ennis iria desistir da vida que montou ao lado da esposa e filhos, para viver com ele. Mas Ennis tinha várias razões que justificavam seu medo. Ele achava que as pessoas poderiam ser muito más com Jack, e por isso ele nunca revelava nada... Viviam de aparências... Ao longo dos anos, com seus encontros bissextos, Ennis nunca assumiu sua relação com Jack, embora sua esposa Alma tenha sentindo que havia algo a mais com a amizade dos dois, embora o próprio Ennis negasse qualquer 'acusação'.

"Uma coisa nunca mudava: o brilho de suas cópulas bissextas era obscurecido pela sensação de que o tempo voava, nunca era suficiente, nunca bastava." 

A adaptação para o cinema é igualmente bela. Dirigido por Ang Lee, o filme é praticamente a leitura visual do conto. Não vi detalhes diferentes ao ler e depois ver o filme, é como se as cenas fossem passando pela cabeça do espectador, da mesma forma quando se faz a leitura da obra... As interpretações de Heath Ledger e Jake Gyllenhaal são emocionantes. Eles dão vida aos personagens do livro de uma forma única... Sou apaixonada tanto pela obra cinematográfica quanto pelo livro...


"Mais tarde, aquele abraço sonolento consolidou-se em sua memória como o único momento de felicidade natural e encantada em suas vidas separadas e difíceis. Nada estragava aquilo." 

O medo que Ennis sentia de assumir os seus sentimentos me fez pensar numa cena belíssima da história, em que ambos estão abraçados, Jack de costas para Ennis. Quando ele envolve Jack em seus braços, é como se ele não estivesse agarrando outro homem. O objeto de seu amor tem seu 'gênero' anulado, pois os falos não se unem, não se tocam. Enquanto Jack estiver de costas para Ennis, ele não é 'a mesma coisa que Ennis'. Ele reprime sua homossexualidade anulando o contato com a genitália de seu companheiro. Ao menos pra mim, foi isso o que o abraço deles simbolizou... É um misto de emoções conflitantes que Ennis sente e tenta entender. Não é fácil para ele. 

Antes do preconceito com os demais indivíduos, Ennis lutava contra o seu próprio preconceito, de que aquela relação era imoral, suja, inapropriada. O abraço frontal despertava medo nele, talvez pelo simbolismo que carregava, tendo dois falos juntos no ato do abraço. Algo extremamente “agressivo” para a masculinidade deles. Embora Jack não se importasse ou não tivesse percebido isto. Para Ennis, Jack era a 

parte feminina da relação, enquanto de costas estivesse para ele. Jack de costas, simboliza a negação de Ennis à sua homossexualidade. Ennis pensa que não é Jack que ele tinha nos braços, porque Jack é homem, e homens não mantém outros homens nos braços, pois a moral cristã e os costumes convencionais proclamavam isso. 
"Você não tem idéia de como fica ruim. Eu não sou você. Não consigo viver com algumas fodas em grandes altitudes uma ou duas vezes por ano. Você é demais para mim, Ennis, seu filho de uma puta. Quem me dera saber como lhe deixar. Como vastas nuvens de vapor de fontes termais no inverno, os anos de coisas não ditas e agora indizíveis - confissões, declarações, vergonhas, culpas, medos - se levantaram em volta deles."

Com um final chocante e ao mesmo tempo digno de se pensar 'Como é possível?' [sim, a incredulidade é justificada], nos sentimos tão desolados quanto os dois cowboys em sua montanha Brokeback, a carga de emoção e tristeza é arrebatadora. Não vou me prolongar falando a respeito disso pois corro o risco de soltar spoiler. Para quem viu o filme, não perca tempo e procure conhecer também a obra, embora já saiba do desfecho. 

"as mangas cuidadosamente vestidas nas mangas da de Jack Era a sua camisa xadrez, perdida, achava ele, muito tempo atrás em alguma lavanderia, o bolso rasgado, faltando botões, roubada por Jack e escondida ali dentro da camisa dele, o par igual a duas peles, uma dentro da outra, duas em uma. Ele colou o rosto no tecido e inspirou devagar pela boca e pelo nariz, esperando sentir algum leve vestígio do cheiro de Jack, ranço salgado e doce de cigarro e sálvia da montanha, mas não havia propriamente cheiro, só a lembrança de um, a força imaginada da montanha Brokeback da qual nada restava senão o que tinha nas mãos." 

Em suma, é uma obra tocante, pungente, arrebatadora, decerto uma das histórias de amor mais sofridas e lindas que já tive o prazer de ler... E sim, Jack e Ennis são um dos meus casais preferidos na literatura. Até mais que Romeu e Julieta... 

9 Comentários:

Italo S Says:
02 janeiro, 2014

Valéria, como está?
Gente, sou doido pra ler este livro. Tava conversando com o Victor sobre este livro, e ele não sabia que era um livro.
Eu já assisti ao filme; mas quero ler o livro hihi
Achei forte, e bonito este trecho: "Mais tarde, aquele abraço sonolento consolidou-se em sua memória como o único momento de felicidade natural e encantada em suas vidas separadas e difíceis. Nada estragava aquilo."
Parabéns pelo post :D

http://incriativos.blogspot.com.br/

Ricardo Philip Says:
02 janeiro, 2014

Eu já assisti ao filme... e foi muito engraçado, pois ninguém presente na sala sabia que se tratava de uma temática GLS, mas história é bastante interessante. Parabéns pelo blog. Uma grande abraço!

http://criticandonamadruga.blogspot.com.br/

Luciana Pimenta Says:
02 janeiro, 2014

Oie...
Tudo bom?
Eu assisti apenas ao filme e achei interessante abordarem essa temática que chocou muita gente na época... Até pelos próprios atores que interpretaram... Parabéns pela resenha...

Adorei seu blog... Já estou seguindo...
Depois dá uma passadinha no meu cantinho para conhecer e se puder segui-lo ficarei muito grata...
Beijos
Relíquias da Lylu =D
http://reliquiasdalylu.blogspot.com.br

Samuel Rodrigues Says:
02 janeiro, 2014

Esse livro parece muito bom, acho que vou ler!

http://thesagasofworld.blogspot.com.br/

Anônimo Says:
03 janeiro, 2014

E vc despertou em mim o desejo de ler esse livro... Vou comprar!!!
Obrigada, Valéria!!
Parabéns pelo texto!!
Bjs, Isabelle

Denise (@dnisin) Says:
06 janeiro, 2014

Eu ia morrer sem saber que esse filme era uma adaptação literária. o.O
Adorei seu texto, muito bem detalhado sobre a estória e o que você achou. Eu gostei da adaptação e me lembro de ter achado bem triste também, independente de serem quem são, é um amor destruído e isso sempre me entristece.

Bjs, @dnisin
www.seja-cult.com

Kéziah Raiol Says:
16 janeiro, 2014

Oi linda, tudo bom?
Assisti a esse filme e fiquei muito emocionada e triste, sério D:
a história deles é muito linda e diferente - obvio.
Uma ótima dica <3

Michelli Santos Prado Says:
17 janeiro, 2014

Olá Maria, tudo bem??
Nossa achei demais conhecer tanto o livro como o filme...Recentemente li um historia de uma autora nacional o livro se chama A garota da casa grande, que fala de um amor entre duas meninas, e achei super interessante, e a sua resenha do livro esta maravilhosa!! Pois é um tama cheia de amor, medo e mentiras!! Já adicionei como desejado no Skoob, e com certeza vou procurara pelo filme na locadora da minha cidade!!
Beijos!!

Michelli Santos Prado Says:
17 janeiro, 2014

Olá Maria, tudo bem??
Nossa achei demais conhecer tanto o livro como o filme...Recentemente li um historia de uma autora nacional o livro se chama A garota da casa grande, que fala de um amor entre duas meninas, e achei super interessante, e a sua resenha do livro esta maravilhosa!! Pois é um tama cheia de amor, medo e mentiras!! Já adicionei como desejado no Skoob, e com certeza vou procurara pelo filme na locadora da minha cidade!!
Beijos!!

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...