Um cowboy perdido nas noites de uma cidade grande...

"Enfiado nas botas novas, Joe Buck alteava-se a um metro e oitenta e seis do solo e sentia a vida diferente."


E assim conhecemos um personagem peculiar dessa obra escrita por James Leo Herlihy. Perdidos na Noite [Midnight Cowboy] fala sobre Joe Buck, um texano de maneiras simples que sonha em ir morar em Nova York para fazer fortuna. Tem um estilo Cowboy garanhão de ser e almeja trabalhar como garoto de programa para mulheres ricas [e posteriormente também homens], deixando para trás seu passado turbulento e problemático. O problema é que Joe, apesar da pinta de garanhão, é bastante ingênuo, e a cidade de Nova York não abre a possibilidades que ele acreditava conseguir ao chegar lá...

E daí o destino se encarrega de colocar Atzo Rizzo no caminho de Joe. Rizzo [ou Ratso] é baixinho, manco, sujo, vive de furtos na grande cidade, e nem tem um lugar decente para morar. Quando encontra Joe, trata logo de lhe 'passar a perna', pois percebe a ingenuidade do Cowboy. E no final, eles acabam se tornando amigos. Depois de se meter em algumas 'furadas', Joe reencontra Ratso num bar e eles resolvem se unir para ganhar a vida, Ratso passa a agendar encontros para Joe, agindo como um cafetão do rapaz.

Mas a cidade grande é cruel, e além da beleza da Estátua da Liberdade, do Central Park e da Times Square, Nova York esconde em seus becos sombrios e sujos indivíduos entregues à bebida, prostituição, jogatina e violência. E é nessa Nova York que os amigos Joe e Rizzo tentam sobreviver... 

O livro fala sobre sexo, pobreza, vazio existencial e abandono na cidade grande. Faz um mergulho profundo no cotidiano de pessoas totalmente desamparadas pela vida e que vivem de esmolas, sem um teto pra dormir e se iludindo em festas, clubes e bebida... a violência das ruas é gritante, e a impressão que dá é de que todos estão tão mergulhados em seus próprios problemas que não se comovem com as dificuldades dos outros... As dificuldades em arranjar um abrigo aquecido e comida acabam piorando o estado de saúde de Rizzo e Joe começa a ''trabalhar" mais para que não falte as necessidades básicas para os dois. Em meio a esse caos, Joe e Rizzo se tornam companheiros, um ajudando o outro a realizar seus sonhos esfacelados...

O autor, James Leo Herlihy, é um romancista e contista norte-americano, nascido em 1927. Assim como alguns de seus contemporâneos [Tennessee Williams, Truman Capote, entre outros], sua obra tem forte presença dos temas solidão e ausência de sentido na problemática sociedade urbana industrial. A falta de empregos, a desesperança e falta de perspectivas dos personagens faz com que o leitor se compadeça de cada um deles, em alguns casos, até se reflita em algum...


O livro teve uma adaptação para o cinema em 1969, com Jon Voight [o pai de Angelina Jolie] no papel de Joe Buck e Dustin Hoffman como Rizzo. Talvez pelo forte apelo homossexual, os dois atores foram indicados ao Oscar, mas não ganharam a estatueta. Porém, o filme levou 3 prêmios para casa, incluindo de Melhor filme em 1970. Além do Oscar, venceu também o BAFTA e foi indicado ao Globo de Ouro. Midnight Cowboy foi o único filme com temática homossexual que ganhou uma estatueta do Oscar.

Deixo a música tema do filme, que é bem bonita, um country que gruda na cabeça por dias. 

É um livro forte, e ao mesmo tempo sutil, que passa bem a mensagem de amizade em meio ao vazio existencial, onde todos se vão, e apenas os mais sofridos ficam... Faz refletir sobre o desencanto, amor, morte e acima de tudo... Esperança em dias de sol...

12 comentários:

  1. Nossa, fiquei com uma vontade enorme de ler esse livro. A sua resenha me chamou atenção.

    Alef - Floreios e Borrões (adpiagge.blogspot.com)

    ResponderExcluir
  2. Oi Val, meu pai tinha uma coleção enorme desse livros, especialmente dos que são nesse estilo. Não sei se ele tem esse, mas é bem provável. Não faz muito ,meu estilo de leitura, por isso nunca peguei para ler, mas acho muito bacana vc resenhá-lo por aqui. E que legal ter um filme baseado que foi tão bem aclamado. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Oi, Val.
    Percebi que o livro ão é sobre velho oeste, mas a foto dele me remete isso, sabe? Me pai tinha vários, rs. Sobre a história: eu nunca tinha ouvido falar, mas fiquei bem interessada. Afinal, o tema chama bastante atenção! E saber que tem filme ajuda, adoro ficar comparando depois! Obrigada, dica anotada!
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  4. Oi Maria!
    Gostei da premissa e achei bem diferente esse livro, aborda mais uma pessoa em busca do sonho americano. Fiquei curiosa e com muita vontade de conferir esse livro, o personagem parece que sofre bastante e ainda encontra mais um sofredor, acredito que tenha nascido uma bela amizade aí. Vou colocar na lista de leituras.

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  5. Oi Val!
    Só eu acho que os livros de antigamente eram mais cheios de ensinamentos, de coisas da vida real, de vários tapas na cara? Se não me engano assisti esse filme com o meu pai quando era bem pequenina, ele adorava filmes com o Dustin ahahhaha Mas, fiquei bem feliz em saber que tem o livro! Já fiquei com vontade de ler, só pra sentir tudo isso de novo!!
    Beijos


    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  6. ei, teu blog está tão lindo que dá gosto em ler. Esse livro não conhecia e fico feliz por conhecer por meio de você. 'O livro fala sobre sexo, pobreza, vazio existencial e abandono na cidade grande. ' tudo que eu gosto hahahahahha eu não sabia da adaptação, também vou procurar para assistir.

    ResponderExcluir
  7. Interessante! Gosto de livros que falam sobre as pessoas "invisíveis" para a sociedade. Parece que da mesma forma como no livro cada um parece imerso em seus problemas em nossas vidas reais. Passamos pelas pessoas em situação de rua pela cidade e muitas vezes nem olhamos para ela. Talvez esse livro nos faça olhar ao redor com mais compaixão... Você sentiu algo assim com a leitura?

    ResponderExcluir
  8. Me surpreendi com o livro. Pela capa jamais poderia imaginar uma obra de arte dentro dele. A resenha foi bem escritae me despertou interesse

    ResponderExcluir
  9. Olá
    Pela capa eu não me interessaria pelo livro, mas sua resenha me surpreendeu muito!
    Adorei a resenha parabéns pela escrita.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. O livro parece bem legal para quem curte esse tipo de leitura, mas não é a minha vibe. Desta vez vou passar a dica.
    Beijos. Versos da Alma

    ResponderExcluir
  11. Olá! Nossa não conhecia esse livro, porem tenho um livro dessa coleção haha fiquei fascinada pela história e o modo como você trouxe ela na resenha só me fez sentir mais vontade de ler esse livro.. Se eu tiver a oportunidade com certeza lerei! Ótima dica!

    beijos,
    Conta-se um Livro

    ResponderExcluir
  12. Resenha bem escrita e que deixa o leitor com uma cuiriosidade de ler..rs.Esses livros me lembram muito aqueles filmes de antigamente com algumas abordagem do gênero como esse.

    ResponderExcluir

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Witches Hat
Tecnologia do Blogger.