Resenha do Mês [Agosto] - O apelo da Selva

| 10 setembro 2013 | |
minha edição pela Abril Cultural...

Umas semanas atrás tive o imenso prazer de ler uma obra que me deixou impressionada. Nunca tinha lido nada de Jack London, apesar de ter comprado um livro dele um tempo atrás. Mas ainda não li O lobo do Mar, simplesmente por não sentir a 'vontade' de retirá-lo da estante, escolher um marcador de livros que combine com ele e começar a leitura. Então, vi uma edição de O apelo da Selva na casa de um amigo e ao ler a sinopse, fiquei interessada. Mas não pedi o livro emprestado [algo me dizia que eu leria a minha própria edição]...

Finalmente, encontrei o livro no sebo que costumo comprar livros e quadrinhos em Carpina [PE]. Me custou R$ 8,00 e não me arrependi de ter pago um centavo sequer... Logo a mesma edição que tinha visto na casa do meu amigo, de uma coleção que já falei a respeito aqui no blog. Não hesitei em trazer pra casa. O apelo da selva foi a história que eu precisava pra me apaixonar pelo autor...


Trata-se da história de um cão chamado Buck, que foi raptado do lugar onde morava, por um trabalhador da fazenda de seus donos, para ser vendido e enviado para servir de cão que puxa trenós nas áreas mais geladas do Canadá. O ano é 1897. Passando privações, apanhando e sendo transportado de maneira rude, Buck percebe aos poucos que sua vida vai mudar e não há como escapar desse destino. Após se ver diante de situações inusitadas para um cão doméstico, a personalidade de Buck vai se transformando...

Uma das coisas que mais me chamou a atenção na história é justamente essa mudança no instinto do cachorro, e como London conduz a história. É como se o leitor mudasse junto com o personagem canino. A passagem de cão doméstico para 'lobo selvagem' se dá em meio a uma área inóspita, com pessoas de todos os tipos [algumas gentis com os cães, mas a maioria nem tanto...]. Buck vai passando de um 'dono' a outro, e ainda precisa enfrentar outros cães entregues a mesma sorte. Alguns foram amistosos com Buck, mas até no meio animal, percebemos a inveja e a ambição por um lugar de liderança entre a matilha. A lei que prevalece é a do mais forte e mais esperto contra o mais fraco e frágil. Outro fator interessante a dizer sobre esse livro é que a narrativa se dá em terceira pessoa, como se alguém conversasse conosco sobre a vida de Buck, e toda ela pelo ângulo de compreensão do animal. 

O latir de Buck muda de um latido doméstico ao uivo de um cão que luta para sobreviver no frio, nos perigos do gelo, contra a maldade e egoísmo humanos, e na supremacia do animal mais forte. Buck apanha para ser domado, passa frio, fome, tem suas patas machucadas pelo gelo cortante, vê outros animais em iguais circunstâncias perecerem no caminho por não suportarem as condições precárias a que são submetidos, precisa matar para sobreviver, arrasta o peso de trenós e vê companheiros de jornada ficarem para trás, passando a mão de outros donos... 

Achei fantástico o fato do livro ser bem ilustrado, e apesar de curto [menos de 200 páginas] a leitura é empolgante, cheia de passagens que fazem você pausar a leitura e refletir sobre o mundo e selvageria animal. A transição de domesticidade a selvageria se dá de forma gradual, e cada vez mais intensa. O livro é inteiro impregnado dessa transformação por meio de adaptação no personagem Buck. 


"Esse primeiro roubo provou a aptidão de Buck para sobreviver no meio hostil do norte. Provou a sua adaptabilidade, a sua capacidade para se ajustar a condições mutáveis, cuja carência teria significado nada mais nada menos do que a morte - imediata e terrível. Assinalou, além disso, a decadência ou a desintegração da sua natureza moral, coisa inútil, obstáculo até, na impiedosa luta pela existência. No sul, onde imperava a lei do amor e da fraternidade, sim senhor, era muito bonito respeitar a propriedade privada e os sentimentos do indivíduo; mas no norte, sob a lei do porrete e da dentada, era louco todo aquele que tais coisas tivesse em consideração; tanto quanto ele observara, não podia fazer vida." 

Nota-se nessa passagem uma crítica do autor sobre a civilidade, que perde espaço quando se trata de sobreviver em meio ao caos. Todos os valores ensinados a Buck, como cão doméstico, caem por terra quando ele precisa sobreviver. A moral do cão é inútil na hora de lutar por sua comida. Apanhando dos humanos e sendo surrado por outros de sua espécie, a única opção que resta a Buck é lutar, mesmo que de forma brutal e incivilizada... 

Buck ainda encontra calor humano entre a frieza do norte [de território e humana], quando, ao 'perder-se' de uma matilha que tem um final trágico, é acolhido por um homem bondoso, e encontra lealdade nesse humano, que o defendeu de uma surra. Mas a selva clama por Buck, e ele se encontra cada vez mais desapegado das questões 'humanas' e dos sentimentos de 'companheirismo' aos quais a um cão são atribuídos esses valores. A liberdade de respirar por conta própria, de buscar seu próprio alimento, de sentir o vento e a natureza em sua plenitude transformam Buck num legítimo ser da floresta... 

É um livro que me deixou triste, reflexiva e me fez divagar por dias em sensações desconfortantes... Senti pena dos demais cães que Buck conheceu em sua jornada, senti pelos donos que perderam seu velho amigo, e tristeza pelo próprio Buck, que, sozinho, teve que se adaptar a um mundo selvagem, gelado e vazio de bondade e compaixão humana... 

6 Comentários:

geniiinho Says:
10 setembro, 2013

Muito boa a resenha, até me deixou interessado em ler essa História... Gostei muito! :)

Kéziah Raiol Says:
11 setembro, 2013

É tão legal quando encontramos um livro que queremos em um sebo né? rs
Eu nunca tinha visto falar desse livro, mas a premissa é bem interessante, gostei da tua resenha, deixou bem claro os seus sentimentos com relação a leitura.

Beijos,
paixaoliteraria.com

Jacqueline Says:
12 setembro, 2013

Nunca ouvi falar nesse livro acredita? Mas confesso que adorei a história.
Não tenho costume de comprar livros no sebo por causa da minha alergia a livros antigos =( mas se eu pudesse teria uma biblioteca só com livros de sebo! hauhauahua
Adorei sua resenha!

Beijos, Jac
http://behind-thewords.blogspot.com.br/

Luara Cardoso Says:
12 setembro, 2013

Sempre quis ler algo do Jack London. Mas o que eu mais quero ler é "Caninos Brancos", que parece ser maravilhoso.
E que sorte a sua que conseguiu achar uma edição de colecionar no sebo, ein? Valeu super a pena o preço que pagou.
Agora estou com vontade de lê-lo também! :P

Um beijo,
Luara - Estante Vertical

Michelle Henriques Says:
13 setembro, 2013

Val, infelizmente ainda não li nada do Jack London. Tenho um aqui que vou passar na frente da fila.

E eu adoro essas edições da Abril Cultural. São lindas.

Beijos

Tamara Costa Says:
14 setembro, 2013

Tenho vontade de ler ele há um tempão, mas ainda não tenho nenhum título, logo que achar vou ver o que acho.

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...