Minha 1ª tattoo - Cherry 666

| 06 maio 2013 | |
O post de hoje [depois de dias sem postar porque minha net estava terrível], venho falar um pouco sobre mim, e resolvi postar [aos poucos] as histórias das minhas tattoos... Não sei se vai interessar alguém saber disso, mas enfim...



Minha primeira tatuagem tem uma história beeem interessante... Sou uma pessoa que gosta de ler a respeito de suicidas... Na época do orkut [ainda tenho minha conta lá, embora não acesse mais com freqüência], eu visitava uma comunidade chamada Profile de Gente Morta [PGM]. Lá, as pessoas postavam links de perfis no orkut de pessoas que já tinham falecido. Me chamou a atenção o perfil de um rapaz chamado Leandro Ricieri, e achei o link de seu fotolog. Visitei, e algo despertou em mim... um interesse mórbido, estranho, certo fascínio pela história de Leandro... é como se eu o conhecesse, enfim... senti uma afinidade gigantesca com ele... Não que eu tenha me apaixonado por um morto... mas a sensação de que eu o conhecia de algum lugar... Nunca tinha visto nada sobre ele antes, não éramos amigos de internet, só tomei conhecimento de sua existência justamente pela sua 'não-existência' no mundo... [perdoem-me o trocadilho]... Achei até que fosse um perfil fake, que ele não havia morrido, e em seu orkut as pessoas viviam deixando mensagens [umas bem ofensivas, por sinal], Eu, inclusive, mandei algumas... estranho mandar mensagem pra alguém que você nunca conheceu na vida e que nunca leria porque já estava morto... 
Bem, resumindo a morte dele: simplesmente, numa madrugada de setembro, ele foi de bicicleta até a linha do trem, esperou ele passar e se JOGOU na frente dele... Confirmei que a história era verídica através de uma amiga correspondente de cartas, que conhecia Leandro, estudava na mesma escola. Cheguei até ela, porque notei que eram da mesma cidade... e então, realmente Leandro tinha se matado... 
Eu fiquei tão impressionada com sua história, que passei a ler o fotolog dele, acompanhar a comunidade no orkut que fizeram em sua homenagem e tudo mais... 
Descobri que ele queria ser tatuador, e tinha uns desenhos postados em seu fotolog... então, resolvi: minha 1ª tatuagem seria em 'homenagem' a ele... e hoje, carrego Ricieri 'no lado esquerdo do peito...' [sem más intenções ou paixões, apenas fascínio]... O nome da tatuagem é Cereja 666. Como é um desenho de cerejinhas [tattoos de cereja são comuns], achei legal a modificação que ele fez, usando caveirinhas no formato... o desenho tem tudo a ver comigo... Ele seria um ótimo profissional caso não tivesse se matado... 


Então é isso... Ricieri é meu suicida preferido... embora eu não quisesse que ele tivesse se matado... queria tê-lo conhecido por outras circunstâncias, e não por causa de sua morte... Não sou lá muito religiosa, mas penso que talvez a gente tenha se conhecido, sei lá... quem sabe um dia saberei da resposta... 


Seu último post, poucos dias antes de se suicidar... 

5 Comentários:

Raquel S. Ramos Says:
06 maio, 2013

Além de muito bonita a tattoo tem uma bela história, gostei.

Suelene Simplício Says:
06 maio, 2013

HEHEHE Lembro dessa história... essa sua tatto é muito bonita. As caverinhaas *-*

SUA cara mesmo!

Magic Mix Says:
24 janeiro, 2014

eu era amigo do Leandro. e as vezes me pego procurando por ele nessa paginas. tu n é a única pessoa que encontro e que tem essa admiração por ele e que eu acho mt justo, Ele era FODAH!! Duka a tatoo !! eu me lembro dessa. e vlw por me fazer encontrar com ele por aki.

anne fab Says:
22 abril, 2014

nossa...louca a historia curtir..

anne fab Says:
22 abril, 2014

adorei a historia, muito louca. Tattoo ficou demais

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...