Na estação de trem...

| 29 abril 2011 | |

Contando os minutos ela sentou ansiosa no banco da plataforma... àquela hora a estação não tinha tantas pessoas esperando pelo trem... Ela olhava para os lados, consultava seu relógio de bolso, um desses antigos que se acham hoje em dia apenas em antiquários... Ela ganhara do padrinho, falecido a muitos anos, a quem estimava...
Maria Eva não conseguia conter-se e de meio em meio minuto, olhava novamente o relógio... Passou a vista no relógio da estação, levantou e foi até o bilheteiro, na esperança de quem alguém tivesse deixado ao menos um bilhete pra ela, justificando essa demora... Mas o bilheteiro não parecia se importar ou fingia não vê-la... Não podia ser verdade, mais de três horas nessa espera infinda... Ele não a deixaria esperando... não a abandonaria...

Pessoas vão e vem na estação, a plataforma aos poucos se enche de burburinhos intermináveis, conversas sem sentido e desconexas para Maria Eva... e Fabrício não aparece... Mais uma vez o velho relógio é consultado, um último olhar à plataforma é lançado... Lentamente, ela pega sua única mala e embarca no trem, que apita sua saída...
Já em movimento, observa seu reflexo na janela e mal enxerga o próprio rosto, embargado de lágrimas... Lágrimas estas que lhe turvavam a vista...
Fabrício não veio...
A plataforma se distancia ainda mais de sua linha de visão... A chuva cai...
Pôs a mão no bolso, o relógio havia parado... o trem continuava em movimento... suas lágrimas cessaram... No ar pesava apenas aquele vazio...
e um eco de angústia...

engoliu em seco...

0 Comentários:

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...