Flerte pelo retrovisor...

| 11 abril 2011 | |
Era uma garota que gostava de flertar... Flertava com um transeunte na rua, com o atendente da loja, com os funcionários de sua repartição... Flertar era sentir-se viva, embora não almejasse ir pra cama com todos aqueles estranhos que passavam tão comumente por sua vida... Flertava por simples prazer, por capricho de alguém recém-saído da adolescência... O ato consistia em chama que fazia arder seu corpo, um apelo sensual de seu cérebro, mais que um orgasmo corporal...
Todos os dias, no caminho do trabalho para casa, sentia os olhos do motorista pousarem sobre ela... Instigava-o, fazendo gestos provocativos, enquanto ele a admirava, ávido, pelo espelho retrovisor... Cruzava as pernas, e não mostrava nada, apenas pela satisfação de sentir o olhar lascivo daquele homem rude, grosseiro e sem modos sobre si... Ele, que até então a achava fria, esquiva, e não se misturava com os demais companheiros de serviço, notou certo charme naquela criatura tão arredia... Eis um ponto em comum: ele também mal suportava aquela gente fedida e previsível, de brincadeiras sem graça e conversas desprovidas de conteúdo inteligente. Ele não era lá inteligente, mas admirava pessoas assim, queria aprender com elas. E aquela garota misteriosa... Sua inteligência e arrogância o excitavam... Seu pensamento era "como ela gemia na cama?". Pensava com seus botões, em meio ao volante, marchas e pára-brisas... Taciturna, atrevida em seus mínimos gestos, essa garota excitava-o... Batia punheta todos os dias, após seu itinerário...
Ele queria mais do que ela sequer imaginava, queria partir para a investida... Mas ela sempre cortava, embora delicadamente, disfarçadamente... Para ela, não havia necessidade de contato físico. O flerte bastava. O flerte alimentava mais e mais o seu ego... O motorista?
Punheta era o que lhe restava... era uma migalha de amor, o máximo que daquela garota poderia receber... Todos os dias, depois do expediente, era o que fazia, enquanto ela, já em sua casa, com um leve sorriso nos lábios, exausta caía na cama... e adormecia...

0 Comentários:

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...