Frio, cinza e vazio...

| 26 junho 2009 | |




Sinto um vazio no peito. O frio da madrugada enregela meus sentidos. Minhas faces enrubecem com o vento que sopra na janela aberta. Olho para a rua deserta; apenas a noite, com suas estrelas brilhantes e longíquas banhadas pelo brilho da lua, e os prédios cinzentos são testemunhas da lacuna que você deixou em meu peito. E o pior disso, é que minha inconseqüência fez brotar esse vazio.
Meus atos impensados, minha língua ferina e inquieta culminaram meu ser à ruína. Como poderei reconstruir os tijolos e alicerces de uma existência desabada, de uma consciência destroçada, de uma tristeza saturada?


E o remorso! O remorso que consome meu pensamento.
Pensamento este, que me corrói por dentro, que espera agir o tempo,
mas sempre volta ao mesmo lugar?



E essa secura de vida, vida não-vivida, esse desejo de morte, que vai e vem à própria vontade, acompanhado de medo, de dor e tristeza, que se reúne em meus olhos e desaba em minhas faces, rumo ao peito, num movimento cíclico, que nunca se interrompe?



E você, um dia, tentou secar essas lágrimas. e eu retribuí com mais e mais lágrimas, estas, por sua vez, suas, de raiva, decepção e rancor. Me falta coragem para encarar as janelas de tua alma, falar-te com a voz de meu peito, que não quer calar, mas não sabe como se expressar, e que anseia ainda assim, encontrar você e dizer todas as palavras que ecoam agora, neste momento, noite e madrugada afora, neste momento tão meu, frio, cinza e vazio.






Frio sem você! Cinza de tristeza e vazio de mim mesma...

0 Comentários:

Postar um comentário

De Bukowski a Dostoievski. Ana Cristina César a Lilian Farias. Deleite-se com a poesia de Florbela Espanca e o erotismo de Anaïs Nin...
Aforismos, devaneios, quotes dispersos e impressões literárias...um baú de antiguidades e pós-modernismo. O obscuro, complexo, distópico, inverso... O horror, o amor, a loucura e o veneno de uma alma em busca de liberdade...

Seja bem-indo-e-vindo[a]!

╬† Literatura no Mundo ╬†

╬† Autores ╬†

agatha christie Alan Dean Foster Alan Moore Álvares de Azevedo Ana Cristina César Anaïs Nin Anna Akhmatova Anne Rice Anne Sexton Antônio Xerxenesky Arthur Rimbaud Bob Dylan Bram Stoker Cacaso Caio f. Abreu Cecília Meireles Charles Baudelaire charles bukowski Charles Dickens chuck palahniuk Clarice Lispector clive barker Cruz e Sousa dalton trevisan David Seltzer Dik Browne Don Winslow edgar allan poe Eduardo Galeano Emily Brontë Ernest Hemingway Eurípedes F. Scott Fitzgerald Ferreira Gullar Florbela Espanca Franz Kafka Garth Ennis George R. R. Martin Gilberto Freyre Guido Crepax H. G. Wells H. P. Lovecraft Haruki Murakami Henry James Herman Hesse Herman Melville Hilda Hilst honoré de balzac Horacio Quiroga Hunter S. Thompson Ignácio de Loyola Brandão isaac asimov Ivan Turgueniev J. R. R. Tolkien Jack Kerouac Jack London Jay Anson João Ubaldo Ribeiro Joe Sacco Jon Krakauer Jorge Luis Borges José Mauro de Vasconcelos Julio Verne Konstantinos Kaváfis L. Frank Baum Laura Esquivel Leon Tolstói Lord Byron Luciana Hidalgo Luiz Ruffato Lygia Fagundes Telles manoel de barros Marcelo Rubens Paiva Mario Benedetti Mark Twain Marquês de Sade Martha Medeiros Mary Shelley Michel Laub Miguel de Cervantes Milo Manara Moacyr Scliar Neil Gaiman Nelson Rodrigues Nicolai Gógol Oscar Wilde Pablo Neruda Patti Smith Paulo Leminski Pedro Juán Gutierrez Rachel de Queiroz Rainer Maria Rilke Ray Bradbury Robert Bloch Robert Kirkman robert louis stevenson Roberto Beltrão Rubem Alves Sándor Márai Sófocles Stephen King Stieg Larsson Susan E. Hinton Sylvia Plath Torquato Neto Victor Hugo Virginia Woolf William S. Burroughs Ziraldo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Witches Hat
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...